Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

TJRS instala em Novo Hamburgo a primeira Vara Regional Empresarial do Estado



O TJRS instalou nesta segunda-feira (1º) a primeira Vara Regional Empresarial do Estado, em Novo Hamburgo. A comarca também recebeu, no mesmo ato, a 4ª Vara Cível Especializada em Fazenda Pública. A instalação das unidades contou com as presenças do presidente do TJRS, desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro, da Corregedora-Geral da Justiça, desembargadora Denise Oliveira Cezar, e da prefeita do município, Fátima Daudt, entre outras autoridades.

A Comarca de Porto Alegre possui Vara Regional Empresarial - mas não com abrangência regional, como é o caso da de Novo Hamburgo – cuja competência alcançará, além da sede, as comarcas de Campo Bom, Dois Irmãos, Estância Velha, Igrejinha, Ivoti, Montenegro, Portão, Parobé, São Leopoldo, São Sebastião do Caí, Sapiranga, Sapucaia do Sul, Taquara e Três Coroas.

O presidente do TJRS disse que a especialização “proporciona uma prestação jurisdicional mais rápida e efetiva, reduzindo o tempo processual”. O magistrado acrescentou que “a instalação de mais um serviço é um momento de aproximação do TJ com a comunidade gaúcha”.

A corregedora-geral Denise enfatizou a importância da especialização, acrescentando que, “no caso, específico da instalação em Novo Hamburgo, a iniciativa foi estimulada pelo desembargador Jorge do Canto. Ele estava presente ao ato.

A diretora do Foro de Novo Hamburgo, juíza Joseline Mirele Pinson de Vargas, disse que a comarca fica melhor aparelhada para enfrentar as demandas da sociedade. Ela responderá temporariamente pela 4ª Vara Cível Especializada em Fazenda Pública, que oportunamente –mas ainda sem data - receberá novo juiz de direito. A 4ª Vara Especializada já começa com cerca de 7.500 processos, afora o Anexo Fiscal, com 26 mil feitos.

O juiz de direito Alexandre Kosby Boeira, da Vara Regional Empresarial, observou em seu discurso que “a recuperação do empreendimento viável e a liquidação do empreendimento inviável se constituem em desafio que demanda a criação de estrutura capaz de responder à complexidade dos processos empresariais judicializados”.

A Vara Regional Empresarial começa a operar com cerca de 3.500 processos de falência e recuperação judicial, da anterior Vara de Falências e Concordatas, e receberá ainda os processos novos das comarcas de sua área de abrangência.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novo presidente do TRF-4 assume exaltando tom conciliador

O desembargador Victor Laus citou o Papa Francisco. "O sumo pontífice defende que construamos pontes, não muros. De modo que a exaltação de ambos os lados, o desrespeito à privacidade e o estímulo às polêmicas sem fim devem ser deixados para trás”. O ministro Sérgio Moro esteve presente. Mas o seu anunciado discurso terminou não ocorrendo.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do YouTube (E) e Allysson Mainieri (D)

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

 

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

No julgamento de um agravo de instrumento contra decisão da magistrada Fabiana Kaspary – por descumprimento de uma decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS - o desembargador Jorge do Canto aplicou a ela multa de 20% sobre o valor da causa. A Ajuris e a juíza interpuseram mandado de segurança, requerendo segredo de justiça. Este foi concedido e depois revogado pelo 3º Grupo Cível do tribunal gaúcho. Caso foi decidido anteontem (12) em julgamento de recurso especial. A multa não subsiste. Para o TJRS e o STJ “juiz não pode ser punido com multa do CPC por ato atentatório ao exercício da jurisdição”.

O julgamento da Lava-Jato e/ou Vaza-Jato

Conversas de Moro com procuradores e ação de hackers serão investigadas. A PF vai apurar ataque, enquanto a Corregedoria do MPF abre procedimento sobre a atuação de Deltan Dallagnol. O presidente da OAB gaúcha, Ricardo Breier, em nota, lembrou que a entidade “tem buscado – reiteradamente – a paridade das armas no processo penal”.

VOX MS

   As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 

As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 Um concurso para ingresso na magistratura em que Diego foi aprovado, mas Juliano não teve igual sorte.

 No mesmo dia da posse do juiz, porém, o amigo é designado para assessor. Então, os dois passam a morar juntos.

 O advogado Eugênio Costa e suas influências na comarca. Encontros para jogar vídeo games. E uma ida às compras no free shop do Chuí.

 O oferecimento dos serviços de futura consultoria advocatícia.

 “É nesse círculo de relacionamentos em que relações da vida privada (amizade, camaradagem, afinidades pessoais) se misturam com a vida profissional, que o Dr. Diego Magoga Conde passou a comprometer a sua independência de magistrado” – afirma o desembargador Rogério Gesta Leal.