Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Plebiscito anticorrupção



Amarildo.wordpress.com.br

Imagem da Matéria

Por Modesto Carvalhosa, jurista (*)

Na semana passada, assistimos a diversas manobras políticas de proteção aos corruptos, a mais recente do Senado, que aprovou a toque de caixa projeto para intimidar promotores, procuradores e magistrados, facilitando sua punição por abuso de autoridade.

Trata-se do mesmo roteiro lesa-pátria visto quando da votação das 10 Medidas contra a Corrupção, cujo projeto de iniciativa popular, com milhões de assinaturas, foi transformado numa série de normas de criminalização dos membros da Operação Lava-Jato.

Não há, com efeito, nenhuma possibilidade de o Pacote Anticrime prosperar num Parlamento cujas principais agremiações estão enlameadas até a alma em negociatas do mais abjeto fisiologismo.

Ainda que só 82 congressistas estejam sendo processados no STF, o fato é que os 11 “tradicionais” partidos do célebre quadrilhão barram qualquer providência que possa agravar as penas pelos crimes de seus dirigentes.

Nesse quadro corruptivo, estão os partidos da base dos governos petistas, quais sejam, o próprio PT, o atual MDB, o PP, o PROS, o PRB, o PCdoB, o PDT, o PR e o PSD, além do PSDB e do DEM, valendo assinalar que há poucos dias vários “líderes” do PP se tornaram réus perante a Suprema Corte, o que também se espera aconteça com outros cleptocratas daquelas legendas.

Por isso, não haverá surpresa se aproveitarem o Projeto de Lei Anticrime para acabar de vez com a Lava-Jato, inclusive criando, por um substitutivo geral, tipos penais ainda mais severos para delegados, promotores e juízes que cumpram com seus deveres.

Mas esse conflito entre, de um lado, a sociedade civil, que clama por segurança pública e pela moralização dos costumes políticos, e, de outro, os partidos corruptos que infelicitam o Brasil, pode ser resolvido pelo povo.

Refiro-me precisamente ao plebiscito.

Sim, porque o povo continua a ter a inafastável prerrogativa de se manifestar diretamente, por meio de plebiscito, a exemplo do que acontece em todos os países democráticos do mundo. Sabemos que, sem a nossa pressão, o Congresso nunca vai aprovar medidas que possam representar uma ameaça aos profissionais da política.

É a hora, pois, de nos engajarmos pela convocação do plebiscito com base no qual caberá ao povo dizer se quer ou não o Pacote Anticrime. Basta que membros de qualquer das duas Casas Legislativas, verdadeiramente comprometidos com o bem público, em altaneira desobediência aos “donos do poder”, atendam ao disposto nos arts. 14 e 49, XV, da Constituição e na Lei 9.709/98, de modo que a cidadania brasileira então decida sobre tema de tanta relevância e urgência.

Esta é mais uma bandeira fundamental que precisamos erguer nas manifestações populares de hoje.

Mãos à obra!

(*) Artigo originalmente publicado em O Globo. Para ler diretamente na origem, clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).

CHARGISTA DUKE – TRIBUNA DA INTERNET

   O Big Toffoli

 

O Big Toffoli

“No mundo, a Justiça se move na tentativa de preservar a privacidade das pessoas. Aqui no Brasil é diferente. A democracia tropical, com a sua incessante troca de favores, está parindo um monstro”. Artigo de Fernando Gabeira, publicado por O Globo, em 18.11.2019.

Arte EV sobre imagem Visual Hunt

A classificação dos juízes

 

A classificação dos juízes

“Eles são heróis, soldados, minimalistas e mudos – reportados por Lenio Streck, comentando obra do americano Cass R. Sunstein. Eu acrescentaria também os justiceiros e os cegos/surdos”. Artigo do advogado Gelmir Gutier Reche (OAB-RS nº 66.467).

Chargista Sinfronio – www.sinfronio.com.br

Sabe com quem está falando?

 

Sabe com quem está falando?

“Se o paciente já foi julgado e condenado nas instâncias vigentes, a dúvida não é sobre o réu, mas também e sobretudo sobre o próprio corpo de magistrados. Não houve voto de Minerva no STF, mas uma brasileiríssima retribuição de favor entre Dias e Luiz”. Artigo de Roberto DaMatta, antropólogo e colunista de O Globo.

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.