Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de setembro de 2019.

A saúde entra em pauta judicial



O Estado não pode ser obrigado a fornecer medicamentos sem registro da Anvisa, salvo em casos excepcionais. Assim decidiu o plenário do STF, na quarta-feira (22). Também foi assentada a impossibilidade de concessão judicial para fornecimento de medicamento experimental.

Por maioria, foi definida a seguinte tese, com quatro comandos:

“1) O Estado não pode ser obrigado a fornecer medicamentos experimentais.

2) A ausência de registro na ANVISA impede, como regra geral, o fornecimento de medicamento por decisão judicial.

3) É psível, excepcionalmente, a concessão judicial de medicamento sem registro sanitário, em caso de mora irrazoável da ANVISA em apreciar o pedido (prazo superior ao previsto na Lei nº 13.411/2016), quando preenchidos três requisitos:

a) a existência de pedido de registro do medicamento no Brasil (salvo no caso de medicamentos órfãos para doenças raras e ultrarraras);

b) a existência de registro do medicamento em renomadas agências de regulação no exterior;

c) a inexistência de substituto terapêutico com registro no Brasil.

4. As ações que demandem fornecimento de medicamentos sem registro na ANVISA deverão necessariamente ser propostas em face da União”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Depósitos judiciais administrados por bancos privados

Decisão, por maioria, é do Plenário do CNJ ao votar favoravelmente ao questionamento do TJ de São Paulo. A ministra Rosa Weber, do STF,  determinou a mesma solução em pleito semelhante formulado, via mandado de segurança, pelo TJ do Paraná.

STJ garante a freiras direito de permanecer com véu na foto da CNH

Caso é oriundo do Paraná, com sentença de procedência de ação civil pública ajuizada pelo MPF. O TRF-4 já tinha decidido que “ofenderia o princípio da razoabilidade impedir as freiras de permanecerem com véu em suas fotos, porque para passaportes e cédulas de identidade, não há esse impedimento”.