Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de setembro de 2019.

Liminar encaminha solução para quitação de atrasados para médicos



Uma liminar obtida na Justiça pela empresa Competência Soluções Médicas - que presta serviços terceirizados em pronto-atendimentos de Porto Alegre - deve pôr fim a um impasse que deixa médicos sem receber seus salários, desde abril. Em decisão na quinta-feira (30) ao conceder liminar em mandado de segurança, o juiz José Antônio Coitinho, da 2ª Vara da Fazenda Pública, definiu que a Prefeitura não pode cobrar a garantia de R$ 245,6 mil da vencedora do contrato emergencial, porque não previu a cobrança no instrumento convocatório de contratação.

A autoridade impetrada é o secretário municipal da Saúde. A impetração foi assinada pela advogada Paula de Oliveira Espíndola.

A exigência do pagamento dos 5% fez com que a empresa se recusasse a assinar o contrato, prestando o serviço desde 11 de abril sem a formalidade e, por consequência, sem os repasses municipais. As informações são do Jornal do Comércio (RS), em sua edição desta terça-feira (4), em texto assinado pela jornalista Isabella Sander.

Tudo começou em 9 de abril, quando foi lançado instrumento convocatório para a cotação de preços de dispensa de licitação, com pregão on-line marcado para o dia seguinte. Na ocasião, a Competência Soluções Médicas venceu a disputa, que envolvia contrato emergencial com prazo de vigência de até 180 dias. E iniciou seu trabalho na madrugada seguinte nos pronto-atendimentos Cruzeiro do Sul, Bom Jesus e Lomba do Pinheiro, nas unidades básicas de saúde com horário estendido e no Hospital Materno Infantil Presidente Vargas.

No momento de assinar o contrato, a administração da empresa constatou que o Município de Porto Alegre exigia o pagamento de 5% (R$ 245,6 mil) do valor total do contrato (R$ 4.912.000,00), como garantia, e se recusou a assinar o documento nesses termos.

"Existe a possibilidade de ser pedida uma garantia no contrato, mas essa exigência precisa constar no instrumento convocatório, porque não tem como, depois do edital, prever novos custos para a empresa", explica o gerente da Competência Soluções Médicas, Matheus Klippel.

Com a liminar, a expectativa do gestor é que seja feita uma retificação no texto para posterior assinatura do contrato, o que viabilizará os repasses municipais e o consequente pagamento dos salários dos profissionais. “Defiro em parte o pedido liminar, determinando que o impetrado confeccione o contrato sem a previsão de garantia” – escreveu o magistrado Coitinho.

Sob a ótica de Klippel, os pagamentos já poderiam ser feitos a partir da ordem de início dos serviços, mas este não é o entendimento do prefeito Nelson Marchezan. A Prefeitura foi notificada ontem (3) sobre a liminar. A Procuradoria do Município vê como praxe, em contratos emergenciais, exigir uma garantia de 5%, o que – segundo ela - já está previsto em legislação própria, não podendo ser aplicado regramento de licitação nesse caso. O município não confirmou, contudo, se recorrerá da decisão.

O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) denunciou a situação na semana passada. Para a entidade, o caso "expõe os riscos do modelo de gestão que a prefeitura municipal está implantando na Capital", referindo-se à terceirização dos serviços médicos nos pronto-atendimentos. (Proc. nº 9034436-03.2019.8.21.0001).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Depósitos judiciais administrados por bancos privados

Decisão, por maioria, é do Plenário do CNJ ao votar favoravelmente ao questionamento do TJ de São Paulo. A ministra Rosa Weber, do STF,  determinou a mesma solução em pleito semelhante formulado, via mandado de segurança, pelo TJ do Paraná.

STJ garante a freiras direito de permanecer com véu na foto da CNH

Caso é oriundo do Paraná, com sentença de procedência de ação civil pública ajuizada pelo MPF. O TRF-4 já tinha decidido que “ofenderia o princípio da razoabilidade impedir as freiras de permanecerem com véu em suas fotos, porque para passaportes e cédulas de identidade, não há esse impedimento”.