Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

República Tupiniquim



Charge de Ivan Cabral

Imagem da Matéria

Por Antonio Silvestri, advogado (OAB-RS nº 17.672)
asilvestri@terra.com.br

Vejo alguns ministros do STF semeando risinhos irônicos frente aos que tiveram coragem de caçar os piores ladrões da história tupiniquim.

Vejo políticos lutando pelo quanto pior melhor.

Vejo a OAB digladiando para evitar prisão de bandidos, quiçá para seus filiados seguirem faturando generosos cifrões com a lista infindável de recursos.

Vejo o honesto rebaixado a otário e o malandro galgado a gênio.

Vejo a verdade pisoteada e a mentira no andor.

E então, vejo uma lágrima teimosa despencar do meu olho.

Vejo definhar A Justiça Acima da Lei – teoria de Cícero, o maior orador romano do seu tempo, estratégia de defesa do poeta Archia, seu amigo e mestre. Atitude inédita do notável tribuno. Projetada em terreno fértil, ela deslizou pelos desfiladeiros da abismante distância dos tempos sem se deixar esvair nos tempos, acabou por vencer os tempos, e se mantém atual nos presentes tempos.

Mas vejo que a república tupiniquim está por dizimá-la.

Embrenhado neste túnel dos tempos, noto a luz tênue que insiste em seguir lá no final a indicar-me que gasto meu último Pai-Nosso na trilha da esperança que teima em se manter arraigada a essa Via Sacra iniciada há mais de três décadas, quando jurei exercer a advocacia na busca da justiça, coisa que, a par de fazer parte da minhafilosofia de vida, é regra deontológica no nosso Estatuto. 

Mas vejo-a esquecida pela OAB.

A tese de Cícero, de um tempo em que, de tão distante, até o pensamento custa alcançá-la (65 a.C.), continua a me alimentar esta nostalgia melancólica, quiçá alucinógena, de que ainda há juízes em Berlin.

O renomado tribuno, albergado em suficientes premissas, expressou: Si nihil aliud nisi de ciuitate ac lege dicimus, nihil dico amplius; causa dicta est.

Mas na república tupiniquim, vejo-me expropriado da teoria de Cícero. Por isso, resolvi recolher-me à quinta parte do pó da essência da minha insignificância e viver só no meu mundo. No meu mundo onde tenho sonhos, tantos sonhos com tantas coisas, essas coisas que não se conhecem na república tupiniquim.

O assassinato da teoria de Cícero, aqui neste meu país, rouba-me o gosto pela vida em sociedade. Sendo solitário, não sinto solidão. Mas, quando em meio a essa multidão invertendo valores, vendo o vazio dos que me cercam, acabo tragado por esse abismo e escorrego às profundezas da solidão. Os que convivem comigo não me entendem.

Eles não sabem que estar em solidão não é estar sozinho; é estar acompanhado do vazio dos que se dizem cheios.

No meu mundo solitário, mantenho-me esperançoso de alguma luz ainda derramar sobre a república tupiniquim. Na minha estrada, que já vai longa e se faz marcada por urzes e cardos, acabei por me adaptar a ela. E ainda que decidisse por deixar morrer a esperança de um dia desfrutar do privilégio de ver-me a assistir à minha Corte

Suprema comportar-se à moda dos Juízes de Berlin, mirando a Justiça Acima da Lei, ladeando interesses pessoais e pensando só no meu país, não me seria dado esse direito. Afinal, o direito de morrer por último não é meu; é da esperança! Logo, enquanto eu viver, forçoso me é mantê-la. Não por convicção; por obrigação!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.

Imagem Dicio.com.br

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

 

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

“A Associação Brasileira dos Advogados do Povo ´Gabriel Pimenta´ atua em prol aqueles que são molestados por exercer seu trabalho com independência e desassombro. E se constitui também como instância de produção intelectual e de ação concreta, dentro e fora dos tribunais”. Artigo dos advogados Henrique Júdice Magalhães (OAB-RS nº 72.676) e Felipe Nicolau do Carmo (OAB-MG nº 129.557 e OAB/ES nº 29.263).

Chargista Aroeira

O STF e o drama cósmico

 

O STF e o drama cósmico

“Entre erros e acertos, os ministros do STF, como ´jurisfilósofos´, têm deliberado sobre alguns ´astros´. Dos guardiões da Constituição, espera-se mais do que luz e revelação. Anseia-se por temperança”. Artigo do advogado Rafael Moreira Mota (OAB-DF nº 17.162)

Imagem Camera Press - Edição EV

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

 

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

Os empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Estadual, nos anos 80, para associados da AJURIS. “O valor à época permitia - a cada um dos tomadores - a aquisição de 19 fuscas novos, valor a ser pago em 120 meses, tudo sem correção monetária, em tempo de inflação de 80% ao mês”. Artigo de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, magistrado estadual aposentado e advogado (OAB-RS nº 31.349).