Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

O surgimento do Dia do Trabalhador



Imagem: Adobe Stock - Edição: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

  No dia 1º de maio de 1886, houve uma manifestação de milhares de trabalhadores nas ruas de Chicago (EUA) para reivindicar a redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. No mesmo dia, foi deflagrada uma greve geral naquele país. Em 3 de maio, uma nova manifestação dos grevistas foi reprimida pela polícia, resultando na morte de alguns manifestantes.

No dia seguinte, durante novo protesto, um desconhecido lançou uma bomba que matou sete policiais. Em represália, a polícia atirou na multidão, matando 12 pessoas e ferindo dezenas.

  Em 1989, a Segunda Internacional Socialista, reunida em Paris, decidiu convocar anualmente uma manifestação com o objetivo de lutar pelas 8 horas de trabalho diário, e a data escolhida foi o 1º de maio, em homenagem às lutas sindicais de Chicago. No ano seguinte, milhões de trabalhadores da Alemanha, Áustria, Hungria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Holanda, Grã-Bretanha, Itália, Suíça e dos Estados Unidos mostraram seu apoio à redução da jornada de trabalho fazendo uma greve no dia 1º de maio e desfilando pelas ruas de suas cidades.

  Os EUA até hoje não reconhecem essa data como Dia do Trabalhador, mas em 1890 o Congresso americano aprovou a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias. Em 1919 o senado francês também aprovou a jornada de 8 horas e proclamou o 1º de maio como Dia dos Trabalhadores e feriado nacional. Em 1920 foi a vez da Rússia incorporar a data ao seu calendário de feriados nacionais e, daí em diante, muitos outros países seguiram o exemplo.

  No Brasil, o dia 1º de maio foi decretado feriado nacional pelo presidente Artur Bernardes em dezembro de 1924, para vigorar a partir do ano seguinte.

Dia do Trabalhador no Brasil

  Com a chegada de imigrantes europeus no Brasil, as ideias de luta pelos direitos dos trabalhadores vieram junto. Em 1917, houve uma greve geral. Com o crescimento do operariado, o dia 1º de maio foi declarado feriado pelo presidente Artur Bernardes, a partir de 1925.

  Até o início da Era Vargas (1930–1945) certos tipos de agremiação dos trabalhadores fabris eram bastante comuns, embora não constituíssem um grupo político muito forte, dada a incipiente industrialização do país. O movimento operário caracterizou-se, em um primeiro momento, por influências do anarquismo e, mais tarde, do comunismo, mas com a chegada de Getúlio Vargas ao poder, essas influências foram gradativamente dissolvidas pelo chamado trabalhismo.

  Até então, o Dia do Trabalhador era considerado, no âmbito dos grupos anarquistas e comunistas, como um momento de luta, protesto e crítica às estruturas socioeconômicas do país. A propaganda trabalhista de Vargas, sutilmente, transformou um dia destinado a celebrar o trabalhador em Dia do Trabalho. Ou seja, festas e comemorações... mas muita gente trabalhando nesse dia, com direito ao pagamento em dobro.

Tal mudança, aparentemente superficial, alterou profundamente as atividades realizadas no 1º de maio. Até então marcado por piquetes e passeatas, o Dia do Trabalhador passou a ser comemorado com festas populares, desfiles e celebrações similares.

Outro ponto muito importante atribuído ao dia do trabalhador foi a criação da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, em 1º de maio de 1943.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Se a boa-fé for violada, cessa a proteção do bem de família

A ninguém é dado beneficiar-se de sua própria torpeza. O STJ nega provimento ao recurso de um empresário que ofereceu seu imóvel como garantia na negociação de R$ 650 mil em dívidas e, depois, alegou que ele não poderia ser penhorado por constituir bem de família.

Ação gaúcha por improbidade administrativa vai completar 18 anos no TJRS

Processo oriundo da comarca de Osório (RS), onde começou em 28 de dezembro de 2001, teve sentença que condenou o ex-prefeito Romildo Bolzan Júnior (1993/1996) – atual presidente do Grêmio - e um secretário municipal a indenizarem R$ 700 mil de prejuízos ao erário municipal. Cálculo extraoficial sugere o valor atualizado de R$ 3,8 milhões, sem computar os juros legais.

 

Quadro parado a partir de imagens do cinegrafista Edu Bernardes (Rede Globo)

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

 

O goleador desprezando um governador: o drible do ano!

O papelão feito pelo governador do Rio, Eduardo Witzel (PSC), após a vitória do Flamengo sobre o River: misturou-se a dirigentes e atletas e ajoelhou-se diante de Gabigol, que logo se afastou.  Quando era juiz federal, Witzel já teve viralizada, em telejornais e nas redes sociais, uma palestra em que ensinava a colegas uma “engenharia” para aumentar os penduricalhos.