Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/fechamento.jpg

Operadoras de planos de saúde preparam ofensiva argentária para prejudicar consumidores



Chargista Pelicano – Tribuna da Internet

Imagem da Matéria

• Sonho argentário

As maiores operadoras dos planos de saúde têm se reunido em consórcio informal para – vejam só – gestar um anteprojeto legislativo destinado a alterar as leis que, desde 1881, movimentam esse mercado. O calhamaço está recebendo os retoques finais em uma grande banca advocatícia de São Paulo para a redação definitiva que terá cerca de 90 artigos – ou um pouco menos, se possível.

Chamado protocolarmente de “Mundo Novo”, mas informalmente de “Sonho das Operadoras”, o projeto tem – entre outros – os seguintes preceitos:

1. Facilitar os reajustes de preços por faixa etária;

2) Derrubar os prazos máximos de espera;

3) Desidratar a Agência Nacional de Saúde. Enfim, uma festa.

A próxima etapa deve ocorrer em corredores ou gabinetes de Brasília, passando pelas mãos de Rodrigo Maia e do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (médico e deputado do DEM-MS).

Quem leu o esboço do novo “Sonho” já concluiu que não há um único artigo que beneficie os consumidores.

•  ´Rolobook´

O STJ julga no dia 1º de agosto o recurso do Facebook tentando cancelar uma multa de R$ 2 milhões aplicada pela Justiça Federal em Foz do Iguaçu (PR). É que em 2015 a empresa foi condenada a uma pena financeira acumulada por não fornecer à Polícia Federal o teor de conversas pelo WhatsApp entre investigados por tráfico de drogas.

O Facebook argumentou, na época, que a determinação judicial foi direcionada à empresa no Brasil, mas que a responsável pelo armazenamento das conversas é a matriz nos Estados Unidos.

Quando as multas diárias chegaram a R$ 2 milhões, a Justiça Federal ainda na primeira instância, bloqueou – em contas bancárias – o montante acumulado.

Detalhe: até o momento não há decisão do STF sobre a ilegitimidade passiva neste tipo de impasse.

• Quinto Constitucional: 88% dos juízes são contrários

Este 16 de julho marca os 85 anos de existência do Quinto Constitucional, instituído no ordenamento jurídico brasileiro quando o país era a República dos Estados Unidos do Brasil. O dispositivo foi visto pela primeira vez, no âmbito constitucional, na Carta de 1934.

Antes disso, a participação de advogados na formação dos tribunais era prevista pelo Decreto nº 16.273/23, estabelecendo que dentre os membros do conselho de Justiça seriam escolhidos dois advogados entre quatro indicados pelo Instituto da Ordem dos Advogados do Brasil.

Em quase nove décadas, o Quinto acompanhou as Cartas até a Constituição de 1988. Pela atual regra, um quinto das vagas dos TRFs, TRTs e tribunais dos Estados, do DF e Territórios devem ser preenchidas por advogados e membros do MP, ambos com mais de dez anos de carreira. Para os advogados, é exigido “notório saber jurídico e reputação ilibada”.

Pesquisa feita pela AMB ouviu quatro mil magistrados e resultou no relatório “Quem Somos: A magistratura Que Queremos”. A tabulação revela que a maioria dos juízes de primeiro e segundo graus é quer o fim do Quinto Constitucional. Porém, mais da metade dos ministros entrevistados acreditam que o dispositivo é adequado.

Para a maioria de juízes de primeiro e segundo grau, o sistema de ingresso no Poder Judiciário pelo Quinto Constitucional “não mais não se justifica e deve ser suprimido”. Entre os magistrados de primeira instância, o percentual pela extinção do Quinto chegou a 88%.

No entanto, para 55% dos ministros (TST, STJ e STF) “o sistema é adequado”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Bacharel formado em 1982 não precisa prestar Exame de Ordem

· Limite de isenção para compras no exterior vai dobrar para US$ 1.000.
· Antecipação de tutela obriga Flamengo a pagar R$ 10 mil mensais às famílias de 13 jovens jogadores que morreram e ficaram feridos no incêndio do Ninho do Urubu.
· Preso perito judicial que fraudava laudos contábeis.
· Possibilidade de mais compras no exterior sem tributação.

STJ edita nova súmula

•  Verbete nº 638 dispõe sobre a abusividade de cláusula em contratos bancários.

•  Prisão temporária de juiz baiano passa a ser preventiva.

•  Efeito 6 x 5 do STF solta o irmão de José Dirceu.

•  Rogério Mendelski deixa a Guaíba e ingressa na Band.

•  Recusa de retorno ao trabalho não afasta direito de gestante à estabilidade.

•  Lula pede no STF a anulação da condenação no TRF-4 pelo sítio de Atibaia.

•  Marcelo Odebrecht trabalho comunitário na Justiça Federal de São Paulo.

•  Palocci delata duas “ex-companheiras”.

Atraso de FGTS não é motivo para rescisão indireta do contrato

  TRT-4 entendeu que a ausência de depósitos não configura falta grave a ponto de tornar impossível a continuidade da relação de emprego.

  Defesa de Lula pedirá a anulação total da ação penal sobre o sítio de Atibaia. Petição de apelação tem 1.386 páginas.

  Mais de 1,2 milhão de mulheres sofreram violência entre 2010 e 2017.

  Cúmplice do ‘doleiro dos doleiros’ tinha tabela de propina a policiais.

 Mais agilidade na imigração de brasileiros que ingressam nos EUA.

  Morre Seabra Fagundes, presidente da OAB que sofreu atentado na ditadura.

Proibido o lançamento de livro sobre a vida de Suzane von Richthofen

  A publicação – que está pronta – tem o título “Suzane, assassina e manipuladora”. Conforme a decisão judicial “a obra não é de interesse público”.

  Editora Abril anuncia leilão para alienação judicial da marca Exame.

 Acidentes de trânsito no trajeto até o trabalho não são mais considerados acidentes de trabalho.

TJ do Paraná impede a locação por Airbnb em condomínio residencial

Conforme o acórdão, “a locação por curtíssimo prazo configura hospedagem comercial”.

Seguradora Chubb segue impedida de contratar com a Itaipu Binacional.

Farpas entre artistas: improcedência de ação de Kadu Moliterno contra Luana Piovani.