Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira , 27 de fevereiro de 2020.
https://espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

Um start, para entender como em determinada comarca, o processo do tipo ´x´, com pedido ´y´ será julgado...



Chargista Periotti

Imagem da Matéria

É bom ir se acostumando com estrangeirismos, pois eles vieram pra ficar, seja no mercado corporativo, seja no direito. E para dar um start, um início a esta coluna quinzenal no Espaço Vital, nada melhor do que falar um pouco sobre o que ela irá abordar.

A coluna On/Off é um local para debatermos o que está ON na advocacia, como inteligência artificial, robôs, jurimetria, softwares jurídicos, workflow entre outros; e também o que está OFF, como práticas inadequadas de gestão, uso incorreto/incompleto da tecnologia, etc.

E por falar em ON, a bola da vez é a inteligência artificial. Mas, o que vem a ser afinal inteligência artificial, bem como conceitos novos de robôs e jurimetria?

Vamos analisar cada um de uma forma simples, direta e objetiva para demonstrar sua importância e ênfase:

Robôs nada mais são do que softwares que conversam com outros softwares (sinto muito você que imaginou o exterminador do futuro, mas ele continua sendo só um filme - exceto a Skynet que vamos abordar numa futura coluna e já foi até iniciada). E basicamente no direito os robôs se dividem em dois tipos:

a) Os que conversam com os sistemas do Judiciário (seja por captura de informações, seja por acesso ao processo eletrônico);

b) Os que conversam entre si (softwares particulares entre si).

Jurimetria é a estatística aplicada ao direito. Temos hoje em dois níveis basicamente: analítica e preditiva.

a) A analítica utiliza bancos de dados de processos judiciais por exemplo, para entender como em determinada comarca, o processo do tipo ´x´, com pedido ´y´ é julgado.

b) Já a preditiva pega no teu software o pedido do processo, por exemplo, e pode fazer uma predição sobre como será julgada aquela demanda, com base em outros julgados similares.

E a inteligência artificial, que ainda está engatinhando no direito, é um software que aprende sozinho a partir de premissas dadas anteriormente a ele.

Aliás, um dos grandes perigos e problemas da implantação e manutenção da inteligência artificial é justamente este aprendizado, pois se aprender errado toda construção posterior da dita inteligência estará errada.

Assim, sendo ON a inteligência artificial, é totalmente OFF aplicar a mesma sem antes pensar na gestão, nos fluxos, nos caminhos e meandros pelas quais ela irá aprender e ser útil ao negócio.

Aliás, métrica de ON/OFF totalmente válida em qualquer questão de tecnologia: se não for útil com aplicabilidade prática e simples, não vale a pena.

Acompanhe-nos nas sextas-feiras, quinzenalmente, aqui no EV. Novo encontro no dia 19.

>>>>>>>>>
gustavo@gustavorocha.com
#On/Off uma coluna para quem se liga no direito, tecnologia e gestão.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Charge de Renato Peters

Para ser ON, seja OFF

 

Para ser ON, seja OFF

“Faça a experiência: chegue em casa, coloque o celular no escritório, num armário, numa gaveta e só pegue ele antes de dormir para ativar o despertador e não interaja com ele, exceto para despertar no dia seguinte”…

Por que precisamos de um software jurídico?

Há inúmeros softwares no mercado e todos se dizem ´os melhores e mais competentes´ para ajudar a advocacia a gerenciar processos, fluxos, agenda, pessoas, financeiro entre outras atividades. Entretanto, na prática, a questão é bem diferente”.