Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 18 de setembro de 2020.
https://espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

Quem diz que pressão faz mal?



Google Imagens

Imagem da Matéria

No futebol há um vasto espaço para os dogmas. Tanto é assim que uma das ferramentas que serve para desenhar os prognósticos, é a estatística. Diariamente, quando da especulação (adivinhação), de um resultado futuro, nos deparamos com informações tidas como importantíssimas: “Jogaram dez vezes, empatando três, tendo o A perdido cinco e o B duas”.

Quando isso ocorre, circunstâncias fundamentais são omitidas. O período em análise é constituído por vários anos, os atletas, a comissão técnica e as competições eram outras totalmente diferentes. Em síntese, não há base real para gerar uma conclusão.

Agora, estamos diante de uma inarredável realidade, difícil de compreender: o Internacional que joga em casa, embora seja o mesmo, não é o mesmo. Um dogma constituído por uma mera sequência de resultados.

Um dos melhores jogos da Copa do Brasil foi o enfrentamento da volta entre Internacional e Palmeiras. Um jogo para testar as coronárias, ou as safenas. Contrariando as expectativas geradas pelas duas partidas anteriores, o Internacional foi um gigante, dominando o adversário do início ao fim, perseguindo o resultado que ao menos levasse aos pênaltis.

A arbitragem, sem reclamar no mérito, pois exigiria uma interminável sequência interpretativa, por si só, considerando o banho de água fria que foi a reconsideração de um gol, não foi suficiente para afastar o time da obstinação. Quase todos revelaram empenho máximo.

Quando o D’Alessandro foi expulso, em um exagero do árbitro que perdeu a linha por causa de um escorregão, foram flagrados na beira do gramado o presidente do Clube, o vice-presidente eleito e o diretor executivo de futebol.

A imagem me deixou muito animado, pois revela antes de tudo que a anemia do vice-presidente de futebol não contagia a todos. Naquele momento em que tudo indicava que o time desabaria, a presença dos dirigentes transmitia confiança aos atletas.

Gostei de ver que há sangue no Beira-Rio. Parabéns àqueles que souberam reagir e construir ao longo da semana as condições necessárias à classificação. Assistimos um passo fundamental para um novo momento, com irradiações para as demais competições que participamos.

Ah, já ia esquecendo. Começar a partida com o D’Alessandro altera em muito a realidade e a pressão racional da torcida, não faz mal a ninguém, salvo aos apáticos.

Parabéns ao nosso Internacional, que a lição sirva e que venha o Gre-Nal, o Nacional...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Do Supremo à Justiça Desportiva

 

Do Supremo à Justiça Desportiva

O caso do advogado que já trabalhou para o Inter e liberou D´Alessandro (que estava suspenso por dois jogos) para que disputasse o Gre-Nal. “O questionado diz com o apontado necessário impedimento ou suspeição do julgador quando a matéria possuir ligação com o clube do seu coração”.