Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Prisão de 29 anos para mulher que matou afilhado com veneno no iogurte



Kevin Oswaldt / Rádio Acústica FM (Reprodução)

Imagem da Matéria

Laura Fernandes da Luz Drosdosky, acusada de colocar veneno no iogurte do afilhado para matá-lo em 2013, em Dom Feliciano, no Sul do Estado do RS, foi sentenciada ontem (30) a 29 anos e seis meses de prisão. A sentença reconheceu o homicídio quintuplicante, conforme as qualificadoras admitidas pelo Tribunal do Júri da comarca de Camaquã. Ela está presa e, só nessa condição, poderá recorrer ao TJRS.

Segundo o Ministério Público, a mulher matou o menino, de quatro anos, porque "não gostava dele e o achava mal educado". Para matar o afilhado, ela usou uma seringa, com a qual injetou inseticida em dois potes de iogurte e deu a ele como presente no dia do aniversário.

As qualificadoras do homicídio foram motivo fútil, com emprego de veneno, mediante dissimulação, recurso que dificultou defesa da vítima e também por ser crime cometido contra criança.

Além desse caso, a mulher já foi condenada pela morte da ex-sogra e duas tentativas de homicídio contra a ex-cunhada, mãe do menino. Com a sogra, usou o mesmo veneno, que foi colocado no chimarrão de Cecília Drosdosky, 72 anos, que morreu durante hospitalização posterior ao envenenamento.

Antes disso, Laura tentou, por duas vezes, matar a ex-cunhada. A primeira ocorreu em janeiro de 2013, quando ela colocou a droga carbofuran no suco da mulher, que foi tratada no hospital de Dom Feliciano. Quando estava se recuperando, novamente Laura colocou veneno no chá da mulher, que precisou ficar internada durante quatro dias.

Esses dois crimes ocorreram antes da morte do afilhado. Até então, não se sabia que a mulher estava envolvida nos casos, o que só foi descoberto após a morte do menino e a exumação do corpo da ex-sogra.

Em julgamento de recurso especial, o Superior Tribunal de Justiça havia acolhido pedido apresentado pela Procuradoria de Recursos do MP e incluiu a qualificadora ‘motivo fútil’ na nova sentença de pronúncia contra Laura

No julgamento do recurso especial, o ministro relator Nefi Cordeiro levou em consideração “a existência de elementos probatórios indicativos de que a recorrida não gostava da vítima, considerando-a mal educada”. Nesse contexto, a decisão acerca da caracterização, ou não, da citada qualificadora ficou a cargo do Conselho de Sentença, sob pena de afronta à soberania do Tribunal do Júri.

Tentativas de homicídio contra ex-cunhada

Laura Fernandes da Luz Drosdosky já foi condenada a 16 anos e quatro meses de prisão em regime fechado (decisão reformada pelo TJRS, ao prover recurso de apelação do MP para ampliação da pena inicial, que havia sido de 14 anos e nove meses) por duas tentativas de homicídio contra a ex-cunhada, Claudiane Sodré Drosdosky.

Em 2 de janeiro de 2013, durante o almoço, Laura ofereceu um suco a Claudiane. No líquido havia sido adicionado o inseticida carbofuran. Claudiane começou a passar mal, foi tratada no Hospital de Dom Feliciano, o que impediu a sua morte. No final da tarde do mesmo dia, quando Claudiane estava em casa repousando, pela segunda vez Laura tentou matá-la, desta vez com chá de boldo com o mesmo veneno.

Em decorrência, Claudiane precisou ficar internada por quatro dias para escapar da morte.

Morte da ex-sogra

Pouco tempo depois, em 7 de abril, Laura Fernandes da Luz Drosdosky matou a ex-sogra, Cecília Drosdosky, com 72 anos, com o mesmo veneno, mas desta vez colocado no chimarrão. A vítima morreu no final da tarde, mesmo após tratamento emergencial no hospital.

O crime foi cometido por motivo fútil, pois Laura matou Cecília em razão de não gostar dela e considerá-la uma “mala-sem-alça”, além das qualificadoras emprego de veneno, dissimulação, recurso que dificultou a defesa da vítima, e contra pessoa idosa.

Ela foi condenada pelo júri popular a 23 anos e seis meses de prisão em regime fechado – pena confirmada pelo TJRS.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do Hotel Renaissance (divulgação), Senado Federal e Camera Press

As férias frustradas do político condenado

 

As férias frustradas do político condenado

O paranaense Acir Gurgacz, senador (PDT) por Rondônia - eleito em 2014, com posse em 2015 e mandato por oito anos – está preso desde outubro de 2018. Cumpre, agora em regime domiciliar, pena de 4 anos e 6 meses por crime contra o sistema financeiro. O político – que o Senado não cassou - chegou a ter, esta semana, autorização judicial para passar 18 dias em Aruba.