Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 14 de julho de 2020.

Cola prejudicial à saúde



A 3ª Turma do TRT-RS decidiu que uma trabalhadora que manteve contato com a cola ciclohexanona tem direito a receber adicional de insalubridade. A decisão reforma sentença do juízo da 1ª Vara do Trabalho de Pelotas, que havia negado o pedido.

A reclamante atuou como auxiliar de produção na Lifemed Industrial, empresa fornecedora de equipamentos hospitalares, de 2013 a 2017 e, após o final do seu contrato, ajuizou ação, comprovando que utilizava agentes químicos, entre eles a cola ciclohexanona, para montar componentes de plástico.

Um perito inspecionou o local de trabalho e constatou que a empresa fornecia dedeiras (proteção para os dedos da mão) feitas de borracha comum para seus empregados, e que havia o contato eventual da trabalhadora com a cola ciclohexanona.

O relator do acórdão, desembargador Alexandre Corrêa da Cruz, ponderou que a cicloexanona é “uma substância bastante tóxica, que causa irritação nos olhos, pele, dermatites, mucosas e membranas, dores de cabeça, narcose e coma, afetando os olhos, a pele, o sistema respiratório, o sistema nervoso central, rins e fígado”.

O acórdão condenou a empresa a pagar adicional de insalubridade em grau máximo à trabalhadora. (Proc. nº 0020980-27.2017.5.04.0101).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Má fé de escritório de advocacia prejudica cliente em demanda contra grande banco

Conversas via WhatsApp fizeram a prova. Na ação trabalhista em que os advogados “compraram os créditos” da reclamante por R$ 360 mil, o escritório de advocacia fechou acordo por R$ 1,9 milhão líquidos, com o Banco Itaú. Este colaborou com o esclarecimento das minúcias. Leia também o contraponto da banca advocatícia.