Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Ausência de aprovação em concurso público torna nula a contratação em Conselho Regional



A 8ª Turma do TST considerou nulo o contrato de trabalho firmado entre o Conselho Regional de Enfermagem do RS e uma auxiliar administrativa. Em razão da natureza jurídica do órgão - que pertence à administração pública indireta - as contratações deveriam ocorrer somente mediante aprovação em concurso público. No entanto, mesmo demitida a trabalhadora tem direito ao saldo de salários e ao FGTS.

A auxiliar trabalhou no COREN de março de 2009 a novembro de 2014 e, ao ser demitida, recebeu apenas o saldo de salário correspondente aos 22 dias em que trabalhou no mês.

O juízo da 20ª Vara do Trabalho de Porto Alegre considerou nulo o contrato de trabalho, devido à ausência da aprovação em concurso, e negou o pagamento de qualquer direito trabalhista, exceto a contraprestação salarial anteriormente paga. O TRT da 4ª Região (RS) manteve a sentença.

No exame do recurso de revista, a relatora, ministra Maria Cristina Peduzzi, observou que, ao declarar a nulidade total do contrato, sem conceder à trabalhadora quaisquer direitos, o TRT-4 contrariou a jurisprudência do TST. Embora, de acordo com o artigo 37, inciso II, da Constituição da República, a contratação de servidor público sem prévia aprovação em concurso seja nula, a Súmula nº 363 do TST reconhece o direito ao pagamento da contraprestação pactuada em relação ao número de horas trabalhadas e dos valores referentes aos depósitos do FGTS.

O verbete nº 363 – publicado em 10 de novembro de 2000 - assim dispõe: “A contratação de servidor público, após a CF/88, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no respectivo art. 37, II e § 2º, somente lhe conferindo direito ao pagamento da contraprestação pactuada, em relação ao número de horas trabalhadas, respeitado o valor da hora do salário mínimo, e dos valores referentes aos depósitos do FGTS”.

A decisão foi unânime. (RR nº 21025-51.2015.5.04.0020 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Estabilidade para gestantes não vale para empregadas temporárias

Uma trabalhadora contratada pela empresa DP Locação e Agenciamento de Mão de Obra, para prestar serviço temporário à Cremer S.A., de Blumenau (SC), foi a autora da ação trabalhista que, em grau de recurso de revista, chegou ao TST.

Férias não podem ser concedidas em período em que há inaptidão para o trabalho

O TRT-RS condena as Lojas Renner S.A. a pagar em dobro, a uma ex-empregada (caixa), o valor relativo ao período de 30 dias.Conforme o acórdão, “o período de descanso anual se destina à reposição das energias necessárias à preservação da saúde física e mental, além de fortalecer os laços familiares e sociais”.

Quatro novas orientações jurisprudenciais do TRT-RS

O empregado não é responsável pelo recolhimento de correção monetária e juros incidentes sobre sua cota parte das contribuições previdenciárias. Os verbetes tratam também de falência, recuperação judicial, pensionamento e penhora em conta de poupança.