Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Governo anuncia PEC para acabar com inscrição obrigatória na OAB



A inscrição obrigatória de trabalhadores em alguns conselhos de classe – entre eles o Conselho Federal da OAB - pode chegar ao fim. É o que prevê uma Proposta de Emenda à Constituição apresentada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Conselhos são entidades privadas sem fins lucrativos que atuam em colaboração com o poder público, às quais se aplicam as regras do direito privado e a legislação trabalhista" – refere um trecho da proposta.

Na justificativa, consta que os conselhos profissionais não integram a estrutura da Administração Pública, por isso, a inscrição não pode ser condição para o exercício profissional. A medida também afasta, definitivamente, qualquer hipótese de equiparação da organização dos conselhos profissionais às autarquias integrantes da Administração Pública.

Pela proposta, cumpre ao Poder Público disciplinar apenas as hipóteses de interesse da coletividade em que se justifica a regulamentação e fiscalização mediante a criação de conselhos profissionais. O ministro Guedes sustenta que, independentemente de discussões formais sobre a natureza jurídica dos conselhos profissionais, "considera-se fundamental o entendimento sobre o papel dessas organizações para a coletividade, o que justifica a sua relação com o Poder Público".

Em seguida a proposta traz uma definição: tais conselhos “são entidades privadas sem fins lucrativos que atuam em colaboração com o poder público. Nos últimos anos, entretanto, a questão envolvendo a natureza jurídica dos conselhos profissionais repercutiu dentro da Administração, tendo surgido na jurisprudência entendimentos díspares, alguns contrários ao entendimento defendido por este Ministério, classificando os conselhos profissionais na categoria de autarquias pertencentes à Administração Pública".

Clique aqui para ler a íntegra da PEC.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF libera o compartilhamento de dados

A decisão – por maioria - abre caminho para retomar a investigação sobre Flávio Bolsonaro. O tribunal vai votar na próxima quarta-feira (4) a tese (repercussão geral) em que serão definidos os exatos limites da decisão.

Depois dos 5 x 5, para que lado Toffoli vai pender?

Mais gente acredita que o voto do relator Marco Aurélio alcançará a maioria (6 votos) para mudar a jurisprudência vigente. Publicamente, porém, Dias Toffoli tem dito que ainda não decidiu como vai votar e que “voto de presidente pode ser diferente do proferido por ministros”.