Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

A sátira embutida



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Após dez anos de profissão, aborrecido com a deficiente prestação jurisdicional, o advogado militante em comarca de entrância intermediária admitia que, na metade das vezes – ou mais até - seus argumentos não eram sequer examinados por estagiários, assessores e magistrados.

O profissional da advocacia então lascava consistentes petições de embargos de declaração que, habitualmente desacolhidos, às vezes resultavam em multas por litigância de má fé.

Numa ação de revisão contratual, a superficial sentença foi de improcedência. Na convicção de que a petição de apelação não seria sequer lida pelo ´staff´ de segundo grau, o advogado embutiu, na metade da lauda de nº 8, sem destaque algum, um recado sutil:

Espero que os julgadores da excelsa câmara entendam o que aqui faço e que não seja punido pela respeitosa crítica que faço. É que há tempos os advogados vêm sendo desrespeitados por magistrados, que sequer se dão ao trabalho de analisar os pleitos que apresentamos. Nossas petições muitas vezes não são sequer lidas. Assim, como somos tratados como ´pamonhas´, é pertinente informar que gostosa receita desta tão famosa iguaria oriunda do milho está facilmente disponível na internet”. (E indicou o link pertinente).

No parágrafo seguinte da petição recursal, o advogado lembrou que “segundo o Dicionário Aulete, pamonha é também pessoa sem iniciativa, sem firmeza, moleirão, bobo – condições pessoais das quais tenho aversão”.

O recurso de apelação foi improvido. Todos, no segundo grau, ignoraram a página 8 do recurso de 12 laudas, ou optaram por passar ao largo da provocação, não dedicando uma linha sequer ao enfrentamento da crítica embutida.

A ementa do acórdão foi objetiva: “Argumentos recursais que não infirmam os ajustes contratuais, do que resulta o improvimento do recurso, pelos próprios judiciosos fundamentos proferidos pelo eminente juiz de primeiro grau”.

Já transitou em julgado.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!

Charge de Gerson Kauer

   Como um juiz se aposenta...

 

Como um juiz se aposenta...

O magistrado comandava uma audiência. De repente, teve vontade de esgoelar o advogado, botar a correr as partes, prender a testemunha mentirosa, e jogar tudo pela janela. Ainda bem que pediu aposentadoria. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.