Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira , 17 de outubro de 2019.

Acórdão de 269 páginas detalha as ações criminosas e a condenação de ex-juiz e quatro advogados gaúchos



Ilustrações Freepik - Montagem de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A 4ª Câmara Criminal do TJRS publicou ontem (22) o acórdão da apelação penal que trata dos casos de corrupção e lavagem de dinheiro ocorridos – entre dezembro de 2009 e julho de 2010 - na comarca de São Lourenço do Sul (RS). Um delito de prevaricação também flagrado – ocorrido na semana do Natal de 2009 - restou sem punição pela ocorrência da prescrição, já reconhecida na sentença.

O julgado do TJ gaúcho contém 269 páginas que detalham, com minúcias, o enredo que, em 30 de maio de 2011, o Órgão Especial do TJRS - ao colocar “em disponibilidade”, o então magistrado Diego Magoga Conde - já resumira em uma frase: “O juiz possuía um círculo em que as relações da sua vida privada se misturavam com a vida profissional”.

O acórdão foi liberado sem segredo de justiça – como convém ao preceito da publicidade de todos os atos judiciais. Em algumas passagens os nomes dos envolvidos aparecem com as indicações de suas iniciais – embora na maioria dos trechos haja a indicação completa dos nomes dos acusados e condenados, bem como das testemunhas ouvidas, na maioria magistrados.

Ontem, um desembargador aposentado do tribunal gaúcho comparou para o Espaço Vital: “Foi o segundo mais extenso acórdão de toda a história do TJRS - o maior foi aquele do Órgão Especial que julgou o caso Daudt, absolvendo o médico e deputado estadual Antonio Dexheimer e que teve 300 páginas”.

Para recordar: o radialista e parlamentar José Antonio Daudt (MDB) foi morto a tiros em 4 de junho de 1988, aos 48 de idade. O acusado foi julgado em 1990 pelo Órgão Especial do TJRS e absolvido, por maioria, por falta de provas. Sem nenhum condenado, o crime prescreveu em 2008.

A ação penal sobre os casos de corrupção passiva, corrupção ativa e lavagem de dinheiro na comarca de São Lourenço do Sul teve demorada tramitação e solução em primeiro grau. Iniciada ali em 22 de abril de 2012, só teve sentença condenatória seis anos e um mês depois. A prolatora foi a juíza Vanessa Silva de Oliveira.

Nas razões de apelação, os cinco réus apresentaram 17 preliminares e 70 argumentos defensivos tópicos que mereceram, cada um, enfrentamento pontual e minucioso do desembargador Rogério Gesta Leal. Este deu pronta prestação jurisdicional: depois do parecer do Ministério Público, o relator recebeu os autos em 11 de março de 2019, levando o caso a julgamento na sessão de 9 de maio deste ano.

Não há trânsito em julgado, nem qualquer alusão, no acórdão, sobre o imediato início do cumprimento provisório, ou não, das penas. Ninguém foi preso. (Proc. nº 70079034575).

As condenações e a situação atual

Diego Magoga Conde, ex-juiz, condenado a 12 anos e 8 meses de reclusão, em regime inicial fechado. É bacharel em Direito; depois de deixar a magistratura tentou inscrever-se como advogado. Seu pedido foi indeferido pela OAB-RS.

Juliano Weber Sabadin, ex-servidor judicial, advogado (nº 59.417), atualmente procurador do Município de Capão da Canoa, condenado a 6 anos e 8 meses de reclusão, em regime inicial semiaberto. Está em situação “normal” na OAB-RS.

Eugênio Correa Costa, advogado (nº 57.085) com escritório em Pelotas, condenado a 10 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão, em regime inicial fechado. Está em situação “normal” na OAB-RS.

Juliana Leite Haubman, advogada (nº 75.601) com escritório em Pelotas, companheira de Eugênio, condenada a 3 anos de reclusão, pena substituída por prestação de serviços comunitários. Está em situação “normal” na OAB-RS.

Vitor Hugo Alves Conde, advogado (nº 31.364) com escritório em Santa Maria, pai do ex-juiz Diego, condenado a 6 anos de reclusão, em regime semiaberto. Está em situação “normal” na OAB-RS.

Leia a íntegra do acórdão DISPONIBILIZADO no saite do TJRS


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Diálogos ríspidos ontem no Supremo

Desentendimento ocorreu durante julgamento sobre prestação de contas partidárias. Alexandre de Moraes era constantemente interrompido. Toffoli pediu “respeito aos colegas” e Barroso reclamou da “deselegância” do presidente.

O poder feminino em dois TRTs e na advocacia gaúcha

Pela quarto biênio consecutivo, o TRT-RS será presidido por uma mulher (Carmen Izabel Centena Gonzalez). O TRT-SC elegeu ontem (7) também uma mulher: Lourdes Leiria. E na OAB-RS aumenta a diferença do gênero feminino: superioridade do número de advogadas (50,17%) e estagiárias (55,98%).

Charge de HUMOR POLÍTICO

'Se não fosse o STF, não haveria combate à corrupção no Brasil' – disse Toffoli

 

'Se não fosse o STF, não haveria combate à corrupção no Brasil' – disse Toffoli

Presidente do Supremo fez, no Plenário, discurso em defesa da Corte. “É uma falácia e uma desonestidade intelectual dizer o contrário (...) Se existe o combate à corrupção é graças ao STF que, juntamente com o Congresso Nacional e o Executivo, elaboraram pactos republicanos em 2004 e em 2009”.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Transmissão ao vivo – O Espaço Vital retransmitirá hoje à tarde, ao vivo, a sessão do STF, marcada para as 14h. Pode ocorrer atraso. As imagens só serão disponibilizadas pela TV Justiça quando a sessão efetivamente começar.