Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

O Inter exclui Vitorio Piffero e Pedro Affatato de seus quadros sociais



Mauro Schaefer (Google Imagens)

Imagem da Matéria

A Comissão de Ética do Sport Club Internacional decidiu, ontem (13) à noite, excluir do Sport Club Internacional os ex-dirigentes Vitorio Piffero e Emídio Marques Ferreira.

Em relação aos também ex-diretores Alexandre Limeira e Emídio Marques Ferreira entendeu não poder tomar nenhuma medida contra eles, porque já se desligaram dos quadros sociais.

O relatório do Ministério Público do RS, sobre a gestão de Vitorio Piffero em 2015 e 2016 aponta suspeitas contra o ex-presidente e cinco ex-vice-presidentes: Pedro Affatato (finanças), Alexandre Limeira (administração), Emídio Marques Ferreira (patrimônio), Carlos Pellegrini (futebol) e Marcelo Domingues de Freitas e Castro (jurídico).

Os supostos crimes apurados são apropriação indébita, estelionato, organização criminosa, falsidade de documentos e lavagem de dinheiro. A investigação já soma mais de 3,7 mil páginas e não foi encerrada.

Vitorio Piffero e Pedro Affatato ainda podem recorrer ao Conselho Deliberativo da demissão (termo utilizado no estatuto do Inter.

O voto do relator e presidente da comissão Constantino Lisboa Azevedo (desembargador aposentado do TJRS), que tinha 80 páginas, durou cerca de 2h40min. Vitorio Piffero foi representado por dois advogados que fizeram a defesa do ex-presidente. Affatato não exerceu o direito de defesa.

Além de Constantino votaram Felipe Floriani Becker, Lino Kieling, Miguel de Sampaio Dagnino, Ramiro Davis e Thiago Neibert. O sétimo integrante, Rodrigo Navarro, se disse impedido de participar, pois tem uma ação judicial pessoal contra um dos dois ex-dirigentes.

O estatuto do Inter não prevê um tempo que eles deverão ficar fora do quadro social, mas a Lei do Profut prevê um afastamento de 10 anos.

O que pesa contra os ex-dirigentes do Inter

  Vitorio Piffero - O MP afirma que, pelo fato de ser o expoente máximo do clube, o ex-presidente estaria "no topo da associação/organização criminosa estabelecida" no Inter em 2015 e 2016. Assinado pelo promotor Flávio Duarte, o relatório sustenta que seria "absolutamente impossível" que os cinco vices atuassem de "forma isolada e sem qualquer relação uns com os outros".

Foi identificado depósito de R$ 70 mil na conta do ex-presidente, creditado pela empresa Argos do Brasil Consultoria em 31 de outubro de 2014, antes de Piffero assumir pela segunda vez o comando do clube. A linha de investigação aponta para adiantamentos de futuros negócios entre o Inter e a empresa. De acordo com o relatório, no biênio 2015/2016, entraram na conta da Argos R$ 294,1 mil saídos dos cofres do clube.

Segundo o MP, o ex-presidente também recebeu R$ 65 mil, com dois depósitos na conta bancária, em 7 e 19 de novembro de 2014, efetuados pela Stadium Consultoria e Assessoria Administrativa e Tecnológica Ltda., empresa de Alexandre Limeira. As quebras de sigilo bancários obtidas na investigação mostram que a Stadium recebeu, naquela época, R$ 150 mil do empresário de atletas Giuliano Bertolucci.

  Pedro Affatato

O ex-vice-presidente e de finanças, conforme o MP, fez adiantamentos que ultrapassaram R$ 9 milhões, em dinheiro vivo, sacado na tesouraria, normalmente fruto de bilheteria dos jogos, entre fevereiro de 2015 e fevereiro de 2016. A alegação para as retiradas era o pagamento de obras e de serviços que seriam da alçada da vice-presidência de patrimônio, então comandada por Emídio Marques Ferreira.

Para suposto respaldo aos adiantamentos, Affatato apresentava notas fiscais emitidas por empresas cujo escritório de contabilidade era o mesmo e com sócios interligados. Segundo a investigação, nem mesmo havia triangulação do dinheiro entre clube, prestadora de serviço e Affatato. O dinheiro saía da conta do Inter para as mãos do dirigente, o que configuraria apropriação indébita.

O MP-RS apurou que nove retiradas tiveram como destino a conta da Sinarodo, empresa de Affatato, em valor somado de R$ 701 mil. Esses depósitos ocorreram de maio a outubro de 2015.

Entre fevereiro e dezembro de 2016, Affatato seguiu retirando valores no caixa do clube, diz o MP. Mas, em vez de usar o pretexto de adiantamento, teria passado a apresentar notas fiscais de empresas de construção civil. Em 10 meses, os saques somaram R$ 666.973,63. A investigação aponta Affatato como beneficiário de depósitos da Piratini Agência de Viagens, entre agosto e dezembro de 2016, no valor de R$ 169 mil.

