Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Os desafios para a reforma tributária no Brasil



Chargista Rafael Machado de Oliveira, Magoo

Imagem da Matéria

Por Rafael Korff Wagner, advogado (OAB-RS nº 48.127), vice-presidente do Instituto de Estudos Tributários
rkw@lippert.com.br

Não é novidade a necessidade de uma reforma tributária no Brasil. O grande tributarista gaúcho Alfredo Augusto Becker, de saudosa memória, em seu clássico “Teoria Geral do Direito Tributário”, já em 1963 alertava para o “manicômio tributário” em que se transformou o nosso sistema de impostos, altamente complexo e desprovido de qualquer racionalidade lógica.

Assim é que, juntamente com a reforma da Previdência e de outros projetos estruturantes, está na ordem do dia do Congresso Nacional a discussão do projeto de Emenda à Constituição de Reforma Tributária, de autoria do deputado Baleia Rossi (PMDB-SP) com base em projeto elaborado pelo Centro de Cidadania Fiscal – CCiF, uma autodenominada “thik tank” independente. Desta, um dos diretores é o economista Bernard Appy.

O projeto elaborado pelo CCiF e que foi recentemente aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, basicamente, cria no Brasil o IBS – Imposto sobre Bens e Serviços, imposto nos moldes do IVA europeu, unificando os cinco tributos que hoje incidem sobre o consumo no país: três federais (IPI, PIS e COFINS), um estadual (ICMS) e um municipal (ISSQN), com uma alíquota estimada de 20%.

Embora a proposta seja meritória, pois racionaliza e simplifica o sistema tributário hoje vigente no Brasil, por certo enfrentará forte resistência para sua aprovação, especialmente de estados e municípios, que deixarão de exercer sua competência tributária para a concessão de incentivos fiscais, mecanismo fundamental de atração de investimentos no Brasil e uma característica muito forte de nossa Federação, hoje e sempre.

Igualmente, antevê-se forte oposição contra a parte da proposta que prevê a arrecadação do imposto no destino e não mais na origem, dado que tal sistemática prejudica as indústrias e regiões do país que hoje se favorecem dos benefícios fiscais concedidos pelos estados e até mesmo pelos municípios.

A amplitude da proposta de autoria do CCiF, ao concentrar tributação federal, estadual e municipal em um único imposto, é que a diferencia das demais propostas de reforma tributária que tramitaram em passado recente no Brasil. Tais propostas naufragaram por oposição de interesses públicos e privados, razão pela qual a estratégia mais adequada para o sucesso de uma reforma tributária no Brasil, talvez, seja sua segregação, criando-se um imposto sobre o consumo federal, com posterior adesão facultativa de estados e municípios. Tal como noticia a imprensa, é a ideia do Governo Federal a ser brevemente apresentada ao Congresso.

Mais do que isso, talvez a eficácia de uma reforma tributária não esteja na realização de uma alteração na Constituição Federal, mas sim na mudança da legislação infraconstitucional, onde há espaço de sobra para a racionalização do sistema.

Serviço Espaço Vital

· Evento: Reforma Tributária em Debate.

· Participação presencial, ou à distância.

· Data e local – Sexta-feira (7), das 8 às 19h., na PUCRS, Prédio nº 97-A.

· Palestrantes - Bernard Appy, Marcelo Portugal, Everardo Maciel, Ricardo Pereira e Raul Velloso.

· Custo da participação: de R$ 100 (estudantes) a R$ 350 (profissionais em geral).

· Informações em www.iet.org.br


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).

Arte de Camila Adamoli

Uma isca para fazer gastar

 

Uma isca para fazer gastar

“Muitos saites e vendedores criam ofertas intermediárias para confundir. O efeito? Você gasta mais achando que levou vantagem”. Isso acontece com pipocas, bicicletas, micro-ondas, televisores, tênis, roupas, computadores, etc. Artigo de Samy Dana, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas

Amarildo.wordpress.com.br

Plebiscito anticorrupção

 

Plebiscito anticorrupção

“Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 ´tradicionais´ partidos do célebre quadrilhão  barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes”. Artigo do jurista Modesto Carvalhosa.

Chargista SponHolz – www.humorpolitico.com.br

A Justiça que nunca acaba

 

A Justiça que nunca acaba

“Na Alemanha, Canadá, Espanha, EUA, França e Inglaterra, por exemplo, a sentença de primeira instância é suficiente para levar o cidadão à prisão. No Brasil, o caso Lula parece ser infinito. Apesar de todos os pedidos da defesa do ex-presidente terem sido julgados — e derrotados — nas quatro instâncias da Justiça, não tem nada fechado de vez”. Artigo do jornalista Carlos Alberto Sardenberg.

Fotos Pinterest (E) e Word Press (D)

   A Justiça cega

 

A Justiça cega

“Ministros de tribunais brasileiros participam de julgamentos para os quais se encontrariam impedidos”. Em artigo de Gil Castello Branco, no jornal O Globo, em sua edição desta terça-feira (18), são mencionados dois ministros do STF, quatro ministros do TST e advogados com envolvimento em “fatos aparentemente gravíssimos”.