Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de setembro de 2019.

CNJ derruba ato do TJRS sobre a outorga de tabelionato no município de Ivoti



O Plenário do Conselho Nacional de Justiça julgou procedente o procedimento de controle administrativo formulado contra o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. O processo refere-se, ao ato que concedeu serventia do município de Ivoti ao candidato aprovado no concurso público aberto em 2004, em detrimento de candidato aprovado em concurso posterior, realizado em 2013.

Com a decisão, o TJRS deverá empossar novo titular para dirigir o cartório de Ivoti no prazo de até 180 dias.

As tratativas para o provimento de cartório em Ivoti já duravam quase quinze anos e foi levado ao CNJ por Eduardo Gomes Philippsen, que requereu a desconstrução do ato do tribunal gaúcho que outorgou o cartório a Adriano Damásio, candidato aprovado em 2004. No procedimento, o prejudicado sustentou que “não há embasamento legal para excluir a serventia pública do concurso de 2013 e oferecê-la para um candidato em face do concurso de 2004”.

O caso diz respeito à decisão da presidência do TJRS de conceder ao candidato Adriano Damásio, participante do concurso aberto em 2004 e encerrado em 2006, a serventia de Ivoti, determinando, por conseguinte, a exclusão do referido serviço notarial do certame aberto em 2013.

De acordo com voto do relator do processo, o conselheiro Luciano Frota, o pedido foi acolhido por se considerar que “a outorga de serventia de Ivoti ao candidato participante de concurso já encerrado apresenta vício de legalidade, devendo ser, portanto, anulado”. O entendimento foi acompanhado pela maioria dos conselheiros presentes.

Em consenso do Plenário, o efeito da decisão desta terça-feira deverá ser aplicado em até 180 dias, período em que deverá haver a transição para novo titular da serventia. (*PCA nº 0009708-11.2017.2.00.0000 – com informações da Agência CNJ de Notícias).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Depósitos judiciais administrados por bancos privados

Decisão, por maioria, é do Plenário do CNJ ao votar favoravelmente ao questionamento do TJ de São Paulo. A ministra Rosa Weber, do STF,  determinou a mesma solução em pleito semelhante formulado, via mandado de segurança, pelo TJ do Paraná.

STJ garante a freiras direito de permanecer com véu na foto da CNH

Caso é oriundo do Paraná, com sentença de procedência de ação civil pública ajuizada pelo MPF. O TRF-4 já tinha decidido que “ofenderia o princípio da razoabilidade impedir as freiras de permanecerem com véu em suas fotos, porque para passaportes e cédulas de identidade, não há esse impedimento”.