Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.
https://espacovital.com.br/images/fechamento.jpg

Operadoras de planos de saúde preparam ofensiva argentária para prejudicar consumidores



Chargista Pelicano – Tribuna da Internet

Imagem da Matéria

• Sonho argentário

As maiores operadoras dos planos de saúde têm se reunido em consórcio informal para – vejam só – gestar um anteprojeto legislativo destinado a alterar as leis que, desde 1881, movimentam esse mercado. O calhamaço está recebendo os retoques finais em uma grande banca advocatícia de São Paulo para a redação definitiva que terá cerca de 90 artigos – ou um pouco menos, se possível.

Chamado protocolarmente de “Mundo Novo”, mas informalmente de “Sonho das Operadoras”, o projeto tem – entre outros – os seguintes preceitos:

1. Facilitar os reajustes de preços por faixa etária;

2) Derrubar os prazos máximos de espera;

3) Desidratar a Agência Nacional de Saúde. Enfim, uma festa.

A próxima etapa deve ocorrer em corredores ou gabinetes de Brasília, passando pelas mãos de Rodrigo Maia e do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (médico e deputado do DEM-MS).

Quem leu o esboço do novo “Sonho” já concluiu que não há um único artigo que beneficie os consumidores.

•  ´Rolobook´

O STJ julga no dia 1º de agosto o recurso do Facebook tentando cancelar uma multa de R$ 2 milhões aplicada pela Justiça Federal em Foz do Iguaçu (PR). É que em 2015 a empresa foi condenada a uma pena financeira acumulada por não fornecer à Polícia Federal o teor de conversas pelo WhatsApp entre investigados por tráfico de drogas.

O Facebook argumentou, na época, que a determinação judicial foi direcionada à empresa no Brasil, mas que a responsável pelo armazenamento das conversas é a matriz nos Estados Unidos.

Quando as multas diárias chegaram a R$ 2 milhões, a Justiça Federal ainda na primeira instância, bloqueou – em contas bancárias – o montante acumulado.

Detalhe: até o momento não há decisão do STF sobre a ilegitimidade passiva neste tipo de impasse.

• Quinto Constitucional: 88% dos juízes são contrários

Este 16 de julho marca os 85 anos de existência do Quinto Constitucional, instituído no ordenamento jurídico brasileiro quando o país era a República dos Estados Unidos do Brasil. O dispositivo foi visto pela primeira vez, no âmbito constitucional, na Carta de 1934.

Antes disso, a participação de advogados na formação dos tribunais era prevista pelo Decreto nº 16.273/23, estabelecendo que dentre os membros do conselho de Justiça seriam escolhidos dois advogados entre quatro indicados pelo Instituto da Ordem dos Advogados do Brasil.

Em quase nove décadas, o Quinto acompanhou as Cartas até a Constituição de 1988. Pela atual regra, um quinto das vagas dos TRFs, TRTs e tribunais dos Estados, do DF e Territórios devem ser preenchidas por advogados e membros do MP, ambos com mais de dez anos de carreira. Para os advogados, é exigido “notório saber jurídico e reputação ilibada”.

Pesquisa feita pela AMB ouviu quatro mil magistrados e resultou no relatório “Quem Somos: A magistratura Que Queremos”. A tabulação revela que a maioria dos juízes de primeiro e segundo graus é quer o fim do Quinto Constitucional. Porém, mais da metade dos ministros entrevistados acreditam que o dispositivo é adequado.

Para a maioria de juízes de primeiro e segundo grau, o sistema de ingresso no Poder Judiciário pelo Quinto Constitucional “não mais não se justifica e deve ser suprimido”. Entre os magistrados de primeira instância, o percentual pela extinção do Quinto chegou a 88%.

No entanto, para 55% dos ministros (TST, STJ e STF) “o sistema é adequado”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Bolsonaro veta integralmente projeto de lei que criava prazo de validade para liminares e cautelares no STF

 Juiz se dá por impedido de atuar em ação penal porque promotor de justiça é “defensor de bandidos”.

 Julgado do TST reconhece ao Magazine Luíza a contratação de empregados pelo regime intermitente.

 Indenização por espondiloartrose a trabalhador calceteiro.

 Operadoras de tevê por assinatura perdem 4 milhões de assinantes por ano.

• Quatro magistrados vão disputar a presidência do TRT-4, em 4 de outubro.

 O Atlas da Violência tem uma cidade gaúcha.

O grande uso de cocaína em Brasília

 Estudo feito pela UnB aponta que o consumo é de oito toneladas por ano e que o pico é nos sábados na Asa Norte.

 Só nove dos 50 Estados dos EUA ainda chancelam a união estável.

• CONAR veta o uso da palavra ´denegrir´.

 O PIB da doença está em alta no Brasil.

 Nova derrota judicial de Eduardo Cunha.

 A prisão do neto do ex-presidente Figueiredo.

 Decretada indisponibilidade de bens do deputado federal Darcísio Perondi

Regra para cultivo de ´cannabis´ medicinal sai ainda este ano

· “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos” liberado: extinta ação popular contra slogan usado por Bolsonaro.

· Condenado a 175 anos de prisão réu acusado de cinco homicídios em Eldorado do Sul.

· TRF-4 confirma legalidade de eleições do Conselho de Medicina Veterinária do RS

Imagem YouTube

TCU abre procedimento para suspender licença remunerada de juíza gaúcha

 

TCU abre procedimento para suspender licença remunerada de juíza gaúcha

Magistrada Valdete Severo (foto) foi autorizada pelo TRT-4 (RS) a se afastar por dois anos da jurisdição, para ocupar a presidência da Associação Juízes para a Democracia. O Tribunal de Contas investigará se houve “prática de ato ilegal, por parte dos desembargadores do Trabalho que autorizaram a cessão irregular da magistrada, com nítidos prejuízos à magistratura e ao Erário”.