Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://espacovital.com.br/images/smj.jpg

Uma ação para discutir o tamanho do “caipirão” no happy hour



Metrópoles – Foto meramente ilustrativa

Imagem da Matéria

Caipirão jurídico

O cliente de um bar de Curitiba (PR) requereu, ao Juizado Especial dali, indenização por dano moral, sob a alegação de que “o caipirão de vodca pelo qual pagou R$ 29,90 era menor que o ofertado no cardápio”. A história foi contada ontem (1º) pelo jornalista Frederico Vasconcelos, da Folha de S. Paulo. E não era primeiro de abril.

A petição inicial sustentou que a indenização buscada servirá “de lenitivo, de consolo, uma espécie de compensação para atenuação do sofrimento havido”. O acontecimento se deu num happy hour curitibano.

O magistrado observou que, anexada à inicial, numa foto o requerente aparece sorridente, com um copo/vidro de caipirinha na mão, onde a bebida está no fim. Em outra, vê-se a foto do mesmo senhor, sorridente, com um grande copo de caipirinha na mão. Dessa vez, o copo/vidro está cheio. “O simples desgosto pessoal não significa que a dignidade da pessoa tenha sido abalada a ponto de ensejar reparação por danos morais”, decidiu o juiz.

A sentença deplorou que uma das mazelas da acessibilidade à justiça é a abusividade do direito de litigar, o que gera uma verdadeira avalanche de pedidos de indenizações por danos morais totalmente descabidos: “A expectativa de um ganho fácil não pode gerar outra consequência senão a banalização do dano moral”.

O juiz condenou o autor ao pagamento de 10% do valor da causa em favor do bar, além do pagamento de honorários em 20% do valor da causa.

• Supremos répteis

Na quarta passada (27) o Supremo considerou inconstitucional a medida provisória assinada por Michel Temer que criou um ministério para abrigar o dileto Moreira Franco. O tribunal levou quase dois anos para julgar a ação.

Enquanto o processo adormecia em alguma gaveta chaveada por Madame Tartaruga Jurisdicional, os dois amigos desfrutaram de mais 18 meses de poder.

O episódio ilustra uma das supremas distorções no “funcionamento” da corte. Ao não decidir em tempo razoável, paradoxalmente os ministros também... decidem.

Nesse caso, a prática da inércia favoreceu os dois emedebistas.

• Supremos quelônios

Na quinta passada (28), o mesmo STF arquivou um recurso de Lula para reconhecer a validade de sua nomeação, por Dilma Rousseff, como ministro da Casa Civil. Passados três anos da insólita nomeação, os ministros consideraram que o pedido estava “prejudicado”.

O professor Joaquim Falcão – estudioso sobre os supremos labirintos da Corte – flagrou que a importância para julgar uma causa pode ser mais importante do que o resultado do julgamento.

E cunhou uma perfeita frase irônica: “No STF tempo é poder, porque o ´timing´ político decide o que é justo e o que não é”...

• Claramente abusiva

Reajam cidadãos importunados por repetitivas ligações de telefônicas, bancos etc.! E leiam, adiante!

“A empresa que firma acordo com consumidor no Procon para cessar determinada prática, mas desrespeita o compromisso e continua agindo da mesma forma, despreza a ordem jurídica e procede de forma abusiva”. Nessa linha decisória, a 22ª Câmara de Direito Privado do TJ de São Paulo condenou a Claro S. A. a pagar reparação moral de R$ 40 mil ao cidadão Nilton Andreoli, residente em Franca (SP), por efetuar-lhe mais de 10 ligações diárias de propaganda e/ou promoções durante cerca de dois meses.

A Claro também pagará R$ 500 adicionais por cada ligação adicional que doravante fizer ao consumidor.

Tudo gravado, o cidadão chegou, certo dia, a receber 23 ligações, em que as operadoras de telemarketing ofereciam “promoções e vantagens” para que ele voltasse a usar os serviços da companhia. A Claro não negou as ligações, mas sustentou que “elas são uma prática comercial comum, que pode gerar mero aborrecimento, mas não obrigação de indenizar”.

O acórdão concluiu que “a postura da Claro é intolerável e avilta a dignidade do consumidor”. (Proc. nº 2019.0000222025).

•  Distorções brasileiras

Contrastes verde-amarelos. Veja estes dois concursos que estão abertos no Distrito Federal.

Um é para defensor público do DF, com salário de R$ 24,6 mil. O outro é para professor de cirurgia na Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB), uma das maiores do país: paga entre R$ 2,2 mil e R$ 2,4 mil.

Nada contra os defensores públicos - muito pelo contrário. Mas há algo errado quando um professor universitário ganha dez vezes menos do que um defensor, não?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O presidente do STF estará rezando, ou...?

   Olhe a imagem, pense e envie seu palpite!

   Depois da Resolução nº 151 da PGE-RS, uma paródia usando o slogan de conhecida caninha: “Uma boa ideia...para alguns”...

  Como o R$ 1 trilhão que Paulo Guedes quer arrecadar pode ricochetear no mercado imobiliário.

   Cariocas preparados para o fim do mundo.

  STF prossegue no dia 10 de maio o julgamento sobre a correção dos precatórios.

  Ida ao banheiro: diálogo entre ministros causa risadas no STF

Tribunal banca a ida de casal de magistrados a curso em San Diego (Califórnia)

 O curso é intitulado “Procedimentos no Direito Comparado entre Brasil e EUA”, que durará três dias. Mas marido e mulher (Maurício Kertzman Szporer e Patrícia Kertzmann (foto) receberam, cada um, sete diárias.

 Estelionato sentimental que começou no Tinder: homem conseguiu iludir mulher, mas é condenado em R$ 41 mil.

 Liberdade, liberdade: Gilmar Mendes solta mais um.

Abundância no jantar de aniversário do STJ para 800 convidados

· Soube-se que a conta da festa foi paga pela AMB – Associação dos Magistrados Brasileiros. Juízes ouvidos pelo jornalista Frederico Vasconcelos criticaram: “Culto ao símbolo, convescote absurdo, esse principado tem que acabar”.

· Uma compra superior para 32 ministros: tablets ao preço unitário de R$ 11.250.

· Julgamento no STJ causa “t(R)emor” político a governadores e ex-governadores.

Um novo vital espaço no Espaço Vital

· On/Off para tratar de tecnologia, jurimetria, robôs, estatística aplicada ao direito.

· Recado para um certo treinador de futebol: “Estátua de vivo não dá certo”...

· STJ cancela duas súmulas.

· O que há por trás do adiamento do julgamento das ações que podem soltar (ou não...) Lula.

Lei do distrato imobiliário, aprovada em dezembro, não se aplica a contratos em andamento

 A nova norma só se aplica a contratos assinados a partir de 29 de dezembro. A decisão é do STJ.

 Corregedoria-Geral da Justiça diz que o Foro Regional da Restinga está “atendendo com presteza”.

 Governo não pode reeditar medida provisória no mesmo ano de igual norma.

 Comprou algo na Amazon? Fique de olho na fatura de seu cartão de crédito.

 Nova lei dispensa empresas de publicar editais para convocar assembleia de acionistas.

 Como será o discurso de 31 de março nos quartéis.