Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

Seis grupos, um cargo



A sucessão de Raquel Dodge no comando da Procuradoria Geral da República será uma das mais concorridas da história. A indefinição sobre como o presidente Bolsonaro fará a escolha anima candidaturas fora da tradicional lista tríplice (esta terá sete concorrentes) que afinal reunirá os três mais votados por todos os integrantes do Ministério Público Federal.

Seis grupos disputam o cargo, incluindo procuradores que provavelmente correrão por fora da tradicional.

Outros detalhes:

1) Raquel Dodge ainda não sinalizou, mas a expectativa é de que ela tentará a recondução;

2) O subprocurador-geral Augusto Aras já lançou sua candidatura de forma avulsa;

3) O chefe do Ministério Público Militar, Jayme de Cássio Miranda também quer ser procurador-geral, contrariando a tradição de nomear um membro do MPF;

4) Dois cotados demonstram alinhamento com Jair Bolsonaro: são Guilherme Schelb, defensor do movimento Escola Sem Partido, e Ailton Benedito, próximo de políticos do PSL;

5) Lembrado em Curitiba, Deltan Dallagnol nega interesse.

6) A atual sub-procuradora-geral da República Luiza Cristina Frischeisen enviou mensagens a colegas de trabalho informando que entrou no páreo da lista tríplice. Ela soltou a novidade às vésperas da desistência de Nicolao Dino, o mais votado da lista de 2016, quando Michel Temer acabou escolhendo Raquel.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Bolsonaro escolhe Augusto Aras para comandar PGR

O indicado ainda precisa ser aprovado em sabatina no Senado e enfrentará resistência interna da categoria, por não ter integrado a lista tríplice. Na última terça-feira, Bolsonaro comparou o governo a um jogo de xadrez e afirmou que a dama (ou rainha) corresponde à PGR.