Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,10 de dezembro de 2019.

Ministro ordena bloqueio de redes sociais e WhatsApp de críticos do STF



O ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou na manhã desta terça-feira (16) o bloqueio de contas em redes sociais e do WhatsApp de sete pessoas investigadas por, supostamente, publicarem ofensas contra a Corte. Em decisão sigilosa, o magistrado escreveu que foram verificadas mensagens com “conteúdo de ódio e de subversão da ordem” direcionadas ao STF.

Os suspeitos foram alvos de buscas e apreensões e intimações realizadas pela Polícia Federal, em vários locais, no Distrito Federal, Goiás e em São Paulo.

Nos mandados de busca, o ministro Alexandre de Moraes ordena à Polícia Federal apreender computadores, tablets, celulares e outros dispositivos eletrônicos encontrados nas casas dos suspeitos e que, em momento superior, “colha os depoimentos de todos os alvos da operação”.

As medidas são novos desdobramentos de uma investigação instaurada a pedido do presidente da Corte, ministro Dias Toffolli, em 14 de março. O objetivo é apurar notícias falsas, denunciações caluniosas e ameaças que “atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares”.

Uma das postagens que entraram na mira do STF foi publicada por um policial civil do Estado de Goiás com o seguinte teor: “O nosso STF é bolivariano, todos alinhados com os narcotraficantes e corruptos do país. Vai ser a fórceps”.

Em outra mensagem, o suspeito diz: “O Peru fechou a corte suprema do país. Nós também podemos. Pressão total contra o STF”.

O ministro considerou o fato – pelas informações disponíveis - de o envolvido estar “constantemente armado”.

Em outro caso, a pessoa investigada escreveu nas redes sociais que o “STF soltou até traficante” e que “é desanimador o fato de tantos brasileiros ficarem alheios ao que a quadrilha STF vem fazendo contra a nação”.

Alexandre de Moraes avaliou que essas publicações revelam uma “propaganda com o objetivo de alteração da ordem política e social”.

Entre os alvos também está o general da reserva Paulo Chagas. Segundo o ministro do Supremo, ele fez “postagens nas redes sociais de propaganda de processos violentos ou ilegais para a alteração da ordem política e social, com repercussão entre seguidores”.

Moraes referiu na decisão que o “investigado defendeu a criação de um Tribunal de Exceção para julgamentos do Ministros do STF ou mesmo substitui-los”.

__________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

 

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

Ex-presidente da Câmara de Vereadores em Esteio (RS), Fabio Battistello procurava dirigentes sindicais, valendo-se da envergadura de seu cargo e de informações privilegiadas, para oferecer serviços de “consultoria” e receber propina. Preso em flagrante, foi exonerado e já está condenado (primeiro grau) em ação penal. A suspensão dos direitos políticos é por oito anos.

Se a boa-fé for violada, cessa a proteção do bem de família

A ninguém é dado beneficiar-se de sua própria torpeza. O STJ nega provimento ao recurso de um empresário que ofereceu seu imóvel como garantia na negociação de R$ 650 mil em dívidas e, depois, alegou que ele não poderia ser penhorado por constituir bem de família.

Ação gaúcha por improbidade administrativa vai completar 18 anos no TJRS

Processo oriundo da comarca de Osório (RS), onde começou em 28 de dezembro de 2001, teve sentença que condenou o ex-prefeito Romildo Bolzan Júnior (1993/1996) – atual presidente do Grêmio - e um secretário municipal a indenizarem R$ 700 mil de prejuízos ao erário municipal. Cálculo extraoficial sugere o valor atualizado de R$ 3,8 milhões, sem computar os juros legais.

 

Quadro parado a partir de imagens do cinegrafista Edu Bernardes (Rede Globo)

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

 

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

O papelão feito pelo governador do Rio, Eduardo Witzel (PSC), após a vitória do Flamengo sobre o River: misturou-se a dirigentes e atletas e ajoelhou-se diante de Gabigol, que logo se afastou.  Quando era juiz federal, Witzel já teve viralizada, em telejornais e nas redes sociais, uma palestra em que ensinava a colegas uma “engenharia” para aumentar os penduricalhos.