Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

Os dois exagerados



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Em comarca da Fronteira Gaúcha, um banco estatal tenta cobrar, em ação de execução, R$ 10 mil de um fazendeiro. Trata-se de “saldo remanescente de financiamento adimplido só parcialmente” – diz a petição inicial. Citado, o devedor não paga o débito, nem oferece bens à penhora.

Alguns dias depois, o oficial de justiça vai à propriedade rural, onde o esperto executado indica – como único bem livre e disponível - um equino reprodutor.

O servidor formaliza a constrição judicial, adverte o devedor-depositário para que não abra mão do bem penhorado e desce em minúcias na certidão: “Após as formalidades legais penhorei um cavalo de cor cinza - etimológica e juridicamente chamado de semovente, que é a definição dada pelo Direito aos animais de bando, como bovinos, ovinos, suínos, caprinos, equinos, etc. que constituem patrimônio”.

Mas a minudência aposta pelo meirinho tem mais detalhes: “Dou fé que o animal é o primeiro e mais famoso reprodutor da fazenda, apresenta-se em bom estado de nutrição, dentição completa, com quatro patas, muito saudável, exibindo aproximadamente 50 centímetros de órgão sexual, que na ocasião estava ereto, conforme foto que vai anexada”.

Os autos vão conclusos ao juiz que determina ao cartório que desentranhe a fotografia e risque as 17 últimas palavras do texto certificado: “Despiciendas e impróprias, tais expressões deverão ser tarjadas, advertindo-se depois o oficial para não reincidir nos exageros”.

Em termos práticos, dois meses depois o fazendeiro efetua o pagamento da dívida exequenda. Assim, o quadrúpede não chega a ir a leilão judicial, permanecendo na propriedade rural.

“Há gáudio das éguas da fazenda!” – transmite a rádio-corredor forense. Na comarca fronteiriça só se fala nisso...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!