Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

Vá ler o CPC, doutora!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Bernadete Kurtz, advogada (OAB/RS nº 6.937)

Advogada veterana, sempre acompanho o Espaço Vital. Terça da semana passada, ao ler o Romance Forense, “Atenção Excelências, celulares gravando”, logo imaginei: “´O Guerreiro´ deve ser o cara do gel”. (Antigamente era brilhantina, depois gumex, até chegar no gel).

Pois tratei de descobrir e/ou confirmar quem era “Guerreiro”, e não deu outra: era o “juiz engomadinho” - como os advogados o chamavam na época em que assumiu como juiz substituto, início da primeira década de 2000 – coisa de 16 ou 17 anos atrás. Aquela era uma maneira sutil de identificar o juiz arrogante e desrespeitoso!

Lembro da primeira tumultuada audiência – afinal “a primeira vez a gente nunca esquece” - em que participei com o “engomadinho” no comando. Ele parecia irritado, três testemunhas de cada lado, mais depoimentos pessoais, e o meritíssimo indeferindo tudo e mais um pouco. Fui-me irritando também, porque os indeferimentos eram todos contrários ao meu cliente. E a matéria era vínculo... ou seja: tudo ou nada!

Após trancos e barrancos, audiência quase concluída, fiz outro requerimento, que também foi indeferido, e mais uma vez houve o protesto... Aí o meritíssimo explodiu! Apoplético, pôs-se aos gritos. Recusou-se a registrar o protesto, alegando “estar farto de tudo isso”. Cheguei a temer que um ´piripaque´ o acometesse.

Novo extravasamento verbal, este emoldurado pelo jogar, à mesa, de um pesado exemplar do “CPC Comentado”, com uma sugestão proferida em altos decibéis: “Leia o Código, Doutora”.

Foi a gota... em gesto igual, devolvi o CPC e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”.

Foi um susto na sala, imediato silêncio total. Nada mais aconteceu de anormal, o protesto constou na ata, encerrou-se a audiência, levantei-me com meu cliente. E semanas depois o juiz titular assumiu, julgando a ação procedente.

Concluo que, nestes anos todos, o “engomadinho” – com o qual só fiz depois poucas audiências, todas sem incidentes - parece que ainda tem repertório sobre falta de urbanidade. Tadinho!

Ainda bem que, agora, há celulares com câmeras de última geração.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!

Charge de Gerson Kauer

   Como um juiz se aposenta...

 

Como um juiz se aposenta...

O magistrado comandava uma audiência. De repente, teve vontade de esgoelar o advogado, botar a correr as partes, prender a testemunha mentirosa, e jogar tudo pela janela. Ainda bem que pediu aposentadoria. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.