Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira , 17 de outubro de 2019.

OAB-SP desagrava advogada detida em presídio por usar absorvente interno



O Conselho Seccional da OAB de São Paulo desagravou, esta semana, advogada que foi detida em presídio durante visita a um cliente

"Em nenhum momento me informaram que era sobre o absorvente íntimo, só me mantiveram presa, detida, dizendo que eu tinha que aguardar. Eu fiquei sentada sem o direito de ir e vir. Ou seja, presa" - narrou a advogada Lucieli Regina da Silva.

A relatora do pedido de desagravo, vice-presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB, Ana Carolina Moreira Santos, considerou o ato uma grave violação: "Esse tipo de escaneamento é constrangedor porque faz uma leitura do corpo e, muitas vezes, é realizado por alguém do gênero masculino" - disse.

A partir do caso, o conselho aprovou a criação de um grupo de estudos para analisar a propositura de ação civil pública e a apuração das responsabilidades dos agentes penitenciários.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Diário da Manhã (Passo Fundo)

Por 85 votos x zero, declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para a advocacia

 

Por 85 votos x zero, declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para a advocacia

Decisão unânime do Conselho Pleno da OAB-RS, tomada na sexta-feira (28), resulta na exclusão do advogado acusado de lesar cerca de 30 mil clientes. Mas ele ainda pode recorrer ao Conselho Federal. Caso já tem cinco anos e quatro meses de duração. Réu em diversas ações penais, Mauricio Dal Agnol (foto) está em liberdade desde 23 de fevereiro de 2015, graças a uma liminar em habeas corpus, concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello.