Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de setembro de 2019.

Desabamento parcial do Fórum Criminal de Londrina (PR) deixa duas pessoas feridas



Uma parte do Fórum Criminal de Londrina (PR) no Centro Cívico da cidade, desabou no fim da tarde da última quarta-feira (15). Duas pessoas que passavam pela calçada ficaram feridas após serem atingidas por um poste. As informações são do jornal Folha de Londrina.

Conforme o tenente Budernick do Corpo de Bombeiros, “durante a demolição de uma ala do prédio forense, a máquina estava trabalhando em um dos pisos e uma das vigas se cortou, o piso ruiu e veio abaixo; neste momento, o piso atingiu uma árvore, que acabou atingindo a rede elétrica e derrubou um poste”. Outros cinco postes foram atingidos no local, em efeito cascata.

Ainda segundo o oficial do Corpo de Bombeiros, “há risco de novos colapsos das lajes remanescentes, caso uma das vigas ceda”.

Bárbara Juliana Sarita Camilo, de 33 anos, e seu marido, Ulisses do Lago, de 37, foram atingidos. Segundo o Corpo de Bombeiros, ambos tiveram ferimentos considerados leves. Bárbara teve contusão em uma clavícula do lado esquerdo e escoriações pelo corpo, e Ulisses, contusão e escoriação no pescoço. Socorristas encaminharam o casal para a Santa Casa de Londrina.

Um motociclista que passava perto do local chegou a ser atingido por uma árvore, mas não teve ferimentos graves e foi embora antes de receber atendimento médico.

Veja as imagens.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens

O "teste do sofá" na busca por uma liminar

 

O "teste do sofá" na busca por uma liminar

Revista Época revela trechos de uma palestra em evento da magistratura ocorrido em 2018, dando a entender que algumas jovens advogadas e servidoras públicas sofrem assédios. Com a repercussão nacional do caso, ontem a mesma juíza que fez a manifestação, admitiu que “a utilização do termo ´teste do sofá´, da linguagem popular, no lugar da expressão mais formal ´assédio´, em ambiente profissional, talvez não tenha sido muito adequada”.