Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

“Senhores e senhoras, levantem-se!”



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O jovem juiz assumira na comarca havia 45 dias, em março daquele ano - e, graças ao “arranjamento de pauta” deixado pelo colega substituto que o antecedera - as audiências só começaram a pimpongar seis semanas depois, turno da tarde. Era, então, dia da primeira solenidade processual a ser presidida pelo novel douto magistrado titular.

Os advogados e as partes foram entrando na sala, sendo surpreendidos por chamativo aviso, em letras de tamanho 72: “Em estrito respeito ao Juízo, todos deverão levantar-se no momento que o MM. Juiz adentrar a sala de audiências”.

Na conjunção, para completar o contexto de tentativa de estímulo à juizite, quando o magistrado entrava, a escrivã batia rápidas palmas e determinava em dicção pausada, e ordenatória: “Todos de pé, por G-E-N-T-I-L-E-Z-A”!

A “determinação” (?) vigorou por três dias. E já na quinta-feira, a Subseção local da OAB lançou crítica nas redes sociais, afirmando que “os advogados não estão obrigados a cumprir tal obliterada exigência”.

O cartaz oficial foi, então, substituído por outro mais moderado, de mesmo tamanho, mas ainda assim verborrágico e despiciendo: “Solicita-se, nesta sala, a manutenção de condutas desejáveis, por todos aqueles que fazem parte da solenidade”.

Os advogados locais combinados – e após instruírem seus respectivos clientes – permaneciam sentados quando o juiz chegava, mas proferindo-lhe, sempre, em tom cordial de voz, cumprimentos de “bom dia”, ou “boa tarde”. Estes eram retribuídos, pelo douto condutor da solenidade, apenas com afirmativos maneios da cabeça.

Seguiu o tititi na comarca por mais uma semana, até que a Corregedoria determinou ao juiz que mudasse de postura. Foi assim, então, que na semana seguinte, o clima nublado aparentemente se dissipou com a afixação de um outro cartaz substituto: “Todos bem-vindos à sala de audiências”.

Detalhe: o novo recado oficial de boas-vindas estava estampado, em letras tamanho 36, numa folha branca de papel A-4, medindo módicos 29 x 20 cm.

E não se fala mais nisso...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!