Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Quase 755 mil gravações com os nomes de muita gente importante...



Arte EV sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

 Arquivos poderosos

O doleiro Álvaro José Novis, também delator da Lava Jato, entregou à Justiça um acervo de cerca de 754.291 gravações (o número é este mesmo que o leitor observou) - não há excesso de dígitos.

São ligações gravadas durante oito anos, nos ramais de sua empresa, a corretora Hoya, usada pela Odebrecht e pela Fetranspor (leia-se turma do “rei dos ônibus”) para pagar propina a políticos e partidos.

No “outro lado da linha”, surgiram com grande frequência as vozes de: William Al Chaim (operador ligado ao PT); Eduardo Castro (operador ligado ao PSDB), Altair Alves Pinto (funcionário de Eduardo Cunha/MDB-RJ) e Jorge Luiz Ribeiro (ex-assessor de Jorge Picciani (MDB-RJ).

O material revela detalhes da complexa sistemática de pagamentos propineiros: de segunda a sexta-feira, todas as semanas, anos a fio (salvo em feriados), a Odebrecht transmitia à corretora Hoya uma relação com endereços para a entrega de dinheiro, nome do recebedor, e a senha correspondente.

Transportadoras de valores eram chamadas para o “apoio logístico”.

  Súmula com a cara do agressor

O leitor certamente viu, nesta edição do EV, a notícia sobre a edição de duas súmulas pelo CF-OAB.

Pois tal enunciado tem um primeiro endereço certo: o estagiário – e futuro interessado em ingressar nos quadros da Ordem - Vinicius Batista Serra. Ele é o covarde que espancou a paisagista Elaine Caparroz e saiu por aí dizendo que era advogado.

A “rádio-corredor” da OAB-RS já batizou o verbete: “Trata-se da súmula Advogado Nem a Pau”...

 Distância dos insetos

O notório senador Flávio Bolsonaro (PSC-RJ) – codinome “O Enrolado” segundo a “rádio-corredor” do Senado - ingressou ontem (18) com uma ação cível contra o Município do Rio de Janeiro. Quer desconstituir o lançamento de uma multa de R$ 90 mil.

É que ele foi autuado em R$ 90 mil pela fiscalização municipal por “irregularidades contra as posturas municipais”, especialmente fechar com vidro, sem projeto e sem autorização, a varanda frontal de seu apartamento na orla marítima na Avenida Lúcio Costa.

A ação está no Foro Regional da Barra da Tijuca, mas ainda não foi distribuída. Um arauto da “rádio corredor” forense deu uma “bizoiada” na petição inicial e difundiu um trechinho da tese de Flávio Bolsonaro: “A instalação da supostamente irregular vidraça objetiva a que o autor e seus familiares não fiquem sujeitos a chuvas, maresia e ventanias frequentes, além da indesejável presença de insetos e aves”.

 O conforto dos bancos

Duas das ações mais importantes da Operação Zelotes estão sentadas em escaninhos burocráticos do gabinete do juiz Vallisney de OIiveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. Os modorrentos casos judiciais envolvem os bancos Safra e Bradesco - e estão “conclusos para a sentença”, desde agosto e setembro do ano passado, respectivamente.

Madame Tartaruga Jurisdicional, acomodada num outro banco (do corredor) está muito contente com a demora.

 Alguém ajuda o “Doutor Campari”?

Preso desde 2016 no Paraná, o ex-senador Gim Argello (PTB), condenado a 19 anos de prisão, está temporalmente habilitado para passar ao regime semiaberto. Porém, terá antes que desembolsar R$ 1,5 milhão – um dos itens da condenação.

Mas - originalmente corretor de imóveis em São Paulo e bacharel em Direito que se transformou em avaro político brasiliense – Gim diz não ter dinheiro para tal. Se, pelo menos, o colega Geddel estivesse solto...

Entrementes, a “rádio-corredor” da OAB de Brasília – com base em informações de sua “congênere” de Curitiba - difundiu ontem uma informação instigante.

