Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 22 de maio de 2020.

Que ´m´!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O falível verificador ortográfico no Word pode pregar peças a operadores do Direito – basta um instante de desatenção.

Advogado que manejou autos processuais de uma ação de busca e apreensão, no Foro Central de Porto Alegre, sorriu – e fotografou - ao constatar como uma letra a mais - digitada indevidamente - altera o sentido de uma palavra e de uma frase.

Ao desacolher tardios embargos declaratórios da parte ré (devedora) - que buscava a restituição de um veículo financiado, parcialmente impago, e apreendido - o juiz expôs jurídicos fundamentos, mas teve um escorregão vernacular – ou, pelo menos de digitação: “Note-se que a requerente faz pedido como se fosse uma merda revogação da liminar - todavia, o presente feito já foi sentenciado, inclusive com trânsito em julgado” – digitou o magistrado.

(Ou a desatenção teria sido do cansado assessor? Quiçá do inexperiente estagiário?).

A “rádio-corredor” forense, sempre em cima da rotina jurisdicional, comentou o fato, informou o número do processo e concluiu com dois doutos ensinamentos.

Primeiro: “Mera é ´puro, simples e sem mistura´- segundo os dicionários”.

Segundo: “Mera com uma intrometida consoante ´d´ é inconveniente para uma discussão processual elevada”.

Sem mais recursos, os autos foram arquivados.

A letra ´, que adornou mal cheirosamente a palavra mera, também seguiu para o arquivo judicial da Avenida Farrapos.

Com o trânsito em julgado, ficou sendo o “d” da questão.

_________________________________________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.

Charge de Gerson Kauer

Quem quer ser atriz na televisão?

 

Quem quer ser atriz na televisão?

O anúncio nos classificados do jornal foi insinuante: “Empresa com 15 anos de credibilidade busca atrizes sem experiência, para trabalhos em programas de tevê. Garantimos (100%) pelo menos uma participação”. Ao chegarem no Rio de Janeiro, as candidatas tinham que marcar e assinar num formulário:

( ) Sim, aceito fazer nu;

( ) Não aceito fazer nu.

Charge de Gerson Kauer

O processo sigiloso do ano

 

O processo sigiloso do ano

Era terça-feira 14, quando o Espaço e o Vital receberam um telefonema: “Chegou no tribunal a causa do ano, coisa de mais de R$ 1 milhão, reclamatória de uma cuidadora de idosos, contra uma jurista notória, seu irmão fazendeiro e a veneranda senhora mãe de ambos”.