Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

Como um juiz se aposenta...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Numa conversa aí por meados de 2016, disse-me o juiz do Trabalho de uma maneira incisiva que me surpreendeu: “Encaminhei a minha aposentadoria!”

- O quê? – perguntei, entre incrédulo e curioso.

Eu não tinha maior vivência na Justiça do Trabalho, mas sabia ser ele um juiz trabalhador e dedicado. E toquei a conversa em frente:

- E agora, quem é que tu vais passar a incomodar? A mulher em casa?

- Pois tu sabes que sempre tive um termômetro para aferir quando meu saco tinha enchido e estava na hora de pedir férias – disse-me ele.

E logo desfiou exemplos:

- Por exemplo, quando olhava para a testemunha que mentia e me vinha uma vontade louca de expulsá-la da sala, ou mandar prendê-la, estava na hora de pedir férias. Eu me dava conta, também, que se tivesse vontade de torcer o pescoço das partes que vinham com pedidos absurdos, estava na hora de eu pedir licença-prêmio.

E o magistrado completou a conversa:

- Ontem eu estava numa audiência e tive vontade de esgoelar o advogado, botar a correr as partes, prender a testemunha mentirosa, rasgar aquele processo sem qualquer nexo jurídico e jogar tudo pela janela. Entendi o aviso. Cheguei à conclusão que estava na hora de pedir a aposentadoria. Estou no meu limite.

Ele já está aposentado. E na “rádio-corredor” da OAB comenta-se que se deu muito bem nas novas ocupações.

Agora é advogado, líder carismático e mestre espiritual.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Goles odoríficos, mas encorajadores

 

Goles odoríficos, mas encorajadores

Na manhã fria, o respeitoso cidadão adentra na sala de audiências, para depor como testemunha. O atilado juiz logo percebe o cheiro específico de recente ingestão de cachaça e, com voz firme, questiona: “O senhor ingeriu bebida alcoólica antes de vir aqui?”

Charge de Gerson Kauer

O juiz não internado

 

O juiz não internado

Na sala de audiências, dia canicular - terno e gravata dispensados - o magistrado confere as decisões que o estagiário e o assessor, também ali presentes, haviam minutado. De repente adentra um estagiário de terno slim, jovial, que vai logo destrinchando prolegômenos, vênias e juridiquês,  etc., como se fosse o advogado da causa...

Charge de Gerson Kauer

Corona no coroa

 

Corona no coroa

A odisseia de quatro pessoas em pequena cidade do interior. A quarentena de um médico alcançado pelo coronavírus. E uma troca de casais como solução, depois da descoberta de um quentíssimo adultério. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Saudosas postagens no Instagram

 

Saudosas postagens no Instagram

Depois de um casamento feliz por oito anos, Renato e Renata se desavieram. E se divorciaram consensualmente. Meses depois um litígio judicial, entre ambos, por causa das fotos dela, que ele postava em seu Instagram. 

Charge de Gerson Kauer

Uma correntista linda, simpática, atraente

 

Uma correntista linda, simpática, atraente

Convocada pelo banco para atualizar seus dados cadastrais, a cliente com 26 de idade comparece prestativa. Formulários preenchidos, tudo ok, despedidas, etc. À noite ela recebe um torpedo no celular: “Lembra que te atendi hoje? Eu te achei linda e simpática, e fiquei interessado em ficar contigo. E, quem sabe, pode até rolar um sexo bom... Há possibilidades? Beijo’’.

Charge de Gerson Kauer

A justificada parcialidade do juiz

 

A justificada parcialidade do juiz

Um pênalti incomum cometido por um zagueiro. Gol da equipe adversária e fim do sonho de estar na elite do futebol gaúcho. Depois da partida, na entrada do vestiário, o goleiro agride seu companheiro de time. No juízo criminal, o magistrado decide com pleno e pessoal conhecimento da causa e absolve o acusado. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.