Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 21 de maio de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O racismo e o futebol



Futebol Report

Imagem da Matéria

· Se há algo nojento é o racismo, ainda mais quando é tolerado por aqueles que deveriam adotar medidas punitivas severas.

Ele é antes de tudo, fruto da ignorância e da maldade. Ignorância porque proveniente de pessoas que demonstram um total desconhecimento da história e da ciência biológica, da maldade pela ânsia ofensiva irracional.

Nesta quarta-feira (8), no jogo da Libertadores entre Peñarol e Flamengo, parte da torcida uruguaia, pensando ofender a equipe brasileira, chamava-a de “macacos”. Alguns, mais exaltados no propósito, imitavam com gestos o animal em questão, aliás revelando um talento atávico como é de se esperar.

Pelo que sei, uma vez mais nada fez a Conmebol.

Isso me fez lembrar um episódio ocorrido no Estádio Olímpico, em 2011, defronte às sociais do dono da casa, quando o Zé Roberto aguardava para entrar em campo. Também foi chamado de macaco e também não aconteceu nada, muito embora eu tenha provocado o TJD da FGF.

Há vários outros exemplos desse tipo. Ainda bem que, com orgulho, podemos citá-los sem referir o Colorado.

Bem, todos reconhecem o glorioso papel do Sport Club Internacional na integração esportiva dos negros, até então segregados de algumas agremiações. O internacional é fruto disso, de um início generoso e, por consequência grandioso.

Sempre me questiono quanto a lógica daqueles que entendem que chamar alguém de macaco é ofensivo. Atente-se que no caso da América Latina, a pretensa ofensa independe da condição racial. Somos brasileiros e, portanto para eles, macacos.

O que pensam os ofensores acerca de nossas origens biológicas? Seriam eles fundamentalistas que creem no gênesis, ao ponto de imaginarem que surgimos do barro e de uma escultura divina?

Será que desconhecem minimamente a evolução das espécies e como chegamos ao que somos hoje? Desconhecem que o mais próximo do que somos hoje foi encontrado no Quênia e viveu há 6 milhões de anos? Desconhecem que todos os fósseis mais remotos do homem foram encontrados no que é hoje o continente africano? Desconhecem que evoluímos de animal muito próximo ao macaco?

É uma pena que isso ocorra justamente no esporte. As competições, as modalidades coletivas, a convivência destinada à conquista sempre foram meios para o rompimento de preconceitos abjetos.

Entretanto, para que isso não se repita é fundamental que as autoridades responsáveis pelo futebol adotem uma postura inflexível. Apenas com a punição exemplar do clube ou da agremiação, será possível banir a prática discriminatória.

· Enquanto isso, na vida que segue, está tudo bem para o Internacional na Libertadores. Gostei do resultado do jogo com o River. Serviu para alertar quanto a possibilidade de falhas e para afastar qualquer pensamento ufanista, conhecido como “salto alto”.

É possível sim a conquista do almejado TRI, sem perder de vista a nossa participação no Brasileirão. Não podemos desperdiçar pontos que nos farão falta lá adiante.

Como já disse, essa direção nos deve um título.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

“Na última quarta-feira foram realizados protestos em Porto Alegre por universitários da UFRGS. Como em todas as manifestações, havia bandeiras de partidos políticos identificados como à esquerda no espectro político e de outros movimentos sociais. Surpreendeu-me negativamente verificar um grupo de manifestantes, utilizando sinalizadores vermelhos e ostentando uma faixa que indevidamente dizia: ´Inter antifascista´. Nossa agremiação é vermelha, popular e internacional, mas não confundam as coisas: somos apenas um clube de futebol”. 

Tinga, eu e a velhice

“Escrevo sobre esse admirável ex-atleta do Inter, não apenas para revelar uma experiência, mas para afirmar o quanto é difícil adequarmos a idade e as nossas limitações à vida”.

Coração vermelho, vida que segue...

“Um recado a colorados e gremistas. Dias e noites intermináveis no Instituto do Coração fomentaram, em mim, profundas reflexões. Agora mais domesticado, mais adocicado, cumprimento o adversário pela conquista do Gauchão, que eu queria para o Internacional”.

Os 110 anos de Inter!

* Um pout-pourri de tópicos * O que temos a aprender com os gringos *  Pensando com a cabeça de quem joga xadrez e não damas, o empate ocorreu no âmbito das nossas possibilidades de pontuação *  Paciência com Guerrero, a partir de amanhã.

“E s t a u t a ?!”...

Depois de identificar o homenageado azul a partir do nome, passei a prestar mais atenção na obra, cheia de detalhes cômicos. Antecipo que não estabeleço uma disputa entre estátuas, pois considero aquela dedicada ao Capitão Fernandão, também horrorosa”

A covardia é irmã gêmea da arrogância

“Com virose ou sem virose, o Gre-Nal de domingo passado (17) foi o da covardia e da renúncia. Mas registro a minha satisfação com o jovem Nonato; ele revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. A expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo”.