Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

TRF-4 nega suspeições de Lula contra desembargadores da 8ª Turma



O TRF da 4ª Região negou provimento ontem à exceção de suspeição interposta pela defesa do ex-presidente Lula contra o desembargador federal Thompson Flores, presidente da 8ª Turma do tribunal. A segunda exceção de suspeição, contra o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator dos processos relativos à Operação Lava Jato na 8ª Turma, não teve o seu mérito julgado, por ter sido interposta fora do prazo legal.

Os advogados de Lula questionavam a imparcialidade dos magistrados para atuar na ação penal relacionada à Operação Lava Jato, que apura a propriedade do sítio de Atibaia (SP). As decisões sobre as suspeições foram proferidas por unanimidade, pela 4ª Seção, órgão colegiado formado pelas 7ª e 8ª Turmas, especializadas em Direito Criminal.

Exceção de Suspeição de Thompson Flores

Sobre Thompson Flores, os advogados apontaram que as manifestações públicas dele para a imprensa, relacionadas à sentença proferida na ação criminal do triplex do Guarujá (SP), comprovariam a perda da imparcialidade do desembargador, refletindo sua inclinação pela tese acusatória e adiantamento do julgamento do processo do sítio de Atibaia.

Além disso, os advogados alegavam que a atuação de Thompson Flores no caso do habeas corpus em regime de plantão, de decisão do desembargador federal Rogerio Favreto, que revogava a prisão preventiva do ex-presidente, teria constituído “uma indevida interferência e subtração da competência do magistrado plantonista”.

A 4ª Seção julgou, por unanimidade, improcedente o pedido.

A relatora das exceções de suspeição, desembargadora federal Claudia Cristina Cristofani, ressaltou que quando o desembargador manifestou-se publicamente em entrevistas para veículos de comunicação, ele ocupava o cargo de presidente do TRF-4. “Em tal condição, preso à ética da responsabilidade, brevemente pronunciou o seu apoio à jurisdição exercida em caso difícil, atrelado que estava ao dever de, como chefe do Judiciário Federal no âmbito da 4ª Região, representar institucionalmente a corte e assegurar a respeitabilidade das decisões judiciais”. A desembargadora Cristofani pontuou mais que “dessa forma Thompson pronunciou-se em nome de um tribunal que deve apoiar a todos os seus magistrados, defendendo as suas prerrogativas e a força das decisões judiciais”.

No tocante à participação de Thompson Flores no habeas corpus concedido à Lula, a relatora observou que “o excepto agiu com oportuna prudência, de modo a garantir que o impasse fosse solvido em seu devido tempo antes da tomada de providências precipitadas; valendo-se de suas atribuições funcionais, atuou imbuído de bom senso e boa-fé, com o fito de preservar a soberania do veredicto do juízo natural da causa, a 8ª Turma deste TRF-4”.

Exceção de Suspeição de Gebran

Sobre Gebran, a defesa alegou que ele teria uma relação de amizade íntima com o ex-juiz federal e atual ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, que atuou no julgamento do processo do tríplex do Guarujá. Os advogados de Lula também sustentaram que o desembargador tivera “posição categórica contra o ex-presidente no mesmo processo”. Também que “Gebran teria interferido “de forma atípica para manter o réu preso após decisão do desembargador federal Rogerio Favreto, em regime de plantão, em um habeas corpus que revogava a prisão preventiva do ex-presidente”.

A 4ª Seção, de forma unânime, considerou intempestiva a exceção de suspeição.

Para a relatora, o pedido não foi conhecido por intempestividade. Segundo ela, de acordo com o determinado pelas regras processuais e pelo regimento interno do TRF4, “o prazo é de 15 dias para o manejo da exceção e começa a contar da distribuição dos autos, se o motivo é fato preexistente (a hipótese da amizade de Gebran com o juiz), ou da data do fato ensejador, se é superveniente (hipótese da atuação no caso do Triplex e da atuação no habeas corpus em plantão)”.
Procs. nºs 50238273920194040000 e 50238273920194040000).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Negado recurso de Lula que questionava legalidade de provas

A defesa queria a nulidade do material entregue ao MPF por autoridades suíças. A alegação – rechaçada pelo TRF-4 - foi de que “houve vícios nos procedimentos de cooperação internacional para a transmissão das provas”.

Acórdão com 80 laudas descreve o roteiro das fraudes com os alvarás

O servidor Gilmar Antônio Camargo de Oliveira – que chegou a estar preso preventivamente e, após, foi exonerado, contou que “no Juizado Especial Cível onde trabalhava estava uma confusão no arquivo”. O computador dele possuía um mecanismo para despachos avulsos, os quais não eram introduzidos no sistema. Três advogados foram peças essenciais ao plano delitivo. Dois deles são casados entre si.

Cadeia para advogado condenado por abusar sexualmente de duas crianças

Crimes ocorreram durante mais de dez anos. Cinco dias depois da decisão (6x5) do STF de permitir a prisão de criminosos só após o trânsito em julgado, o TJ de Santa Catarina decide na linha dos reclamos da sociedade. Ao estabelecer pena de 38 anos e 9 meses, na própria sessão de julgamento a 3ª Turma Criminal determinou a prisão preventiva do abusador, que tem 48 de idade. Ele já está preso.