Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 21 de maio de 2019.

Virem-se e estudem!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Valdirene, Jaqueline e Jeniferlídia eram três meninas de boas famílias do interior, muito inteligentes, estudiosas e primeiras na escola. Terminaram o segundo grau e passaram em universidade particular na Capital, só que as suas respectivas famílias, de classe média baixa, não conseguiriam pagar.

Resolutas, as três combinaram que iriam fazer as matrículas e depois iriam “se virar” para quitar as mensalidades.

Instalaram-se numa morada em próspera zona comercial da Capital e distribuíram panfletos de propaganda, anunciando a abertura de uma casa de diversões para o público masculino adulto.

Ao lado, havia uma - também próspera - igreja evangélica. É claro que um dos panfletos caiu nas mãos santas do pastor. Indignado, ele usou suas perorações diárias durante os cultos de cura das enfermidades sexuais, “para afastar estas pecadoras do lado de nossa abençoada casa divina”.

Tanto rezaram que, uma noite, durante uma farra homérica na casa, houve um incêndio causado por um curto-circuito nos fios na frente das duas casas. Na Casa Divina, nada; na Casa Maligna, destruição total. Comemorações e agradecimentos aos céus pela bênção, de um lado; impregnações pelo “olho grande” do pastor, de outro.

As meninas, cursando Direito, ingressaram com ação contra a igreja vizinha, afirmando terem sido as orações que “chamaram” a tragédia. Na contestação, a óbvia defesa de que preces não atraíam qualquer desventura ao próximo.

A juíza, exemplo de retidão pessoal, julgou improcedente a ação, mas não deixou por menos na fundamentação: “É um caso sui generis; de um lado universitárias crentes nos castigos divinos pelas ´vidas fáceis´ que levavam e de outro evangélicos descrentes no poder das orações”.

Nos corredores forenses e da OAB muitos lamentos... Das três meninas de boas famílias, só Jeniferlídia tem sido vista no fórum. Com a compaixão de um advogado de terceira idade, ela é autora uma ação de alteração do registro civil.

Por “azares e incômodos morais” que o prenome Jeniferlídia agora lhe causa, ela pretende passar a chamar-se Samantha...

__________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A jurisdição terceirizada

 

A jurisdição terceirizada

A proposta instigante de um conselheiro de uma das seccionais estaduais da OAB: comprovar, judicialmente, que a jurisdição é prestada basicamente por assessores e estagiários. É hora de fazer de conta que tudo é ficção.

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos. 

Charge de Gerson Kauer

Depois da juizite, o aprendizado

 

Depois da juizite, o aprendizado

Sentado para depoimento pessoal está o autor de uma ação de indenização. Ele cruza as pernas e está com os dois primeiros botões de sua camisa abertos. Pela fenda percebe-se alguns pelos esbranquiçados e uma medalha pequena, pendendo da correntinha de ouro. O magistrado escorrega no elementar, ao ordenar em tom impositivo de extrema juizite: “Descruze as pernas e feche sua camisa! O senhor está em um fórum na presença de um juiz”. Então, vem a surpreendente reação, do professor com 60 de idade.

Charge de Gerson Kauer

Os ricos mocassins do ministro

 

Os ricos mocassins do ministro

Não é Primeiro de Abril, mas quase... Um passageiro vip desistiu da prerrogativa de embarcar no terminal 2 do aeroporto de Brasília, local por onde acessam as autoridades. Talvez querendo medir sua popularidade, o notório calvo misturou-se aos mortais e foi direto ao terminal 1 .Foi então que a vigilante máquina da Polícia Federal bipou...

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.