Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

No 91º dia do ano, a notícia de que a atuação dos estagiários vai acabar



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Primeiro de abril é o 91º dia do ano no calendário gregoriano (92º em anos bissextos). Faltam 274 para acabar o ano de 2019. É conhecido como o Dia da Mentira, dia dos tolos, dia da gafe. É uma celebração anual em alguns países europeus e ocidentais, espalhando boatos como formas de assinalar a data.

A história (verdadeira) diz que o dia dos bobos surgiu na França. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado no dia 25 de março, data que marcava a chegada da primavera. As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1º de abril.

Em 1564, depois da adoção do calendário gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1º de janeiro. Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano se iniciaria a 1º de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como ´plaisanteries´.

Em países de língua inglesa o Dia da Mentira costuma ser conhecido como April Fools' Day. Na Itália e na França é chamado respectivamente Pesce d'aprile e Poisson d'avril, literalmente "peixe de abril".

No Brasil, o primeiro de abril começou a ser difundido em Minas Gerais, onde circulou o jornal “A Mentira”, um periódico de vida efêmera, lançado no dia 1º de abril de 1828, com a notícia do falecimento de Dom Pedro, desmentida no dia seguinte. “A Mentira” circulou pela última vez a 14 de setembro de 1849, convocando todos os credores para um acerto de contas no dia 1º de abril do ano seguinte, dando como referência um local inexistente.

Entre a população teutófona do sul do Brasil, onde a vasta maioria fala o dialeto alemão-rio-grandense, o primeiro de abril se chama “Der Aprilscherz” (a pegadinha de abril), sendo a vítima chamada de ´Der Narr´ no masculino e ´Die Narrin´ no feminino, aplicando-se frequentemente também os termos Der Dappes e Der Dummkopp (o bobão).

No Brasil, essa popular tradição germânica foi introduzida pelas primeiras levas de imigrantes alemães que se assentaram permanentemente no Rio Grande do Sul a partir de 1824. Segundo a tradição, além de contar mentiras, existe o costume de se enviar uma pessoa desavisada a cumprir tarefas sem fundamento ou levar informações sem nexo para outrem.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

 

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

Ex-presidente da Câmara de Vereadores em Esteio (RS), Fabio Battistello procurava dirigentes sindicais, valendo-se da envergadura de seu cargo e de informações privilegiadas, para oferecer serviços de “consultoria” e receber propina. Preso em flagrante, foi exonerado e já está condenado (primeiro grau) em ação penal. A suspensão dos direitos políticos é por oito anos.

Se a boa-fé for violada, cessa a proteção do bem de família

A ninguém é dado beneficiar-se de sua própria torpeza. O STJ nega provimento ao recurso de um empresário que ofereceu seu imóvel como garantia na negociação de R$ 650 mil em dívidas e, depois, alegou que ele não poderia ser penhorado por constituir bem de família.

Ação gaúcha por improbidade administrativa vai completar 18 anos no TJRS

Processo oriundo da comarca de Osório (RS), onde começou em 28 de dezembro de 2001, teve sentença que condenou o ex-prefeito Romildo Bolzan Júnior (1993/1996) – atual presidente do Grêmio - e um secretário municipal a indenizarem R$ 700 mil de prejuízos ao erário municipal. Cálculo extraoficial sugere o valor atualizado de R$ 3,8 milhões, sem computar os juros legais.