Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

A parte não tem responsabilidade pela incapacidade do Judiciário na prestação jurisdicional



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Em 6 de março deste ano, o advogado Fábio Kwasniewswki de Almeida (OAB-RS nº 39.391), revelou à comunidade jurídica – via Espaço Vital – que o juiz Frederico Menegaz Conrado, da 1ª Vara Judicial de Taquara (RS), decidira postergar por três anos (!) a solução a um pedido de nova tentativa de penhora on line, via BacenJud, numa ação que busca a execução de um crédito de aproximadamente R$ 15 mil. A demanda tramita desde 10 de agosto de 2009 – são já nove anos e oito meses de existência.

No dia 15 deste mês, em decisão monocrática, a desembargadora Mylene Maria Michel, da 19ª Câmara Cível do TJRS corrigiu a aberração judicial, provendo agravo de instrumento.

No recurso, o advogado Almeida historiou que, após diversas tentativas de localização de bens dos devedores, requerera a penhora on line dos ativos financeiros, até o limite do débito executado. Para sua surpresa, o magistrado proferira a seguinte decisão:

“Vistos. Trata-se de pedido de penhora on line de valores depositados em instituição financeira, via BacenJud. Compulsando os autos, observo que já foi realizado o procedimento há menos de três anos. Sendo assim, considerando o elevado número de processos que tramitam nesta vara e o diminuto aparelhamento humano para dar conta de tamanha demanda, há de se limitar as novas tentativas de penhora pelo BacenJud, o que entendo adequado fixar em três anos.

Sendo assim, INDEFIRO por ora o pedido, determinando seja arquivado administrativamente o feito, com nova conclusão quando expirado o prazo de três anos da última tentativa de BacenJud, para nova investida. Intime-se. Dil. Legais”.

Conforme a petição de agravo, “a parte não tem responsabilidade pela incapacidade do Poder Judiciário de prestar a adequada prestação”, ainda mais que o processo ficaria parado, e arquivado, por três anos, sob o fundamento de que são muitos processos em tramitação na vara e poucos funcionários!..

Avaliando que “estamos chegando ao fundo do poço”, o advogado Almeida já havia manifestado interrogativamente “se o preocupado magistrado, na condição de credor em alguma ação judicial, também aceitaria aguardar por três anos”.

Na decisão que proveu o recurso, a desembargadora relatora considerou que “a matéria ventilada no presente A.I. é recorrente, existindo jurisprudência dominante sobre a mesma no STJ e neste TJRS”.

O julgado monocrático arrematou reformando a decisão recorrida, e “deferindo o pedido de tentativa de penhora pelo sistema BACENJUD, a ser realizada na origem”.

O juiz Frederico Menegaz Conrado já foi comunicado. (Proc. nºs 70081240491, no TJRS; e 10900034101, na comarca de Taquara).

Leia a íntegra da decisão do TJRS.

__________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novo presidente do TRF-4 assume exaltando tom conciliador

O desembargador Victor Laus citou o Papa Francisco. "O sumo pontífice defende que construamos pontes, não muros. De modo que a exaltação de ambos os lados, o desrespeito à privacidade e o estímulo às polêmicas sem fim devem ser deixados para trás”. O ministro Sérgio Moro esteve presente. Mas o seu anunciado discurso terminou não ocorrendo.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do YouTube (E) e Allysson Mainieri (D)

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

 

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

No julgamento de um agravo de instrumento contra decisão da magistrada Fabiana Kaspary – por descumprimento de uma decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS - o desembargador Jorge do Canto aplicou a ela multa de 20% sobre o valor da causa. A Ajuris e a juíza interpuseram mandado de segurança, requerendo segredo de justiça. Este foi concedido e depois revogado pelo 3º Grupo Cível do tribunal gaúcho. Caso foi decidido anteontem (12) em julgamento de recurso especial. A multa não subsiste. Para o TJRS e o STJ “juiz não pode ser punido com multa do CPC por ato atentatório ao exercício da jurisdição”.