Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia



Camera Press

Imagem da Matéria

"Fiquei assustada com o número de visualizações", disse Christiane C., moradora de um subúrbio do Rio, cuja filha postou um vídeo de si mesma no YouTube, brincando na piscina no quintal de casa com uma amiga. Alguns dias depois, a filha contou à mãe a notícia: o vídeo tinha milhares de visualizações. Não demorou muito para que chegasse a 400 mil — um número impressionante para um vídeo de uma criança de biquíni brincando com uma amiga.

"O vídeo é inocente, nada demais, eu vi as imagens novamente e me assustei com o número de visualizações” - disse a brasileira Christiane, em matéria publicada ontem (4) pelo jornal New York Times, de autoria dos jornalistas Max Fisher e Amanda Taub.

O YouTube é uma plataforma de compartilhamento de vídeos com sede em San Bruno (Califórnia, EUA). O serviço foi criado por três ex-funcionários do PayPal - Chad Hurley, Steve Chen e Jawed Karim - em fevereiro de 2005. A Google comprou o saite em novembro de 2006 por US $ 1,65 bilhão. O YouTube agora funciona como uma das subsidiárias da Google.

As preocupações da mãe

A mãe tinha razão em se preocupar. O sistema de recomendação automatizado do YouTube - que impulsiona a maioria das bilhões de visualizações da plataforma, sugerindo o que os usuários devem ver em seguida - começou a oferecer o vídeo da menina na piscina para usuários que assistiram a outros vídeos de crianças pré-adolescentes e parcialmente vestidas.

Segundo pesquisadores de Harvard, o YouTube fez a curadoria dos vídeos a partir de todos os seus arquivos, às vezes pinçando inofensivos filmes domésticos de famílias. Em muitos casos, o algoritmo encaminhava os usuários a alguns desses vídeos depois que eles assistiam a conteúdo com tema sexual.

— É o algoritmo do YouTube que conecta esses canais - disse Jonas Kaiser, um dos três pesquisadores do Centro Berkman Klein para Internet e Sociedade, de Harvard, que tropeçou nos vídeos enquanto analisava o impacto do YouTube no Brasil. “Isso é assustador” – ele admitiu.

O vídeo da filha de Christiane já foi removido pelos sistemas do YouTube, depois que a empresa foi alertada de que tinha um problema de pedofilia. Em fevereiro deste ano, agências de notícias informaram que usuários estavam usando a seção de comentários de vídeos do YouTube com crianças para orientar outros pedófilos. Naquele mês, admitindo o problema como "profundamente preocupante", o YouTube desativou os comentários em muitos vídeos com crianças.

Mas o sistema de recomendação, que permanece em vigor, reuniu dezenas de vídeos desse tipo em um repositório novo e facilmente visível, e os empurrou para um vasto público.

O YouTube nunca se propôs a atender usuários com interesses sexuais em crianças” - mas, no fim das contas, segundo Kaiser, “o sistema automatizado os mantém conectados, e os usuários não precisam procurar vídeos de crianças para assisti-los”. A plataforma pode levá-los até lá por meio de uma progressão de recomendações.

Assim, um usuário que assiste a vídeos eróticos pode ser recomendado para vídeos de mulheres mais jovens e, em seguida, para mulheres que fazem poses provocativas, usando roupas de crianças. Eventualmente, alguns usuários podem receber vídeos de meninas de 5 ou 6 anos usando roupas de banho ou se vestindo.

Sozinho, cada vídeo pode ser perfeitamente inocente, como um filme caseiro feito por uma criança. Quaisquer planos reveladores são fugazes e parecem acidentais. Mas, agrupados juntos, seus recursos compartilhados se tornam inconfundíveis.

O jornal New York Times preservou o sobrenome da família brasileira para proteger sua privacidade.

O que é o algoritmo
(Da redação do Espaço Vital)

Algoritmo é o método ou procedimento geral para se resolver determinado tipo de problema em um número finito de etapas, segundo regras predefinidas e uma série de operações, geralmente repetidas, numa ordem estipulada

É também definido como o procedimento de sequência finita, e não ambígua, de instruções computáveis que, aplicadas a um conjunto de dados, conduzem à solução de um problema ou permitem realizar certa tarefa.

Engenheiros de sistemas definem o algoritmo como “série fixa de tarefas, ações, raciocínios etc. que, realizados passo a passo, levam a determinado resultado pretendido”.

A palavra é de origem latina. Vem de ´algorithmus´ e surgiu na Arábia, em referência a Al-Khuwarizmi, matemático árabe do século 9.

Leia a íntegra da matéria – traduzida pelo jornal O Globo – clicando aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

CNJ sofre ataque de hacker

A invasão foi feita por uma pessoa que se intitula “Aline 1”.  Dados (nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas) de milhares de pessoas foram vazados.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.