Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Quando o governo se beneficia de sua torpeza



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Artigo de Lenio Streck, jurista e colunista (Espaço Vital) do Jus Azul

Leio que a AGU – Advocacia Geral da União (ou seja, o governo), ingressou com milionária ação judicial contra as empresas fumageiras, porque o que vendem faz mal à saúde e causa prejuízo ao Estado.

Não sou libertanista. Mas democracia significa um Estado de Direito, não um Estado paternalista que me diga o que, como e quando fazer.

Especialmente se for "para o meu bem". Ora, quem decide o que é para o meu bem? Burocratas?

Interessante: anos e anos, tarjas nas carteiras, campanhas etc., e só agora se dão conta de que isso dá mais prejuízo que lucro? Incrível. Processam, mas vão continuar permitindo o fabrico e consumo?

Vai aí uma platitude: se é verdade que se sabia desde o início que o negócio faz mal, por que então se autorizou (e se lucrou) com a venda do produto? Uma ação dessas faria sentido no caso de um remédio, não no caso do cigarro.

Enquanto isso, o ministro Moro ventila e apoia a redução de impostos sobre os cigarros. É sério isso? A AGU deveria conversar com Moro.

O Estado sabe, sempre soube, que cigarro faz mal. Nunca proibiu. Agora vai querer cobrar algo de que já se sabia desde-já-sempre? E se depois for com a indústria do álcool?

O Estado viola, aqui, um princípio: o de que ninguém pode ser beneficiado de sua própria torpeza. Em 1895, em Nova Iorque, Elmer matou seu avô para ficar com a herança. Não havia lei proibindo-o de ficar com a herança. Punia-se (só) o assassinato. Pois o tribunal ferrou o neto, Elmer, e o impediu de se beneficiar da torpeza de seu ato.

Mutatis mutandis, o princípio aqui se aplica. Sim, sei bem que, nos EUA, as companhias de cigarro fizeram acordo. Mas me parece que as circunstâncias não são as mesmas. Lá, em 1997, a indústria passou a admitir que tabaco vicia e a aceitar um rígido controle federal sobre seus produtos e propaganda. Aqui isso já é velho, pois não? Ou não?

A ver. Talvez, dependendo do desfecho, também teremos que colocar uma tarja nos livros de Direito.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).

Arte de Camila Adamoli

Uma isca para fazer gastar

 

Uma isca para fazer gastar

“Muitos saites e vendedores criam ofertas intermediárias para confundir. O efeito? Você gasta mais achando que levou vantagem”. Isso acontece com pipocas, bicicletas, micro-ondas, televisores, tênis, roupas, computadores, etc. Artigo de Samy Dana, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas

Amarildo.wordpress.com.br

Plebiscito anticorrupção

 

Plebiscito anticorrupção

“Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 ´tradicionais´ partidos do célebre quadrilhão  barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes”. Artigo do jurista Modesto Carvalhosa.

Chargista SponHolz – www.humorpolitico.com.br

A Justiça que nunca acaba

 

A Justiça que nunca acaba

“Na Alemanha, Canadá, Espanha, EUA, França e Inglaterra, por exemplo, a sentença de primeira instância é suficiente para levar o cidadão à prisão. No Brasil, o caso Lula parece ser infinito. Apesar de todos os pedidos da defesa do ex-presidente terem sido julgados — e derrotados — nas quatro instâncias da Justiça, não tem nada fechado de vez”. Artigo do jornalista Carlos Alberto Sardenberg.

Fotos Pinterest (E) e Word Press (D)

   A Justiça cega

 

A Justiça cega

“Ministros de tribunais brasileiros participam de julgamentos para os quais se encontrariam impedidos”. Em artigo de Gil Castello Branco, no jornal O Globo, em sua edição desta terça-feira (18), são mencionados dois ministros do STF, quatro ministros do TST e advogados com envolvimento em “fatos aparentemente gravíssimos”.