A de que “Gim, exitosamente radicado em Brasília, onde também é reconhecido pelo codinome de Campari, é titular de um patrimônio de um bilhão de reais”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Cartunista Walmir Orlandeli

   Condenação da Gol (R$ 1,2 milhões) por afronta a passageiros

 

Condenação da Gol (R$ 1,2 milhões) por afronta a passageiros

 Ação civil pública ajuizada pela Andep favorece 27 passageiros prejudicados pela empresa aérea em Curitiba, Buenos Aires, Montevidéu e Fernando de Noronha. Há trânsito em julgado e a empresa já pagou. Tramitação processual de dez anos e 41 recursos chegou a ter o oferecimento de uma carta de fiança falsa.

 O que Eduardo Cunha pode ter aprendido ao ler o livro “O Príncipe”, de Maquiavel.

 Um bode jurídico e a perda de sêmens de caprinos, na pauta da 6ª Câmara Cível do TJRS.

Arte EV sobre foto de Paul Nelhams

O avião enganoso e o julgamento enganado

 

O avião enganoso e o julgamento enganado

  Arquiteta porto-alegrense, ludibriada pela TAP Air Portugal, ganha indenização moral de R$ 1.500! Juiz leigo e juíza togada levaram em consideração “a condição da vítima e da empresa ofensora”...

 Corregedoria-Geral da Justiça do RS publica provimento que modifica as regras de registro de nascituros com “anomalia de diferenciação sexual”.

  Treze contratos publicitários sofrerão o “efeito ressaca” da atuação de Neymar no hotel parisiense.

 Duas chapas concorrem às eleições de dezembro no TJRS

Procedência de ação rescisória porque recurso foi decidido por desembargador impedido

 O advogado da multinacional reclamada era filho do magistrado-relator. Ele negou provimento a recurso ordinário em ação trabalhista que desacolheu pedidos de trabalhador

• Desembargador Thompson Flores passará a integrar a 8ª Turma do TRF-4 que julga recursos da Lava-Jato.

• Tartaruga suprema: julgamento pelo STF de ação direta de inconstitucionalidade que tramita há 24 anos.

 A moeda da Venezuela vai terminar como “pobre bolívar”?

• Passou a fase da prosperidade dos escritórios de advocacia que defendem os enrolados com a corrupção.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem do TCU

   A tecnologia no controle das licitações

 

A tecnologia no controle das licitações

 Alice, Sofia e Monica: as três robôs que auxiliam o trabalho do Tribunal de Contas da União. Saiba por que elas têm esses nomes.

 A recuperação judicial da Atvos: débitos de R$ 11 bilhões e 900 milhões.

 BNDES, Banco do Brasil e Caixa Federal: as “mães” da Odebrecht.

 Mais dois deputados federais - que não se reelegeram em outubro - garantiram aposentadoria na Câmara. Um deles é gaúcho.

 A Braskem começa a devolver R$ 2,87 bilhões para a União.

Advogado condenado criminalmente pelo TJRS escapa no julgamento ético da OAB gaúcha

 

Advogado condenado criminalmente pelo TJRS escapa no julgamento ético da OAB gaúcha

  Denunciado por corrupção ativa e lavagem de dinheiro, o profissional da advocacia teve também desencadeado contra si, em 2012, processo ético-disciplinar. Mas – surpresa!... – prescreveu.

  Cultura geral: um alerta para que o príncipe Hamlet perceba a situação de perigo em que se encontra, principalmente por ações causadas por pessoas próximas a ele.

  Esposa de conselheiro cassado do Tribunal de Contas receberá aposentadoria de R$ 35 mil pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

  Casas Bahia e Ponto Frio pagam R$ 4,5 milhões para colocar fim a duas ações trabalhistas.

  Leilões de patrimônio da bandidagem: 33 embarcações, 12 aeronaves, 300 joias, 6.708 veículos, 9.679 eletrônicos.

  A paciência do Bradesco que está ajudando a Odebrecht.

Caricatura de Carlinhos Müller - https://www.carlinhosmuller.com/

“Eduardo Cunha, cupim da República”

 

“Eduardo Cunha, cupim da República”

  TJ do Rio de Janeiro considera que as “críticas foram ácidas e contundentes”, mas julga improcedente ação, por dano moral, do notório ex-deputado contra O Globo.

  Ficção: eficiência das tartarugas gaúchas em visita estratégica sobre processo que já dura seis anos e meio de idas, vindas e voltas...

  Juiz dos EUA é suspenso por seis meses - sem remuneração - por criticar Trump.

  STJ decide hoje se condôminos inadimplentes podem usar piscinas, churrasqueiras etc.