Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital

Como um juiz se aposenta...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Numa conversa aí por meados de 2016, disse-me o juiz do Trabalho de uma maneira incisiva que me surpreendeu: “Encaminhei a minha aposentadoria!”

- O quê? – perguntei, entre incrédulo e curioso.

Eu não tinha maior vivência na Justiça do Trabalho, mas sabia ser ele um juiz trabalhador e dedicado. E toquei a conversa em frente:

- E agora, quem é que tu vais passar a incomodar? A mulher em casa?

- Pois tu sabes que sempre tive um termômetro para aferir quando meu saco tinha enchido e estava na hora de pedir férias – disse-me ele.

E logo desfiou exemplos:

- Por exemplo, quando olhava para a testemunha que mentia e me vinha uma vontade louca de expulsá-la da sala, ou mandar prendê-la, estava na hora de pedir férias. Eu me dava conta, também, que se tivesse vontade de torcer o pescoço das partes que vinham com pedidos absurdos, estava na hora de eu pedir licença-prêmio.

E o magistrado completou a conversa:

- Ontem eu estava numa audiência e tive vontade de esgoelar o advogado, botar a correr as partes, prender a testemunha mentirosa, rasgar aquele processo sem qualquer nexo jurídico e jogar tudo pela janela. Entendi o aviso. Cheguei à conclusão que estava na hora de pedir a aposentadoria. Estou no meu limite.

Ele já está aposentado. E na “rádio-corredor” da OAB comenta-se que se deu muito bem nas novas ocupações.

Agora é advogado, líder carismático e mestre espiritual.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.