Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira , 17 de outubro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

A fraude de R$ 10 milhões e a sentença que não chega desde abril de 2011



Arte de Camila Adamoli sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

  O crime compensa?

O Poder Judiciário gaúcho implantou no dia 9 de abril a primeira vara criminal especializada em crime organizado e lavagem de dinheiro do Estado. Denominada 17ª Vara Criminal de Porto Alegre, ela terá abrangência sobre a Capital e cidades da região metropolitana. “É um grande avanço no enfrentamento especializado em uma área extremamente sensível”, destacou na ocasião o presidente do TJRS, desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro.

A 17ª Vara Criminal substitui a Vara do Juizado Especial Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis, dentro da ideia de concentração das varas criminais no Prédio I do Foro Central de Porto Alegre, e não mais dispersas pelos foros regionais.

A estimativa é que a nova vara já tenha recebido, em 16 dias, cerca de 500 complicadas ações penais – muitas já com mais de cinco anos de tramitação e... zero soluções.

O juiz titular da nova vara, Ruy Rosado de Aguiar Neto, é reconhecido pela expedita e competente prestação jurisdicional. Mas, a complexidade das causas é tamanha que o TJRS avalia enviar um anteprojeto de lei à Assembleia Legislativa para que a titularidade da vara seja exercida de forma colegiada, por três magistrados.

 Políticos, marqueteiros, advogados & Cia.

Entre as ações destinadas à novel 17ª Vara Criminal, uma se refere a uma fraude coletiva praticada no departamento de marketing do Banrisul (lesado em aproximadamente R$ 10 milhões – valor nominal em dezembro de 2009). Nela estão denunciadas 25 pessoas.

Relatando o ´modus operandi´ dos acusados (políticos, diretores do banco, comerciantes e publicitários), o Ministério Público apresentou uma denúncia de 217 laudas.

Como é natural, todos os réus estão tendo direito à ampla e melhor defesa, o que demanda a conveniente e azeitada presença de 80 advogados – entre eles dois desembargadores aposentados, um ex-procurador-geral de justiça do RS, um ex-presidente da OAB-RS, um ex-conselheiro federal e um atual conselheiro federal da mesma entidade.

O processo aportou na 8ª Vara Criminal em 20 de abril de 2011 e seus 47 volumes já passaram pelas mãos de cinco diferentes juízes. A ação chegou a estar etiquetada como “Projeto de Reforço de Ações de Improbidade Administrativa e Penais, por crimes contra a administração”, e deveria ter sido julgada até 30 de dezembro de 2017, conforme (ineficiente e desobedecida) determinação do CNJ de “solução (Meta nº 2017) para processos demorados”.

O caso ultimamente esteve sob jurisdição do juiz Marcos La Porta da Silva. No dia 5 de abril – antecipando-se à comemorada inauguração da 17ª Vara Criminal - o magistrado despachou, expedito: “Redistribua-se o presente feito à vara especializada em crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores e/ou praticados por organizações criminosas”. Era uma sexta-feira.

No dia 8 de abril (primeiro dia útil seguinte), o escrivão da 8ª Vara Criminal recebeu o processo e, até o início da manhã desta sexta-feira (26) – momento de fechamento desta edição do Espaço Vital - o sistema processual do TJRS informava com pouca clareza: “Local dos Autos: remessa para a 17ª Vara Criminal em 09/04/2019”.

E nada mais.

 Quelônica demora

A 8ª e a 17ª Varas Criminais estão situadas no mesmo prédio, na Rua Marcio Vidor Veras nº 10, em Porto Alegre – daí porque o transporte do consistente processo, de uma para a outra repartição judicial, será – imagina-se – coisa simples, dependendo apenas de ordem, fiscalização e/ou boa vontade.

No dia 20 de abril – sem festa, é claro – a ação penal completou oito anos de tramitações e paralisações. Ninguém está preso.

Na ficção jurisdicional, conta-se que um grupo de aproximadamente 25 tartarugas jurisdicionais – parceiras da lentidão – fez, esta semana, cálculos otimistas sobre a contagem da prescrição. (Proc. nº 21100417549).

 O poder da toga

Evento jurídico-cultural realizado esta semana em Portugal – tendo Gilmar Mendes e a Fundação Getúlio Vargas como organizadores – tiveram generoso patrocínio: a estatal Itaipu Binacional desembolsou R$ 1,5 milhão.

E que tal se tivesse destinado o dinheiro, hipoteticamente, a um hospital infantil?...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Imagem Camera Press

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 A entidade dos juízes e a presidência da Corte gaúcha divergem sobre a regulamentação da assistência à saúde suplementar dos magistrados e servidores do Poder Judiciário do RS.

 Rapidez e urgência: CNJ dá cinco dias para o TJRS se manifestar.

 Julgamento, pelo STF na quinta-feira, de três ADCs definirá a prisão, ou não, após os julgamentos de segunda instância.

• Modulação da tese referente à ordem de apresentação de alegações finais de réus delatores e delatados fica sem data.

Montagem de Gerson Kauer (Divulgação)

A primeira vez de Matheus Henrique

 

A primeira vez de Matheus Henrique

•  Estreante em primeira classe de voos internacionais, o já festejado volante do Grêmio confunde a versão brasileira de uma toalhinha ´oshibori´ com uma tapioca dura e pegajosa.

• Veja o vídeo de como o próprio atleta - durante o almoço no hotel em Singapura – detalhou o acontecido.

•  Nascido em Paradas de Taipas (SP), Matheusinho começou no futebol com sete de idade. De família humilde, seu pai não conseguia levá-lo para a escolinha. Nos campos de uma favela e na várzea aprimorou o talento. 

Imagens: Freepik - Edição/Montagem: Gerson Kauer

Brasília, o  árido coração das trevas

 

Brasília, o árido coração das trevas

 O tiro não disparado, que teve efeitos deletérios.

 O suicídio não havido que pode ter detonado a carreira advocatícia do ex-PGR.

 Gilmar sobre Janot: “Ele é um bêbado e irresponsável”.

• Janot sobre Gilmar: “Ele é perverso e dissimulado”.

 O filho de Teori Zavascki não se convence que a morte do pai tenha sido acidente aeronáutico.

 E o que a Polícia Federal vai ficar sabendo com a apreensão do notebook e do celular de Janot.