Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 21 de maio de 2019.

Penduricalhos-gerais do Estado !



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A criação de um fundo em que serão depositados todos os valores de processos judiciais em que o Poder Público Estadual sair vitorioso é a essência da Resolução nº 151, recém criada pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) - em meio à crise financeira que atinge o Rio Grande do Sul.

Os valores que ingressarem nessa conta específica - e separada do caixa único do Estado – serão, em parte, rateados como forma de ganhos extras aos procuradores - que atuam como advogados do Estado, recebendo salários regulares, todos os meses - e aos servidores de carreira da PGE. Os quadros dessas duas carreiras representam categorias das mais bem pagas do serviço público gaúcho.

As regras foram publicadas no Diário Oficial de 5 de abril e estão em vigor retroativamente desde 1º de abril último. A criação dos penduricalhos não decorre de lei; a matéria não passou pela Assembleia Legislativa e não tem, sequer, a chancela formal do governador.

A estimativa é que o fundo receberá, inicialmente, cerca de R$ 1,5 milhão ao mês, oriundo da chamada “sucumbência” de honorários obtidos em ações judiciais do Estado, autarquias, fundações, sociedades de economia mista e empresas públicas. Objetivamente, de toda a máquina pública gaúcha.

A PGE-RS sustenta que “não há criação de gasto público, pois desde a entrada em vigor do novo Código de Processo Civil, os honorários sucumbenciais não são verba pública e, com o Decreto nº 54.454/18, esses valores já ficam em conta separada”.

A Resolução nº 151 foi assinada pelo procurador-geral do Estado Eduardo Cunha da Costa, e por Diana Paula Sana, procuradora-geral adjunta para assuntos institucionais.

Durante o governo de José Ivo Sartori já houve tentativa de viabilizar semelhante fundo da PGE via projeto de lei na Assembleia, mas a intenção não avançou. Há 15 dias, no governo Eduardo Leite, a medida entrou em vigor via resolução. Não foi necessária lei...

Contraponto da PGE

O jornal Zero Hora – que primeiro revelou o surgimento da Resolução nº 151 – questionou a PGE, enviando-lhe seis perguntas, que foram respondidas.

  A PGE fez algum levantamento do quanto deve ingressar no fundo?

“O ingresso de valores no Fundo depende do êxito nas ações e é variável conforme os resultados da arrecadação e redução do gasto público decorrente da atuação dos Procuradores. Como média, nos últimos três anos, tem-se um ingresso de R$ 1,5 milhão ao mês”.

  Como será pago o prêmio de produtividade dos servidores?

“O prêmio de produtividade dos servidores será pago, exclusivamente, com a destinação de até 15% do valor total efetivamente arrecadado a título de honorários de sucumbência a cada mês, ou seja, 75% dos 0,2 de que trata o artigo 9, II (75% de 20% = 15%). O prêmio também depende do atingimento de metas institucionais, como já ocorre em diversas carreiras do Estado, como a dos Técnicos e Agentes-Fiscais da Fazenda”.

  Qual a base legal para a PGE criar esse pagamento via resolução, sem passar pela Assembleia?

“A regulamentação decorre da Lei Estadual nº 10.298/94 (Governo Colares), com a redação dada pela Lei nº 12.222/04 (governo Rigotto), a qual destina os honorários de sucumbência para finalidades de fomento ao incremento da arrecadação da dívida ativa judicial e a redução dos gastos públicos por meio da instituição de prêmio de produtividade disciplinado em regulamento. Essa lei restou regulamentada pelo Decreto nº 54.454/18 (governo Sartori) que estabeleceu que os recursos dos honorários serão destinados, conforme metas estabelecidas para arrecadação e redução dos gastos público, aos Procuradores, conforme o disposto no Código de Processo Civil (sancionado pela presidente Dilma Rousseff). A Resolução nº 151/19-PGE regulamenta o Decreto nº 54.454/18”.

  Existe respaldo legal para ultrapassar o teto constitucional?

“Conforme estabelece o artigo 10 , IV , da Resolução, a soma da remuneração do procurador com os honorários não ultrapassará o teto constitucional em nenhuma hipótese”.

  A PGE pode criar gastos para o Estado?

“No caso não há criação de gasto público, dado que desde a entrada em vigor da Lei Federal nº 13.105/15 (CPC), os honorários não são verba pública e, com o Decreto nº 54.454/18, esses valores já ficam em conta separada”.

 A integralidade do valor pago pela parte derrotada em um processo deve compor o fundo?

“Sim, conforme a lei, a integralidade do valor pago pela parte derrotada compõe o fundo".

Leia nesta mesma edição do Espaço Vital

  A íntegra da Resolução nº 151 da PGE-RS

  Resolução nº 151: Uma Boa Ideia...para alguns

__________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Penhora em contas de advogado que reteve valores de indenização trabalhista da cliente

O TJRS defere a constrição on line (R$ 118 mil) nas contas bancárias do devedor. E a relatora registra que “este é mais um processo envolvendo o mesmo advogado, cuja conduta de sacar o alvará e não repassar o valor ao cliente parece ser reiterada”. Réu de 18 ações no Foro de Porto Alegre, ele tem situação “normal” na OAB-RS.

A íntegra da Resolução nº 151 da PGE-RS

Segundo seu palavrório inicial – ela “estabelece normas gerais para a definição e mensuração dos objetivos estratégicos, diretrizes e programas de metas para otimização da atuação funcional voltada ao incremento da arrecadação de receitas”.