Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

A jurisdição terceirizada



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Maio do ano passado, o ambiente é a sala de sessões do Conselho Pleno de uma ativa seccional da OAB no país.

No espaço temporal dos assuntos gerais, um conselheiro – advogado militante – perora sobre as dificuldades crescentes e deplora a demora cada vez maior na prestação jurisdicional. Desfia casos concretos, formaliza críticas genéricas e pontuais. E propõe “já ser hora de tomarmos uma iniciativa em defesa da nossa profissão”.

O presidente da Casa arregala os olhos, faz de conta que se assusta e contemporiza. Um dos conselheiros federais se apresenta em socorro, pigarreia e puxa empolada argumentação sugerindo “a conveniência de encaminhar a questão ao Conselho Federal, face às eventuais e reflexas implicações nacionais”.

O autor da proposta inicial, volta à carga:

- Sejamos sinceros e reais: as tartarugas jurisdicionais hoje são os assessores e os estagiários. Temos no dia a dia forense e nas cortes, cada vez menos magistrados efetivos. A atividade deles está sendo terceirizada. Proponho o ajuizamento de uma ação de produção antecipada de provas, em segredo de justiça, no Supremo, para flagrar e comprovar a maciça e rotineira produção jurídica intelectual feita pela assessorcracia e pela estagiariocracia.

O dirigente máximo da seccional que detém inequívoco comando sobre quase todo o Conselho propõe então a criação de uma comissão para estudar o assunto e sugerir soluções. E o assunto é adiado para a sessão seguinte, porque a pauta é grande e “há a necessidade de hoje sermos mais objetivos com outros assuntos mais urgentes”.

Neste maio de 2019 o assunto está completando o primeiro aniversário de repouso em alguma prateleira burocrática da Ordem. Não há notícias sobre as reuniões e propostas da tal comissão. O presidente da Casa advocatícia foi reeleito e a prestação jurisdicional segue crescentemente sendo terceirizada.

É hora de fazer de conta que é tudo ficção.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A justificada parcialidade do juiz

 

A justificada parcialidade do juiz

Um pênalti incomum cometido por um zagueiro. Gol da equipe adversária e fim do sonho de estar na elite do futebol gaúcho. Depois da partida, na entrada do vestiário, o goleiro agride seu companheiro de time. No juízo criminal, o magistrado decide com pleno e pessoal conhecimento da causa e absolve o acusado. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.

Charge de Gerson Kauer

Quem quer ser atriz na televisão?

 

Quem quer ser atriz na televisão?

O anúncio nos classificados do jornal foi insinuante: “Empresa com 15 anos de credibilidade busca atrizes sem experiência, para trabalhos em programas de tevê. Garantimos (100%) pelo menos uma participação”. Ao chegarem no Rio de Janeiro, as candidatas tinham que marcar e assinar num formulário:

( ) Sim, aceito fazer nu;

( ) Não aceito fazer nu.