Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

Bolsonaro anuncia o fim das lombadas eletrônicas em todo o país



O presidente Jair Bolsonaro retomou, ontem (7), à noite, as transmissões ao vivo em sua página no Facebook, expediente utilizado com frequência durante a campanha eleitoral. Foi a primeira manifestação do presidente da República após a repercussão negativa da declaração dada em um evento militar, no Rio de Janeiro, em que afirmou que “democracia só existe se as Forças Armadas quiserem” e também após a publicação de vídeo obsceno protagonizado por dois homens.

No pronunciamento, Bolsonaro afirmou ainda que, breve, o país não terá mais lombadas eletrônicas em suas vias. “Há uma quantidade enorme de lombadas eletrônicas no Brasil. É quase impossível viajar sem receber multa. E a gente sabe, ou desconfia, que o objetivo não é reduzir acidente” - disse.

Segundo ele, os equipamentos que estão em funcionamento serão mantidos até o final dos contratos. Também afirmou que não será permitido às concessionárias de rodovias utilizar valores que deveriam, por contrato, ser direcionados à manutenção para a instalação de lombadas.

O presidente também informou que o projeto já anunciado para aumentar o período de validade da carteira de motorista de cinco para 10 anos está em fase final de elaboração, no Ministério da Infraestrutura.

Ao comentar a declaração sobre democracia e o papel das Forças Armadas, Bolsonaro recorreu ao principal conselheiro de seu governo, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, que esteve ao seu lado no vídeo transmitido do Palácio do Planalto. Ele questionou o militar se sua fala “estaria em um caminho errado”. A resposta de Augusto Heleno foi esta:

- “Não, claro que não. Não tem nada de polêmico. Ao contrário, foram palavras ditas de improviso (...) colocadas para aqueles que amam a sua pátria, que vivem diariamente a manutenção da democracia e liberdade, caracterizando e exortando-os para que continuem fazendo o seu papel” — asseverou Heleno.

Ao retomar a palavra, Bolsonaro iniciou sua defesa da reforma da Previdência, afirmando que os militares serão incluídos nas modificações, mas “respeitando as especificidades” do serviço. Ele afirmou que o principal objetivo é combater privilégios e, apesar da soberania do Parlamento, espera que a reforma “não seja muito desidratada”.

Prevenção ao assédio

Entre risos, Bolsonaro ironizou a iniciativa do Banco do Brasil de promover conhecimentos sobre diversidade e prevenção de assédios moral e sexual para um concurso de assistente técnico. Ele afirmou que “ninguém tem que fazer curso sobre isso”, já que seria uma questão de “educação”. Após aconselhar eventuais prejudicados que não se encaixariam à regra a procurarem a Justiça, reclamou:

- “A gente dá risada aqui, mas não pode ser assim, pelo amor de Deus”.

A transmissão, que ainda contou com a presença do porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros, foi encerrada com uma mensagem às brasileiras. Ao mandar um abraço à mãe, Dona Olinda, fez alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta sexta-feira (8).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

 

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

Ex-presidente da Câmara de Vereadores em Esteio (RS), Fabio Battistello procurava dirigentes sindicais, valendo-se da envergadura de seu cargo e de informações privilegiadas, para oferecer serviços de “consultoria” e receber propina. Preso em flagrante, foi exonerado e já está condenado (primeiro grau) em ação penal. A suspensão dos direitos políticos é por oito anos.

Se a boa-fé for violada, cessa a proteção do bem de família

A ninguém é dado beneficiar-se de sua própria torpeza. O STJ nega provimento ao recurso de um empresário que ofereceu seu imóvel como garantia na negociação de R$ 650 mil em dívidas e, depois, alegou que ele não poderia ser penhorado por constituir bem de família.

Ação gaúcha por improbidade administrativa vai completar 18 anos no TJRS

Processo oriundo da comarca de Osório (RS), onde começou em 28 de dezembro de 2001, teve sentença que condenou o ex-prefeito Romildo Bolzan Júnior (1993/1996) – atual presidente do Grêmio - e um secretário municipal a indenizarem R$ 700 mil de prejuízos ao erário municipal. Cálculo extraoficial sugere o valor atualizado de R$ 3,8 milhões, sem computar os juros legais.