Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira , 17 de outubro de 2019.

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses



Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Imagem da Matéria

A 4ª Câmara Criminal do TJRS confirmou, na semana passada, a essência da sentença proferida, em ação penal, pela juíza da 3ª Vara Criminal de Passo Fundo, Ana Cristina Frighetto Crossi, que em junho de 2017 condenou o advogado Maurício Dal Agnol a 8 anos de prisão. O acórdão ainda não foi publicado.

O notório advogado – excluído da OAB-RS no último dia 28 de junho - foi denunciado por receptação (um caso), porte ilegal de armas de fogo e munição de uso restrito. Diversas armas foram apreendidas na residência dele e num outro prédio, em Passo Fundo, durante a Operação Carmelina, em 2014, que investigava prejuízos aplicados pelo advogado em milhares de clientes.

A ação principal sobre a sequência de ilícitos causados à clientela ainda não foi julgada.

Leia os fatos criminosos, relatados na denúncia, que resultaram na condenação, ainda sem trânsito em julgado.

1º FATO:
No dia 21 de fevereiro de 2014, em sua residência na cidade de Passo Fundo, Dal Agnol possuía e/ou mantinha sob sua guarda, o revólver de calibre .22” LR (vinte e dois centésimos de polegada – rifle longo), da marca “Smith & Wesson”, de n.º 483984. Trata-se de arma de fogo de uso permitido, com potencialidade lesiva (Laudo n.º 150/2014 - fls. 43/50 do I.P.), e 8 (oito) cartuchos de calibre .22 (vinte e dois centésimos de polegada – rifle longo - auto de apreensão da fl. 03 do I.P.), munição de uso permitido, mas sem autorização e em desacordo com a determinação legal ou regulamentar,

2º FATO:
Nas mesmas circunstâncias Dal Agnol possuía, e ocultava aproximadamente dezenas de cartuchos de fuzil, munição de uso proibido ou restrito, em normal estado de conservação (Laudo n.º 152/2014 – fls. 60/80 do I.P.), sem autorização e em desacordo com a determinação legal ou regulamentar, pois o denunciado não tinha autorização para a aquisição e/ou posse da munição.

Na oportunidade, policiais federais, no cumprimento de mandado judicial de ingresso, e de busca e apreensão, localizaram e recolheram 105 cartuchos também de fuzil. Desse total apreendido, 44 cartuchos estavam em normal estado de conservação e 61 eram impróprios para o disparo.

3º FATO:
Em data não especificada, Dal Agnol adquiriu, recebeu e/ou ocultou, em proveito próprio, uma espingarda (fuzil) de calibre 22LR (vinte e dois centésimos de polegada – rifle longo), modelo 7022-66S, da marca “CBC” e n.º de série E034719, coisa que sabia ser produto de crime, pois anteriormente fora furtada da vítima (R.O.R.), e que era mantida pelo acusado sem qualquer documento comprobatório de propriedade e com registro de subtração em sistema de informação policial.

4º FATO:
No dia 09 de abril de 2014, em seu escritório, Dal Agnol possuía e/ou mantinha sob sua guarda:

a) A espingarda de calibre 12-65, semiautomática, da marca “Ceska Zbrojavka, fabricada na Tcheco-Eslováquia e n.º 26952;
b) a espingarda de calibre 12-70, modelo A680 (dois canos paralelos), da marca “Boito” e n.º 254194;
c) a espingarda de calibre 12-70, de fabricante não identificado, com inscrições “La Sovrapposti – Gardone VT", de origem Italiana e n.º 29096;
d) a espingarda de calibre 12-70, da marca “Lamber”, de fabricação Espanhola e n.º LB 297103 (auto de apreensão da fl. 14 do I.P.), armas de fogo de uso permitido, com potencialidade lesiva (Laudo n.º 151/2014 - fls. 51/59 e 81/92 do I.P.); e 3.499 cartuchos de diversas marcas e tipos, sem autorização e em desacordo com a determinação legal ou regulamentar. O denunciado não tinha registro das armas de fogo perante o órgão competente e, por consequência, autorização para a aquisição e/ou posse das munições.

5º FATO:
O denunciado também possuía e/ou ocultava o fuzil de calibre 7mm (sete milímetros Mauser), de fabricação artesanal, e a espingarda (fuzil) de calibre 243 WIN Winchester), da marca “Marlin”, modelo X57, n.º de série 91709304, de origem estrangeira (USA), com dispositivo óptico de pontaria (luneta) da marca “Bushnell”, 6-24x40mm mil acoplado à estrutura. Tratam-se de armas de fogo de uso proibido ou restrito, com potencialidade lesiva, mantidas junto com o estoque de 259 cartuchos de calibres diversos.