  Carlos Pellegrini

Conforme o Ministério Público aponta, o ex-vice de futebol teria feito contratações e renovações de contrato "mediante prévio ou posterior repasses de valores". Conforme a investigação, o dirigente e empresários, "em conluio, simulavam contrato em valores superiores ao pertinente e adequado, obtendo, dessa forma, vantagens financeiras em detrimento do clube, circunstância que pode caracterizar o delito de estelionato".

Isso teria ocorrido na contratação do lateral-direito Paulo Cezar Magalhães. Dias depois de assinado o contrato com o jogador, seu tio Paulo César Magalhães depositou R$ 30 mil na conta do dirigente, conforme a investigação.

Essa prática teria se repetido na contratação do zagueiro Réver, em que o agente Fernando Otto, responsável pela intermediação do negócio, transferiu R$ 19 mil para a conta de Pellegrini. Relação estreita também se estabeleceu com o empresário Rogério Braun, responsável pela renovação do lateral Cláudio Winck, pela venda do goleiro Alisson e pela contratação do centroavante argentino Ariel.

Conforme o MP gaúcho, através de empresas ligadas ao agente Giuliano Bertolucci, o ex-dirigente Pellegrini recebeu R$ 70 mil, além de R$ 14.999 que foram transferidos para a conta de sua filha.

O MP apurou também que, no período da gestão Piffero, houve na conta de Pellegrini depósitos em dinheiro, não identificados, que totalizaram R$ 333.440.

  Emídio Marques Ferreira

Para o MP-RS, o ex-vice de patrimônio foi "personagem importante na estrutura delituosa montada no clube e com explícita participação nos fatos". Isso porque, para o MP, os adiantamentos tomados por Affatato eram justificados por notas de empresas que supostamente fizeram obras no Beira-Rio. Ou seja, teriam sido chancelados por Ferreira.

O MP também apurou que a Pavitec, empresa de Emídio, recebeu R$ 5 mil da Pier Serviços. Isso dias depois de emitidas notas da Pier por serviços supostamente prestados ao Inter. O dono da empresa é Ricardo Bohrer Simões, que constava, conforme o MP, como responsável técnico da Pavitec e da Pavway, também de propriedade do ex-vice.

A Egel, outra das empresas que emitiram notas ao Inter, fez três transferências, uma de R$ 41 mil para a Pavitec, e outras duas, de R$ 5 mil e R$ 3,4 mil, para a conta pessoal de Emídio.

  Alexandre Limeira

O Ministério Público aponta que há elementos capazes de apontar o ex-vice de administração como operador financeiro do grupo de dirigentes e intermediário de valores repassados, ainda antes da gestão, pelo empresário Giuliano Bertolucci, a Vitorio Piffero e a Carlos Pellegrini.

Pela investigação, Limeira teria usado sua empresa, a Stadium Consultoria e Assessoria Administrativa e Tecnológica Ltda., para distribuir R$ 150 mil transferidos por Bertolucci. O ex-vice de administração também teria sido destinatário de "valores oriundos, provavelmente, de práticas delituosas perpetradas por Marcelo Domingues Freitas e Castro", vice jurídico entre janeiro e maio de 2015.

A investigação apontou ainda transferência de R$ 5.436, feita por pessoas ligadas à empresa CNX Controles de Acesso Ltda., para quem o Inter havia realizado 16 créditos entre novembro de 2015 e abril de 2017, em total de R$ 60.590.

  Marcelo Domingues de Freitas e Castro

Vice jurídico de janeiro a agosto de 2015, teria usado uma empresa em nome de laranja para receber R$ 300 mil do Inter nesse período.

A fonte dessas receitas seriam ações trabalhistas em que o clube era réu, com Castro e intermediários oferecendo acordos aos reclamantes. Ao aceitarem, os reclamantes tinham de fazer repasses a contas e empresas indicadas por Castro, o que configuraria lavagem de dinheiro.

A investigação aponta que isso ocorreu em acordos judiciais feitos pelo Inter, por exemplo, com os atletas Danny Moraes e Christian.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do Hotel Renaissance (divulgação), Senado Federal e Camera Press

As férias frustradas do político condenado

 

As férias frustradas do político condenado

O paranaense Acir Gurgacz, senador (PDT) por Rondônia - eleito em 2014, com posse em 2015 e mandato por oito anos – está preso desde outubro de 2018. Cumpre, agora em regime domiciliar, pena de 4 anos e 6 meses por crime contra o sistema financeiro. O político – que o Senado não cassou - chegou a ter, esta semana, autorização judicial para passar 18 dias em Aruba.