Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Ministro do Supremo ajuda Lula



Charge de Claudio Aleixo – Tribuna da Internet

Imagem da Matéria

O nosso país é incrível. Ele não sobreviveria a uma criteriosa análise de parte de cientistas políticos sérios e competentes. Todos nós parecemos personagens de uma obra de Jorge Amado, ou de um conto do Nelson Rodrigues.

Há aproximadamente um mês o país foi sacudido por denúncias reveladas com grande estardalhaço, acerca de interlocuções indevidas entre o juiz Moro e os membros do Ministério Público atuantes na Lava-jato.

Um dos críticos mais severos, aquele que se apressou em conceder entrevistas, foi o supremo Gilmar Mendes. Não economizou adjetivos e nem indignação.

Pois bem, alguns dias após, quando os oportunistas de plantão imaginavam que o episódio acarretaria efeitos no julgamento de um recurso cujo objeto diz com a suspeição de Moro no caso Lula, lecionou Gilmar ao advogado genro do compadre de Lula: “Tem que ser concedida a liberdade imediata de Lula, até o julgamento do pedido de suspeição”.

Para o inatacável Gilmar, aquilo que criticava passou a pautar a sua conduta de magistrado, de aconselhamento ao advogado do réu.

Considerando o histórico de Gilmar Mendes é possível demarcar a sua mudança de ânimo relativamente às causas. Não teve e não tem simpatia ao petismo e nem ao lulismo, mas a sua generosidade interpretativa aumentou na mesma proporção das implicações do PSDB na corrupção.

Havia algo ainda mais escandaloso em jogo. Os diálogos não contavam com a prova de autenticidade, quer da autoria quer do conteúdo. Por outro lado, tratando-se de prova ilegal, como admitir que serviria para macular a atuação da Justiça, no mais expressivo processo que cuidava da punição à corrupção no país?

Uma vez mais, aqueles inconformados com a atuação dos governantes corruptos, ou tementes de que as investigações possam atingir-lhes, agarram-se em um “pau-podre” para, esperançosamente, deixarem a cabeça acima da água.

Inacreditável, mas foi a Rede Globo que se encarregou em retirar a eventual credibilidade do manjado IntercePT. Em um dos seus jornais televisivos, demonstrou a fragilidade do conteúdo dos textos: nomes errados, jurisdição diversa de atuação, procuradores então aposentados, etc.

Fossemos um país do império da lei e do respeito, esse blogueiro americano e seus comparsas deveriam estar sendo investigados para serem processados e julgados.

Já é hora de serem convidados a entregarem os seus passaportes na Polícia Federal.

E como este espaço Jus Vermelho é primordialmente futebolístico, agora, é torcer pelo Brasil, sem deixarmos de nos encantarmos com o Guerrero.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Aos pedaços e com pouco tempo

“Não desejo empregar a lógica do Marcelo Medeiros. Na semana passada ele afirmou em uma espécie de defesa prévia: ´Peguei o Inter na segunda divisão e se entregar na primeira e disputando a Sul Americana já seria melhor´”.

Bruno Alencastro / Google Imagens

   Vai tarde!

 

Vai tarde!

“Afinal, Roberto Melo caiu! Resgatado o vestiário, espero que rapidamente ele se refaça. Não há dúvida de que havia descontrole e crise. A postura confusa dos jogadores na partida com o Goiás foi prova disso”.

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

O Gre-Nal dos desesperados

Na quarta-feira, um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.