Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.

Estagiário suspende audiência porque precisava estudar para provas da faculdade



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O estagiário Francisco Bruno Nobre de Mello, que atua na 6ª Vara Criminal da Justiça Estadual de Fortaleza (CE), suspendeu a realização de uma audiência no órgão jurisdicional, fundamentando que precisava estudar por estar em semana de provas em uma faculdade da capital cearense.

Na certidão oficial assinada pelo próprio Francisco Bruno, no último dia 15 de março, consta que a medida é assegurada pelo próprio Tribunal de Justiça do Ceará, garantindo a dispensa de servidores em períodos de avaliação na universidade.

A certidão afirma que no dia audiência não haveria substituto para realizar o trabalho feito por ele. E nada certifica sobre a presença ou ausência do juiz na solenidade. O documento encontra-se anexado aos autos de uma ação penal contra fraudes que tramita na Justiça cearense - desde o ano de 2009.

Estupefação e contentamento

Madame Tartaruga Jurisdicional Gaúcha promete deslocar-se à capital cearense para acompanhar e prestigiar tamanho ineditismo.

Ela ainda não sabe se haverá alguma comemoração, quando a ação penal, nas próximas semanas, completar seu décimo aniversário de tramitação.

Todo o poder aos estagiários

A revelação – com detalhes - do crescimento jurisdicional da estagiariocracia foi feita pelo Espaço Vital em 2011. Na ocasião, entre outros fatos, publicou-se aqui um artigo assinado pelo procurador de justiça Lenio Streck (atualmente aposentado).

Na ocasião, Lenio anteviu que “os estagiários ainda não assumiram o poder porque ainda não estão bem organizados”.

Por isso, o articulista sugeriu que eles “aderissem à CUT”, para que, sem demora, aparecessem muros pichados com a frase “TODO O PODER AOS ESTAGIÁRIOS”.

No arremate daquele texto veio afirmado que...

(...) “Os estagiários dão sentenças, fazem acórdãos,
redigem pareceres, elaboram contratos de licitação,
revisam processos... Vão ao banco. Sacam dinheiro.
Possuem as senhas. Eles assinam eletronicamente
documentos públicos. Eles decidem. Têm poder.
Eles estão difusos na República. Por vezes, invisíveis.
Jamais saberemos quantos são. E onde estão”.

Contraponto

Na manhã desta quarta-feira, o Espaço Vital tentou contato com o presidente do TJ-CE, desembargador Washington Luis Bezerra de Araújo. Não houve retorno, a tempo de inserir a versão da corte, até o fechamento desta edição extra.

Quando o tribunal se manifestar, será feito o registro.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Carlos Alberto Stimamilio - Aposentado 20.03.19 | 20:51:44

O fato é desabonador para o Poder Judiciário como um todo. Onde está o Conselho Nacional de Justiça, tão célere e cioso nas providências de vantagens pecuniárias dos magistrados e comprovadamente omisso nessas escancaradas e vergonhosas atuações de estagiários, que substituem os juízes, por interesse dos mesmos, mas em prejuízos irreparáveis para as partes, que buscam e esperam uma verdadeira Justiça. Toma vergonha Poder Judiciário Brasileiro!

Céres Brandão Empinotti - Advogada 20.03.19 | 13:46:27
É por isso, entre outros motivos, que a Justiça Brasileira encontra-se desmoralizada!
Jurema Josefa Da Silva - Jornalista 20.03.19 | 10:10:35
Tem certeza que essa notícia do estagiário não seria a piada forense de hoje?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do YouTube (E) e Allysson Mainieri (D)

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

 

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

No julgamento de um agravo de instrumento contra decisão da magistrada Fabiana Kaspary – por descumprimento de uma decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS - o desembargador Jorge do Canto aplicou a ela multa de 20% sobre o valor da causa. A Ajuris e a juíza interpuseram mandado de segurança, requerendo segredo de justiça. Este foi concedido e depois revogado pelo 3º Grupo Cível do tribunal gaúcho. Caso foi decidido anteontem (12) em julgamento de recurso ordinário. A multa não subsiste. Para o TJRS e o STJ “juiz não pode ser punido com multa do CPC por ato atentatório ao exercício da jurisdição”.

O julgamento da Lava-Jato e/ou Vaza-Jato

Conversas de Moro com procuradores e ação de hackers serão investigadas. A PF vai apurar ataque, enquanto a Corregedoria do MPF abre procedimento sobre a atuação de Deltan Dallagnol. O presidente da OAB gaúcha, Ricardo Breier, em nota, lembrou que a entidade “tem buscado – reiteradamente – a paridade das armas no processo penal”.

VOX MS

   As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 

As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 Um concurso para ingresso na magistratura em que Diego foi aprovado, mas Juliano não teve igual sorte.

 No mesmo dia da posse do juiz, porém, o amigo é designado para assessor. Então, os dois passam a morar juntos.

 O advogado Eugênio Costa e suas influências na comarca. Encontros para jogar vídeo games. E uma ida às compras no free shop do Chuí.

 O oferecimento dos serviços de futura consultoria advocatícia.

 “É nesse círculo de relacionamentos em que relações da vida privada (amizade, camaradagem, afinidades pessoais) se misturam com a vida profissional, que o Dr. Diego Magoga Conde passou a comprometer a sua independência de magistrado” – afirma o desembargador Rogério Gesta Leal.