Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

TST nega pedido de reintegração feito por bancário do Banrisul



O Tribunal Superior do Trabalho julgou improcedente o pedido de reintegração feito por um bancário do Banrisul, despedido sem motivação. Segundo a jurisprudência superior, “os empregados de empresas públicas e de sociedades de economia mista não têm a garantia de estabilidade”.

O trabalhador foi admitido pelo Banrisul em fevereiro de 1977 e demitido sem justa causa em janeiro de 2012, às vésperas de completar 35 anos de atividade bancária. No mesmo mês, o bancário ingressou com a reclamação trabalhista, requerendo a reintegração.

Ele sustentou que a dispensa fora ilegal e arbitrária e que, “por ser integrante da administração pública indireta do Estado do RS, o banco teria de motivar o ato administrativo de despedida de seus empregados”.

O juízo da Vara do Trabalho de Carazinho (RS) considerou nula a dispensa, e o TRT da 4ª Região manteve a sentença, apesar de o empregado não ter sido admitido mediante concurso público.

O acórdão superior que proveu o recurso de revista observou que, “sendo o contrato do bancário regido pela CLT e o banco uma sociedade de economia mista submetida ao regime próprio das empresas privadas, não há necessidade de motivação do ato de demissão, uma vez que não se aplica ao empregado o artigo 41 da Constituição”. Essa é a orientação contida na Súmula nº 390 do TST (Proc. nº 115-63.2014.5.04.0561).

Súmula nº 390 do TST (editada em 20 de abril de 2005).

Servidor público. Estabilidade. Celetista. Administração direta, autárquica ou fundacional. Aplicabilidade. Empregado de empresa pública e sociedade de economia mista. Inaplicável. CF/88, art. 41.

I - O servidor público celetista da administração direta, autárquica ou fundacional é beneficiário da estabilidade prevista no art. 41 da CF/88. (ex-OJ 265/TST-SDI-I - Inserida em 27/09/2002 e ex-OJ 22/TST-SDI-II - Inserida em 20/09/2000).

II - Ao empregado de empresa pública ou de sociedade de economia mista, ainda que admitido mediante aprovação em concurso público, não é garantida a estabilidade prevista no art. 41 da CF/1988. (ex-OJ 229/TST-SDI-I - Inserida em 20/06/2001).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Estabilidade para gestantes não vale para empregadas temporárias

Uma trabalhadora contratada pela empresa DP Locação e Agenciamento de Mão de Obra, para prestar serviço temporário à Cremer S.A., de Blumenau (SC), foi a autora da ação trabalhista que, em grau de recurso de revista, chegou ao TST.

Férias não podem ser concedidas em período em que há inaptidão para o trabalho

O TRT-RS condena as Lojas Renner S.A. a pagar em dobro, a uma ex-empregada (caixa), o valor relativo ao período de 30 dias.Conforme o acórdão, “o período de descanso anual se destina à reposição das energias necessárias à preservação da saúde física e mental, além de fortalecer os laços familiares e sociais”.

Quatro novas orientações jurisprudenciais do TRT-RS

O empregado não é responsável pelo recolhimento de correção monetária e juros incidentes sobre sua cota parte das contribuições previdenciárias. Os verbetes tratam também de falência, recuperação judicial, pensionamento e penhora em conta de poupança.