Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

A covardia é irmã gêmea da arrogância



Arte Dicio.com.br

Imagem da Matéria

Em uma semana na qual o adversário amargou resultados insuficientes para a sua pretensão maior, veio o Gre-Nal. Como dito e repetido ao longo dos anos, é um confronto cujo resultado arruma ou desarruma a casa. Os Gre-Nais são registrados na história do futebol, em especial no RS onde a polarização é absoluta. Sempre o resultado será consignado no inventário da existência de um e de outro.

Voltando às circunstâncias que arrumam, ou não, a casa, imagina-se que aquele que está em um melhor momento, ou necessitando afirmá-lo, aproveite a oportunidade oferecida estabelecendo, com a vitória, ampliar ou iniciar uma crise no rival.

Desconhecendo o que de todos é sabido, veio a público nada mais nada menos do que o presidente do Internacional, motivado pela bravata ou pela arrogância, anunciar que colocaria em campo os atletas reservas.

O adversário optou pelo mesmo caminho, resultando mitigada a importância do clássico.

Com virose ou sem virose, para mim esse foi o Gre-Nal da covardia e da renúncia. Abdicaram os clubes de se imporem no ambiente regional e, para a história, restou consignada a derrota do Sport Club Internacional.

Sempre defendi que, para alcançar a grandeza, é preciso pensar grande e não ter medo. Aliás, quem de nós esqueceu de alguma partida em que, mesmo diante das imensas dificuldades impostas e de um resultado negativo, reconhecido o esforço dos jogadores, testemunharam a torcida aplaudindo a equipe. Em resumo, é porque no futebol, esporte de embate, não há espaço para a covardia.

Aproveito para registrar a minha satisfação com o jovem Nonato. Revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. O fato da expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo e com a sua irresignação.

A vitória do Internacional importaria em um ambiente de maior confiança na participação na Libertadores e a definitiva virada da gangorra local. Lamento a iniciativa do presidente do clube. Se é fruto do seu pensamento, preocupa-me ainda mais.

Esse episódio me recorda o que ocorreu às vésperas de um outro Gre-Nal quando o Falcão era o nosso treinador. Chegando no vestiário, antes do jogo, Falcão me disse: “O presidente acabou de sair daqui”.

Obviamente perguntei o que queria o Luigi, ao que Falcão respondeu: “Que o time jogue na retranca para não perder por muito”...

Veio o jogo, ganhamos a partida e com ela o campeonato do ano.

No futebol não pode haver covardia, mas se incidir, não pode vir a público pela boca do presidente.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Os 110 anos de Inter!

* Um pout-pourri de tópicos * O que temos a aprender com os gringos *  Pensando com a cabeça de quem joga xadrez e não damas, o empate ocorreu no âmbito das nossas possibilidades de pontuação *  Paciência com Guerrero, a partir de amanhã.

“E s t a u t a ?!”...

Depois de identificar o homenageado azul a partir do nome, passei a prestar mais atenção na obra, cheia de detalhes cômicos. Antecipo que não estabeleço uma disputa entre estátuas, pois considero aquela dedicada ao Capitão Fernandão, também horrorosa”

A noite NÃO e a noite SIM

O futebol é mágico, porque uma das suas características é a da impossibilidade de qualquer previsão ou prognóstico seguro.

Pato Abbondanzieri no Internacional e a Libertadores

“Foi uma das figuras mais extraordinárias que conheci no Inter: inteligente, dedicado e talentoso. Também relembro Don Jorge Fossati, também acima de tudo um cidadão e que ousou disputar o fechadíssimo mercado de trabalho dos treinadores de futebol brasileiros”.

A necessária pacificação no Inter e a proximidade da Libertadores

“O elogiado exemplo gremista: o presidente Romildo Bolzan marca a sua gestão pela inclusão. No Inter, há aversão à pacificação. Mas vejo um nome: José Aquino Flores de Camargo, experiente na direção anterior de outras entidades, todas plurais”.

Que Roberto Melo mude, ou desça da barca!

A surrada tática de “encher linguiça”, praticada pelo vice-presidente de futebol do Inter. A demonstração de uma capacidade minúscula de compreender a dimensão do seu cargo.