Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

A covardia é irmã gêmea da arrogância



Arte Dicio.com.br

Imagem da Matéria

Em uma semana na qual o adversário amargou resultados insuficientes para a sua pretensão maior, veio o Gre-Nal. Como dito e repetido ao longo dos anos, é um confronto cujo resultado arruma ou desarruma a casa. Os Gre-Nais são registrados na história do futebol, em especial no RS onde a polarização é absoluta. Sempre o resultado será consignado no inventário da existência de um e de outro.

Voltando às circunstâncias que arrumam, ou não, a casa, imagina-se que aquele que está em um melhor momento, ou necessitando afirmá-lo, aproveite a oportunidade oferecida estabelecendo, com a vitória, ampliar ou iniciar uma crise no rival.

Desconhecendo o que de todos é sabido, veio a público nada mais nada menos do que o presidente do Internacional, motivado pela bravata ou pela arrogância, anunciar que colocaria em campo os atletas reservas.

O adversário optou pelo mesmo caminho, resultando mitigada a importância do clássico.

Com virose ou sem virose, para mim esse foi o Gre-Nal da covardia e da renúncia. Abdicaram os clubes de se imporem no ambiente regional e, para a história, restou consignada a derrota do Sport Club Internacional.

Sempre defendi que, para alcançar a grandeza, é preciso pensar grande e não ter medo. Aliás, quem de nós esqueceu de alguma partida em que, mesmo diante das imensas dificuldades impostas e de um resultado negativo, reconhecido o esforço dos jogadores, testemunharam a torcida aplaudindo a equipe. Em resumo, é porque no futebol, esporte de embate, não há espaço para a covardia.

Aproveito para registrar a minha satisfação com o jovem Nonato. Revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. O fato da expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo e com a sua irresignação.

A vitória do Internacional importaria em um ambiente de maior confiança na participação na Libertadores e a definitiva virada da gangorra local. Lamento a iniciativa do presidente do clube. Se é fruto do seu pensamento, preocupa-me ainda mais.

Esse episódio me recorda o que ocorreu às vésperas de um outro Gre-Nal quando o Falcão era o nosso treinador. Chegando no vestiário, antes do jogo, Falcão me disse: “O presidente acabou de sair daqui”.

Obviamente perguntei o que queria o Luigi, ao que Falcão respondeu: “Que o time jogue na retranca para não perder por muito”...

Veio o jogo, ganhamos a partida e com ela o campeonato do ano.

No futebol não pode haver covardia, mas se incidir, não pode vir a público pela boca do presidente.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Chargista DUM

Mon amour, meu bem, ma femme...

 

Mon amour, meu bem, ma femme...

“Ao que tudo indica, pelo desastre do segundo encontro, a relação entre a naja e a flauta não foi das melhores. Há um vídeo que revela que Neymar levou uma surra da estuprada na cama, não em sentido figurado, mas surra de tapas e socos”.

Internacional anti oportunismo

“Há uma extrema preocupação com a eventual instrumentalização do Internacional para atender objetivos partidários. Os colorados podem ser liberais, comunistas, socialistas, de direita ou de esquerda, enfim o que quiserem desde que sejam colorados antes de tudo”

Google Imagens

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

 

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

“Na última quarta-feira foram realizados protestos em Porto Alegre por universitários da UFRGS. Como em todas as manifestações, havia bandeiras de partidos políticos identificados como à esquerda no espectro político e de outros movimentos sociais. Surpreendeu-me negativamente verificar um grupo de manifestantes, utilizando sinalizadores vermelhos e ostentando uma faixa que indevidamente dizia: ´Inter antifascista´. Nossa agremiação é vermelha, popular e internacional, mas não confundam as coisas: somos apenas um clube de futebol”. 

Futebol Report

O racismo e o futebol

 

O racismo e o futebol

“Nesta quarta-feira (8), no jogo entre Peñarol e Flamengo, parte da torcida uruguaia, chamava os jogadores brasileiros de ´macacos´.  Alguns, imitavam com gestos o animal em questão, aliás revelando um talento atávico. Isso me fez lembrar um episódio ocorrido no Estádio Olímpico, em 2011, defronte às sociais do dono da casa, quando o Zé Roberto (foto) aguardava para entrar em campo”