Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira , 17 de outubro de 2019.

Quando o governo se beneficia de sua torpeza



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Artigo de Lenio Streck, jurista e colunista (Espaço Vital) do Jus Azul

Leio que a AGU – Advocacia Geral da União (ou seja, o governo), ingressou com milionária ação judicial contra as empresas fumageiras, porque o que vendem faz mal à saúde e causa prejuízo ao Estado.

Não sou libertanista. Mas democracia significa um Estado de Direito, não um Estado paternalista que me diga o que, como e quando fazer.

Especialmente se for "para o meu bem". Ora, quem decide o que é para o meu bem? Burocratas?

Interessante: anos e anos, tarjas nas carteiras, campanhas etc., e só agora se dão conta de que isso dá mais prejuízo que lucro? Incrível. Processam, mas vão continuar permitindo o fabrico e consumo?

Vai aí uma platitude: se é verdade que se sabia desde o início que o negócio faz mal, por que então se autorizou (e se lucrou) com a venda do produto? Uma ação dessas faria sentido no caso de um remédio, não no caso do cigarro.

Enquanto isso, o ministro Moro ventila e apoia a redução de impostos sobre os cigarros. É sério isso? A AGU deveria conversar com Moro.

O Estado sabe, sempre soube, que cigarro faz mal. Nunca proibiu. Agora vai querer cobrar algo de que já se sabia desde-já-sempre? E se depois for com a indústria do álcool?

O Estado viola, aqui, um princípio: o de que ninguém pode ser beneficiado de sua própria torpeza. Em 1895, em Nova Iorque, Elmer matou seu avô para ficar com a herança. Não havia lei proibindo-o de ficar com a herança. Punia-se (só) o assassinato. Pois o tribunal ferrou o neto, Elmer, e o impediu de se beneficiar da torpeza de seu ato.

Mutatis mutandis, o princípio aqui se aplica. Sim, sei bem que, nos EUA, as companhias de cigarro fizeram acordo. Mas me parece que as circunstâncias não são as mesmas. Lá, em 1997, a indústria passou a admitir que tabaco vicia e a aceitar um rígido controle federal sobre seus produtos e propaganda. Aqui isso já é velho, pois não? Ou não?

A ver. Talvez, dependendo do desfecho, também teremos que colocar uma tarja nos livros de Direito.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Cuidado com as audiências em ação de despejo

 

Cuidado com as audiências em ação de despejo

“O inimaginável na 3ª Vara Cível de Porto Alegre: terceiros - não autorizados pela parte ré, tampouco munidos de instrumento de mandato - firmaram acordo em nome de uma octogenária, reconhecendo uma dívida e uma relação jurídica locatícia inexistente. E o pior: a transação foi homologada. Virou um elefante branco”. Artigo da advogada Cristine Batistella Darcie.

Liminar para rescisão indireta do contrato de trabalho

Impontualidade no pagamento dos salários e falta dos depósitos do FGTS. “A 1ª Seção de Dissídios Individuais do TRT-4 acolhe mandado de segurança de uma reclamante, sem necessidade de instrução do feito”. Empate de sete votos, com decisão pelo ´voto de Minerva´ da presidente.  Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski.

Montagem de Gerson Kauer sobre imagem Google

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

 

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

“Para me atrever a abordar o caso, busquei valiosos subsídios junto ao credenciado professor Ney Fayet Júnior. Entre um mate e outro, fui brindado com uma verdadeira aula. Assim, em conclusão, primeiramente, de tentativa de homicídio não se trata”. Artigo de Roberto Siegmann, advogado, hoje excepcionalmente fora de sua condição habitual de colunista do Jus Vermelha.

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

 

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

O prazo dado pelo CSJT, para início da obrigatoriedade a partir de 1º de janeiro de 2020, é insuficiente para que os usuários adquiram o domínio necessário ao uso do programa”. Artigo de Evori Veiga de Assis, economista, diretor do IPEJ.

A usurpada federação brasileira

“É preciso que os Estados e Municípios tenham a autonomia prevista na Constituição e que seus gestores assumam as suas responsabilidades e deixem de se esconder sob o manto da asfixiante centralização, que está nos empurrando de volta aos tempos do Brasil colônia”. Artigo de João Pedro Casarotto, auditor-fiscal do RS, aposentado.