Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 13 de setembro de 2019.

O fim da ação trabalhista de reclamante que foi assassinado com 12 tiros



A 4ª Vara do Trabalho de São Leopoldo publicou ontem (4) a seguinte sentença adiante publicada, que por si só, se explica.

O juiz Rodrigo Trindade lamenta a barbárie ocorrida em 5 de setembro de 2018, e avalia que “pouco mudou entre este e o último século, e temos apenas mais um folhear de página na velha cultura de sonegação dos direitos sociais; a renovação do ´coloque-se no seu lugar´; a persistência da noção de que pobres, simplesmente, não afrontam ricos”.

Eis o julgado:

4ª VARA DO TRABALHO DE SÃO LEOPOLDO

Proc. nº 0020729-52.2018.5.04.0334

AUTOR: MAYCON DOUGLAS DOS SANTOS MICHEL

RÉU: MERCADO XURUPITA

Vistos, etc.

Trata-se de ação trabalhista ajuizada por MAYCON DOUGLAS DOS SANTOS MICHEL em face de MERCADO XURUPITA, com petitório de fls. 7-10. No mesmo dia de citação da ação, o reclamante foi assassinado com 12 tiros, no novo local de trabalho. Diversas reportagens indicam que os indiciados são os ex patrões, que assinaram a comunicação processual poucas horas antes do crime.

A investigação vai se dirigindo para concluir que mataram Maycon porque o ex funcionário de 27 anos "ousou" buscar seus direitos na Justiça do Trabalho.

Esta unidade judiciária tentou, por diversos meios, comunicação com sucessores do autor falecido. Mas não obteve êxito. Ninguém se apresentou para seguir o processo que - ao que tudo indica - levou ao assassinato desse jovem trabalhador.

Por que chegamos nesse ponto, na barbárie?

Talvez tenha a ver com o discurso recente de haver direitos demais aos trabalhadores, que os órgãos estatais responsáveis por tratar de injustiças para quem trabalha pouco servem ao país, que podem ser diminuídos ou extintos ao soprar da selvageria ideológica de ocasião.

Pode ser que a violência privada esteja em um crescente em todos os ambientes nacionais, que se deve resolver na bala problemas pessoais, que a brutalidade ignorante ocupou lugares e mentes onde jamais deveria passar perto.

Ou pouco mudou entre este e o último século, e temos apenas mais um folhear de página na velha cultura de sonegação dos direitos sociais; a renovação do "coloque-se no seu lugar"; a persistência da noção de que pobres, simplesmente, não afrontam ricos.

Há pouco ainda a se fazer nesse processo, mas é necessário o registro pessoal da profunda consternação com a tragédia, da esperança que culpados serão encontrados, julgados e condenados, conforme a lei. Mas, principalmente, a renovação do comprometimento de que a Justiça, especialmente a do Trabalho, seguirá inabalavelmente voltada a reprovar os injustos praticados com os Maycons dessa comunidade.

Extingue-se o processo sem resolução do mérito, na forma do art. 313, § 2º, II do Código de Processo Civil.

Custas de R$ 311,48, calculadas sobre o valor da causa de R$ 15.574,34, de responsabilidade do réu, pois foi quem deu causa à inviabilidade da ação.

Intimem-se.

Após, arquivem-se.

Rodrigo Trindade, juiz do Trabalho”.
(Assinado eletronicamente)

Para ler os desdobramentos policiais do caso, leia publicação do Clic RBS, em 7 de março de 2019.Clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Multa por má-fé em ação trabalhista reverte à APAE

Punição financeira a reclamante que buscava o vínculo de emprego. Mas as provas mostraram que ele era sócio da empresa reclamada, cuja titular era a ex-esposa. “Desfeito o casamento, o cidadão buscou a Justiça do Trabalho como meio de vingança pessoal ou rixa contra a ex-mulher” – diz o julgado.

Foto ESMAT

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

 

Mulheres recebem renda 17% inferior à dos homens por hora trabalhada

Para a Organização Internacional do Trabalho, a melhoria da divisão das tarefas domésticas é a mudança cultural mais importante para o progresso na igualdade de oportunidades. Juíza Noemia Garcia Porto (foto), presidente da Anamatra, sustenta que “a inserção, em igualdade de condições dignas e decentes, desafia pensar numa perspectiva de direitos humanos”.

Lide simulada: empresa é multada por má fé

Os advogados das duas partes são irmãos. Multa aplicada à empresa reclamada será revertida para a  Liga Feminina de Combate ao Câncer de Novo Hamburgo. Leia a íntegra do acórdão.