Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

Remediar para prevenir?



Arte de Camila Adamoli sobre fotos Ajuris (E) e Camera Press (D)

Imagem da Matéria

Por Plinio Carlos Baú, MD, PhD, professor titular de Cirurgia da Escola de Medicina da PUC-RS

Recentemente algumas sociedades médicas resolveram alertar seus membros sobre os riscos de algumas medicações muito consumidas, entre elas as estatinas utilizadas para “prevenir” o aumento dos níveis de colesterol. Alguns sintomas já conhecidos, e outros nem tanto, foram listados: efeito tóxico diretos nas fibras musculares traduzido por dor, câimbras e fraqueza, miosite autoimune que não melhora com a suspensão da estatina, rabdomiólise, que é a morte maciça de fibras musculares e neuropatia periférica manifestada por dormência e formigamento de extremidades.

“Agradaria a todos que o futuro fosse previsível, que o sofrimento fosse evitado e que fosse possível eliminar as doenças“ - escreveu o Dr. Marco Bobbio, cardiologista italiano no excelente ´O Doente Imaginado´ (traduzido para o português e editado pela Bamboo Editorial).

Valho-me da oportunidade disponibilizada pelo Espaço Vital para alertar seu público, que aqui aporta regularmente: advogados, magistrados, promotores, professores, estagiários e muitos outros.

É que o grande consumo de estatinas (e elas são só um exemplo) está levando a uma distorção no conceito de prevenção das dislipidemias que deve inicialmente ser feito, pelo menos por seis meses, com estilo de vida saudável e alimentação adequada. Não se faz prevenção de saúde com remédios, exceto vacinas.

Para cada um milhão de pessoas que hoje usam remédios para não ter colesterol alto, talvez mil ou duas mil iriam necessitar tomar a medicação para tratar no futuro.

Trata-se de uma constatação cruel que só beneficia a indústria farmacêutica, sem levar em conta os sintomas que os pacientes apresentam ao utilizar as estatinas como uma bandeira desfraldada para a eternidade.

“A prevenção - escreve o professor Bobbio - é uma ação que todos aprovam mas que corre o risco de protagonizar uma exigência para a qual convergem expectativas muito diferentes” (pág. 126).

Para um epidemiologista, prevenção é uma ação que reduz a incidência de doenças numa população. Para um clínico geral é uma ação que retarda o aparecimento de doença em determinado paciente.

Para o administrador público trata-se de uma ação que pode alavancar a sua imagem pessoal.

Para a maioria das pessoas é uma ação que promove aumento do bem-estar.

Para a indústria farmacêutica e alimentícia é uma ação que permite vender produtos e induzir novas necessidades de consumo”.

Repito: não se faz prevenção de doença consumindo remédios. Remédios devem ser usados para tratar doenças. Para o mais completo entendimento, sugiro a agradável leitura do livro do Dr. Bobbio.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.

Imagem Dicio.com.br

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

 

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

“A Associação Brasileira dos Advogados do Povo ´Gabriel Pimenta´ atua em prol aqueles que são molestados por exercer seu trabalho com independência e desassombro. E se constitui também como instância de produção intelectual e de ação concreta, dentro e fora dos tribunais”. Artigo dos advogados Henrique Júdice Magalhães (OAB-RS nº 72.676) e Felipe Nicolau do Carmo (OAB-MG nº 129.557 e OAB/ES nº 29.263).

Chargista Aroeira

O STF e o drama cósmico

 

O STF e o drama cósmico

“Entre erros e acertos, os ministros do STF, como ´jurisfilósofos´, têm deliberado sobre alguns ´astros´. Dos guardiões da Constituição, espera-se mais do que luz e revelação. Anseia-se por temperança”. Artigo do advogado Rafael Moreira Mota (OAB-DF nº 17.162)

Imagem Camera Press - Edição EV

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

 

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

Os empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Estadual, nos anos 80, para associados da AJURIS. “O valor à época permitia - a cada um dos tomadores - a aquisição de 19 fuscas novos, valor a ser pago em 120 meses, tudo sem correção monetária, em tempo de inflação de 80% ao mês”. Artigo de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, magistrado estadual aposentado e advogado (OAB-RS nº 31.349).