Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 22 de outubro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Quem diz que pressão faz mal?



Google Imagens

Imagem da Matéria

No futebol há um vasto espaço para os dogmas. Tanto é assim que uma das ferramentas que serve para desenhar os prognósticos, é a estatística. Diariamente, quando da especulação (adivinhação), de um resultado futuro, nos deparamos com informações tidas como importantíssimas: “Jogaram dez vezes, empatando três, tendo o A perdido cinco e o B duas”.

Quando isso ocorre, circunstâncias fundamentais são omitidas. O período em análise é constituído por vários anos, os atletas, a comissão técnica e as competições eram outras totalmente diferentes. Em síntese, não há base real para gerar uma conclusão.

Agora, estamos diante de uma inarredável realidade, difícil de compreender: o Internacional que joga em casa, embora seja o mesmo, não é o mesmo. Um dogma constituído por uma mera sequência de resultados.

Um dos melhores jogos da Copa do Brasil foi o enfrentamento da volta entre Internacional e Palmeiras. Um jogo para testar as coronárias, ou as safenas. Contrariando as expectativas geradas pelas duas partidas anteriores, o Internacional foi um gigante, dominando o adversário do início ao fim, perseguindo o resultado que ao menos levasse aos pênaltis.

A arbitragem, sem reclamar no mérito, pois exigiria uma interminável sequência interpretativa, por si só, considerando o banho de água fria que foi a reconsideração de um gol, não foi suficiente para afastar o time da obstinação. Quase todos revelaram empenho máximo.

Quando o D’Alessandro foi expulso, em um exagero do árbitro que perdeu a linha por causa de um escorregão, foram flagrados na beira do gramado o presidente do Clube, o vice-presidente eleito e o diretor executivo de futebol.

A imagem me deixou muito animado, pois revela antes de tudo que a anemia do vice-presidente de futebol não contagia a todos. Naquele momento em que tudo indicava que o time desabaria, a presença dos dirigentes transmitia confiança aos atletas.

Gostei de ver que há sangue no Beira-Rio. Parabéns àqueles que souberam reagir e construir ao longo da semana as condições necessárias à classificação. Assistimos um passo fundamental para um novo momento, com irradiações para as demais competições que participamos.

Ah, já ia esquecendo. Começar a partida com o D’Alessandro altera em muito a realidade e a pressão racional da torcida, não faz mal a ninguém, salvo aos apáticos.

Parabéns ao nosso Internacional, que a lição sirva e que venha o Gre-Nal, o Nacional...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Morreu pela boca

“Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade. Já afirmei que Melo, o eterno vice futebol do Inter - resistente a todos os insucessos - derrubou o Odair sem querer derrubá-lo”.  

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.

Reprodução Globo Esporte

O fenômeno Flamengo

 

O fenômeno Flamengo

“A boa administração do clube tem reflexos no futebol, resultando que a administração colha resultados. Sobre o jogo de  quarta-feira (25), apenas um comentário: foi pênalti no Guerrero e o nosso prejuízo foi grande”.

Charge de Gerson Kauer

O coronelismo de churrasqueira

 

O coronelismo de churrasqueira

“Logo após a debacle de ontem, o comentarista Mauricio Saraiva, defendeu a manutenção de toda a estrutura do futebol, apontada como concebida pelo ´maior dirigente da história do Internacional, Fernando Carvalho´. Eu penso diferente: deixar o Odair até o final do Brasileirão, quando poderá ser reavaliado, mas mudar o departamento de futebol já!