Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

República Tupiniquim



Charge de Ivan Cabral

Imagem da Matéria

Por Antonio Silvestri, advogado (OAB-RS nº 17.672)
asilvestri@terra.com.br

Vejo alguns ministros do STF semeando risinhos irônicos frente aos que tiveram coragem de caçar os piores ladrões da história tupiniquim.

Vejo políticos lutando pelo quanto pior melhor.

Vejo a OAB digladiando para evitar prisão de bandidos, quiçá para seus filiados seguirem faturando generosos cifrões com a lista infindável de recursos.

Vejo o honesto rebaixado a otário e o malandro galgado a gênio.

Vejo a verdade pisoteada e a mentira no andor.

E então, vejo uma lágrima teimosa despencar do meu olho.

Vejo definhar A Justiça Acima da Lei – teoria de Cícero, o maior orador romano do seu tempo, estratégia de defesa do poeta Archia, seu amigo e mestre. Atitude inédita do notável tribuno. Projetada em terreno fértil, ela deslizou pelos desfiladeiros da abismante distância dos tempos sem se deixar esvair nos tempos, acabou por vencer os tempos, e se mantém atual nos presentes tempos.

Mas vejo que a república tupiniquim está por dizimá-la.

Embrenhado neste túnel dos tempos, noto a luz tênue que insiste em seguir lá no final a indicar-me que gasto meu último Pai-Nosso na trilha da esperança que teima em se manter arraigada a essa Via Sacra iniciada há mais de três décadas, quando jurei exercer a advocacia na busca da justiça, coisa que, a par de fazer parte da minhafilosofia de vida, é regra deontológica no nosso Estatuto. 

Mas vejo-a esquecida pela OAB.

A tese de Cícero, de um tempo em que, de tão distante, até o pensamento custa alcançá-la (65 a.C.), continua a me alimentar esta nostalgia melancólica, quiçá alucinógena, de que ainda há juízes em Berlin.

O renomado tribuno, albergado em suficientes premissas, expressou: Si nihil aliud nisi de ciuitate ac lege dicimus, nihil dico amplius; causa dicta est.

Mas na república tupiniquim, vejo-me expropriado da teoria de Cícero. Por isso, resolvi recolher-me à quinta parte do pó da essência da minha insignificância e viver só no meu mundo. No meu mundo onde tenho sonhos, tantos sonhos com tantas coisas, essas coisas que não se conhecem na república tupiniquim.

O assassinato da teoria de Cícero, aqui neste meu país, rouba-me o gosto pela vida em sociedade. Sendo solitário, não sinto solidão. Mas, quando em meio a essa multidão invertendo valores, vendo o vazio dos que me cercam, acabo tragado por esse abismo e escorrego às profundezas da solidão. Os que convivem comigo não me entendem.

Eles não sabem que estar em solidão não é estar sozinho; é estar acompanhado do vazio dos que se dizem cheios.

No meu mundo solitário, mantenho-me esperançoso de alguma luz ainda derramar sobre a república tupiniquim. Na minha estrada, que já vai longa e se faz marcada por urzes e cardos, acabei por me adaptar a ela. E ainda que decidisse por deixar morrer a esperança de um dia desfrutar do privilégio de ver-me a assistir à minha Corte

Suprema comportar-se à moda dos Juízes de Berlin, mirando a Justiça Acima da Lei, ladeando interesses pessoais e pensando só no meu país, não me seria dado esse direito. Afinal, o direito de morrer por último não é meu; é da esperança! Logo, enquanto eu viver, forçoso me é mantê-la. Não por convicção; por obrigação!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).

Arte de Camila Adamoli

Uma isca para fazer gastar

 

Uma isca para fazer gastar

“Muitos saites e vendedores criam ofertas intermediárias para confundir. O efeito? Você gasta mais achando que levou vantagem”. Isso acontece com pipocas, bicicletas, micro-ondas, televisores, tênis, roupas, computadores, etc. Artigo de Samy Dana, professor da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas

Amarildo.wordpress.com.br

Plebiscito anticorrupção

 

Plebiscito anticorrupção

“Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 ´tradicionais´ partidos do célebre quadrilhão  barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes”. Artigo do jurista Modesto Carvalhosa.

Chargista SponHolz – www.humorpolitico.com.br

A Justiça que nunca acaba

 

A Justiça que nunca acaba

“Na Alemanha, Canadá, Espanha, EUA, França e Inglaterra, por exemplo, a sentença de primeira instância é suficiente para levar o cidadão à prisão. No Brasil, o caso Lula parece ser infinito. Apesar de todos os pedidos da defesa do ex-presidente terem sido julgados — e derrotados — nas quatro instâncias da Justiça, não tem nada fechado de vez”. Artigo do jornalista Carlos Alberto Sardenberg.

Fotos Pinterest (E) e Word Press (D)

   A Justiça cega

 

A Justiça cega

“Ministros de tribunais brasileiros participam de julgamentos para os quais se encontrariam impedidos”. Em artigo de Gil Castello Branco, no jornal O Globo, em sua edição desta terça-feira (18), são mencionados dois ministros do STF, quatro ministros do TST e advogados com envolvimento em “fatos aparentemente gravíssimos”.