Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

O cheirinho da garagem...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Como integrante da Associação dos Servidores Aposentados da Justiça do Trabalho da 4ª Região, o advogado Deoclécio Galimberti - conceituado na profissão e no magistério do Direito - costuma ir à sede da entidade, numa rua sem maior movimento, bem pertinho do finado Estádio Olímpico. Sempre às terças-feiras, há um almoço de congraçamento. Lógico que, nessas ocasiões, a rua fica congestionada de carros estacionados.

Numa dessas idas, mais uma vez ele deixou o automóvel diante de uma garagem, imaginando que ela não seria ocupada porque – como sempre nas vezes anteriores - a calçada estava repleta de roupas secando em varais improvisados. Mas ao voltar, o advogado foi contemplado com um bilhete: “Com todo o respeito, é a quarta vez que você põe o carro na minha garagem. Se você é homem, aperta a campainha que eu vou falar com você, seu merda”.

Ele se assustou, perguntando a si próprio: “Meu Deus, será que vou apanhar?”

Mas, dentro do princípio de que “conversando a gente se entende”, achou por bem falar com o dono da casa. Preparou-se para o imprevisível, e apertou na campainha. Ninguém respondeu. Como o portão não estava chaveado, entrou e bateu na porta. Veio uma senhora que perguntou:

- Quem é o senhor?

- Agora sou o “Seu Merda” e estou às suas ordens – respondeu, exibindo o bilhete.

A revelação provocou um acesso de riso na mulher. Conversa vai, conversa vem, desculpas recíprocas, os dois terminaram cordiais conhecidos, inclusive com a autorização para “livre estacionamento nas terças-feiras”

Agora o advogado tem certeza de que, doravante, está respeitosamente autorizado a colocar o seu carro diante da tal garagem.

Até hoje, claro, a dona não o brindou com um rolo de papel higiênico...

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Sintetizado de “Lembrar é Viver”, livro de Deoclécio Galimberti, com crônicas da vida real, lançado em 22.5.2019 (Agê Editora).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A justificada parcialidade do juiz

 

A justificada parcialidade do juiz

Um pênalti incomum cometido por um zagueiro. Gol da equipe adversária e fim do sonho de estar na elite do futebol gaúcho. Depois da partida, na entrada do vestiário, o goleiro agride seu companheiro de time. No juízo criminal, o magistrado decide com pleno e pessoal conhecimento da causa e absolve o acusado. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.

Charge de Gerson Kauer

Quem quer ser atriz na televisão?

 

Quem quer ser atriz na televisão?

O anúncio nos classificados do jornal foi insinuante: “Empresa com 15 anos de credibilidade busca atrizes sem experiência, para trabalhos em programas de tevê. Garantimos (100%) pelo menos uma participação”. Ao chegarem no Rio de Janeiro, as candidatas tinham que marcar e assinar num formulário:

( ) Sim, aceito fazer nu;

( ) Não aceito fazer nu.