Em primeiro grau, Dal Agnol foi condenado pela prática do crime previstos no art. 16, caput, da Lei nº 10.826/03 (1º e 2º fatos), do art. 180, caput, do CP (3º fato) e do art. 16, caput, da Lei n.º 10.826/03 (4º e 5º fatos), na forma do art. 69, caput, do Código Penal, às penas de oito anos de reclusão, em regime inicial semiaberto, e de 100dias-multa, à razão unitária de 1/2 do salário mínimo mensal, vigente ao tempo dos fatos.

Outros detalhes

Embora o acusado tenha negado ser conhecedor de armas, uma testemunha afirmou que o réu gostava de caçar, fato que também se verificou com as buscas realizadas na casa de Maurício e amplamente divulgadas pela imprensa escrita e falada, onde encontradas diversas peles de caça.

Os policiais federais que cumpriram a ordem de busca e apreensão foram enfáticos a citar que as armas, inclusive de grosso calibre e as munições, em grande quantidade, situação esta que chegou a causar espanto, estavam guardadas na referida sala fechada e ocultas entre os processos, e as munições, dentro de caixas.

Testemunhas afirmaram em Juízo que o réu gostava de caçar. O delegado federal Mário Luiz Vieira afirmou que diversas vítimas dos crimes de apropriação indébita - que tinha Dal Agnol como investigado - diziam “não ter cobrado o réu por medo dos seguranças armados”. Atestou que “o réu sempre utilizou escolta armada, inclusive desempenhada por policiais militares ativos”.

Com o provimento parcial da apelação do réu e com o provimento do recurso do MP-RS, houve redimensionamento da pena, o que abrange a alteração do regime inicial do cumprimento, que passa a ser o fechado. (Proc. nº 70074468125)

A tira do julgamento é a seguinte:

"À UNANIMIDADE, REJEITAR AS PRELIMINARES, DAR PROVIMENTO PARCIAL
AO RECURSO DA DEFESA PARA ABSOLVER O RÉU DAS SANÇÕES DO ART. 180
DO CP E REDUZIR AS PENAS DE MULTA DO 1º E 2º FATOS PARA 10 DIAS-MULTA
CADA UM, BEM COMO DAR PARCIAL PROVIMENTO AO RECURSO DO MINISTÉRIO
PÚBLICO PARA RECONHECER O CONCURSO FORMAL ENTRE OS CRIMES
DESCRITOS NOS 1º E 2º FATOS E ENTRE OS DESCRITOS NO 4º E 5º FATOS E,
COM ISSO, REDIMENSIONAR A PENA, EM CONCURSO MATERIAL, PARA
08 (OITO) ANOS E 02 (DOIS) MESES DE RECLUSÃO, EM REGIME INICIAL FECHADO
E A PENA DE MULTA PARA 160 (CENTO E SESSENTA) DIAS-MULTA, À RAZÃO
DE ½ DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL, MANTIDOS OS DEMAIS PROVIMENTOS
DA SENTENÇA”.

Leia a íntegra do acórdão


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF tranca ação contra assessor jurídico de Canela (RS)

Ação penal em tramitação na Justiça Federal de Caxias do Sul (RS) aborda a apropriação de bens ou rendas públicas, e/ou desvio em proveito próprio ou alheio, ocorridos em 2010. Seguem como réus o prefeito Constantino Orsolim (MDB) e cinco pessoas ligadas à administração municipal.

Procurador da Fazenda tenta matar juíza no TRF-3

Matheus Carneiro Assunção atacou a magistrada federal Louise Figueiras,  sob a alegação de que o ato seria um “protesto”. A magistrada teve ferimentos leves. O criminoso – que parecia estar tomado por um surto psicótico - foi preso em flagrante

Reprodução > https://www.flickr.com/photos/cnj_oficial/8637666064

Adiada para 16 ou 23 a decisão do STF sobre o alcance de tese que afeta a Lava-Jato

 

Adiada para 16 ou 23 a decisão do STF sobre o alcance de tese que afeta a Lava-Jato

O Plenário do STF adiou para daqui 13 ou 20 dias – isto é, para 16 ou 23 de outubro, a decisão sobre o alcance da tese que pode levar à anulação de sentenças da Operação Lava Jato e de outras ações criminais no país. Concluindo o julgamento de um habeas corpus, por 7 a 4, a Corte definiu ontem (2) que réus delatados devem apresentar as alegações finais depois dos réus delatores, “em nome da garantia do direito à ampla defesa nas ações penais”.