Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.
https://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Constituição escrita a lápis



Portal Fiscaliza Manaus

Imagem da Matéria

PONTO UM:

Não há dúvida que compete ao Congresso Nacional propor e aprovar propostas de emendas à Constituição. Está entre suas principais competências. Justifica-se o instrumento quando se faz necessária adequação do texto da Carta que constitui e organiza o Estado brasileiro e assegura os direitos fundamentais do cidadão a novas realidades sociais, econômicas, políticas, culturais.

Aliás, tais transformações atingem igualmente a legislação infraconstitucional, sucedendo-se reformas das antigas ou produção de novas leis.

No âmbito da política – lembrando que os direitos políticos são direitos fundamentais, assegurados pela Constituição – e consequentemente do direito eleitoral, as sucessivas reformas legislativas descrevem um quadro real: a Lei das Eleições (nº 9.504/97), criada para ser um estatuto geral das eleições, foi alterada em sua curta existência em 13 oportunidades. Detalhe: em algumas das alterações, a lei subsequente reforma a lei da reforma anterior.

Se isso já é caótico face à segurança jurídica, o que dizer-se das alterações constitucionais?

PONTO DOIS

Recentemente, pela Emenda Constitucional nº 97/2017 (*) alterou-se a Constituição para restringir as coligações partidárias exclusivamente às eleições majoritárias, vedando-se sua aplicação às eleições proporcionais.

Quase como um vaticínio, ficou previsto pela EC que a regra teria sua aplicação postergada para as eleições de 2020, não se aplicando ao pleito de 2018.

Sabe-se que as coligações para os cargos eletivos pelo sistema proporcional (vereadores, deputados estaduais e federais) muitas vezes são manejadas com o intuito, entre outros, de “vender” seu tempo de propaganda na tevê e no rádio, inclusive beneficiando também o candidato à majoritária, além de ser um instituto eleitoral temporário, extinguindo-se quando encerrado o pleito.

Também por aí, provoca insegurança jurídica, sem falar que deixa o eleitor, por vezes, sem rumo.

A restrição das coligações, portanto, aos cargos majoritários tinha, aparentemente, um objetivo nobre, melhor organizando os quadros de candidaturas.

Contudo, já se fala nos corredores (do Congresso e da política) em rever essa reforma constitucional que sequer ainda foi aplicada, retornando-se ao ´status quo´ dos últimos pleitos com a total liberação das coligações.

Desse jeito, podemos afirmar com todas as letras que, mesmo em plena era digital, temos uma Constituição escrita a lápis.

Lápis e borracha, novos integrantes da política brasileira.

>>>>>>>>>>

(*) Redação dada pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017:

§ 1º - É assegurada aos partidos políticos autonomia para definir sua estrutura interna e estabelecer regras sobre escolha, formação e duração de seus órgãos permanentes e provisórios e sobre sua organização e funcionamento e para adotar os critérios de escolha e o regime de suas coligações nas eleições majoritárias, vedada a sua celebração nas eleições proporcionais, sem obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas em âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal, devendo seus estatutos estabelecer normas de disciplina e fidelidade partidária.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Judiciário versus democracia: eleição direta

O exemplo que vem do Tribunal de Justiça de Roraima: “Independentemente da instância em que atuam, todos os juízes votam, com maior comprometimento nos programas de otimização e qualificação da prestação jurisdicional”.

Chargista Duke

Fake news: o mal do século 21?

 

Fake news: o mal do século 21?

“Desinformação reproduzida e multiplicada em nada agrega nem ao espaço privado, nem ao público. Desinformação não constrói, desconstrói; é um mal e como tal deve ser tratada”.