Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Lágrimas de crocodilo



Arte de Camila Adamoli sobre caricatura de Vírus da Arte e foto do TJRS

Imagem da Matéria

PONTO UM

Ao longo da semana passada, o Rio Grande do Sul testemunhou um emocionante julgamento pelo Tribunal do Júri, uma das instituições jurídicas e democráticas mais respeitadas na história da humanidade. O julgamento do caso do assassinato do menino Bernardo, em Três Passos.

Muitas lágrimas chamaram a atenção da assistência em geral, presencial ou através das mídias, vertidas por aqueles que estavam, por dever de ofício ou cumprindo múnus público, comprometidos com o processo em curso.

Algumas lágrimas, doídas, vindas das pessoas próximas à vítima e ouvidas como testemunhas. Outras impactantes e até inesperadas, sendo vertidas por quem atuou profissionalmente na investigação, mas nem por isso fica imune a todo o contexto que resultou drasticamente na morte do garoto, vindo à tona uma vida sofrida, magoada, maltratada, torturada que Bernardo suportou por anos.

Atrás de profissionais, como policiais, peritos, advogados, juízes, promotores há também um ser humano. Mas entre essas lágrimas, talvez as que mais chamaram a atenção foram as vertidas pela corré Graciele Ugulini. Lágrimas que não convenceram. Lágrimas que não sensibilizaram. Lágrimas que espaçadamente escorriam pelo rosto retorcido e que fungava o tempo todo durante o seu interrogatório.

Tais lágrimas passam para a história dos júris como lágrimas de crocodilo.

PONTO DOIS

A expressão lágrimas de crocodilo é de domínio público e significa choro fingido, falso, hipócrita, enganador.

Há diferentes versões para explicar esta expressão e o seu significado. Uma dessas explicações remonta à antiguidade, contando que às margens do rio Nilo os crocodilos, comuns naquela região, choravam para chamar a atenção dos que passavam, atraindo os piedosos ou curiosos e devorando os que se aproximavam.

Outra, mais biológica, indica que o crocodilo ao digerir um animal pode ter pressionado com força o céu da boca, comprimindo suas glândulas lacrimais. Assim ao devorar a vítima, as lágrimas escorrem de seus olhos por esta reação física.

Há, também, uma lenda medieval que conta que os crocodilos costumavam chorar após devorar uma vítima, sabe-se lá se por arrependimento ou por prazer.

A quais dessas versões podem ser atribuídas as lágrimas vertidas por Graciele durante o seu julgamento é uma incógnita, que talvez não mais importe desvelar.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A conexão como cereja do bolo nos processos da Lava Jato

“A importância de um instituto processual no cenário judicial. Processualistas penais de plantão, a bola da vez está com Vossas Excelências, pois ao fim e ao cabo é o instituto de processo penal que vai determinar a competência, no caso concreto”.

Amigo que é amigo não "come" amiga

“A baixaria, a grosseria, a inconveniência, a ofensa, a deselegância e o machismo barato protagonizados por um desembargador do TJ de Santa Catarina”

Caixa 2 eleitoral: crime ou castigo?

“Mantendo-se o Caixa 2 como conduta apenas moralmente questionada, novas e significativas somas de dinheiro, com origens desconhecidas podem trafegar pelas campanhas eleitorais, impunemente”.

Brumadinho: crônica de uma morte anunciada

“Se necessária a interrupção temporária das atividades exploradoras - hipótese ventilada pelo próprio presidente da Vale do Rio Doce - que se pague esse preço antes que sobrevenha a terceira, a quarta, a quinta rebentação”.

O voto e a matemática

“As Assembleias Estaduais e a Câmara de Deputados do próximo quadriênio serão formadas por partidos e candidatos eleitos pelo povo e... outros pela matemática”.

2019: ano difícil para os cursos universitários

“Os cursos de instituições privadas sofrerão impacto direto, com significativa diminuição de vestibulandos e, portanto, de alunos do primeiro ano do ensino superior”.